13 de Maio E O Milagre Das Mulheres Portuguesas (PMA)

Não deixa de ser algo irónico que a 13 de Maio as mulheres portuguesas deixarão de precisar de um homem para poderem engravidar. É um milagre, dirão alguns. É, na realidade, medicina. Mas tão importante como as técnicas utilizadas na Procriação Medicamente Assistida é o que isso trará às mulheres portuguesas.

Não é apenas a questão da segurança, da saúde, é também o fim da dependência das mulheres nos homens na questão da sua própria maternidade. Este é, não duvidem, um reflexo da tutela do homem sobre a mulher altamente interiorizada e que ainda persiste na sociedade. E por isso hoje acontecerá uma nova emancipação da mulher portuguesa. Que outro Estado deixará de a apoiar e proteger? Que outro Estado a obrigará a passar fronteiras para poder ser mãe? Que outro Estado a obrigará a recorrer a técnicas sem acompanhamento médico devido? Esse será um Estado que não me interessa. E Portugal hoje escolherá interessar-se pelas suas mulheres, pelas suas mães e pelas suas futuras famílias.

E por tudo isto, hoje ficará provado, sem qualquer réstia de dúvida, que os milagres não têm que ser divinos.

Nota: Vale a pena ler o excelente texto “E Agora Todas” da Ana Vicente, com o testemunho de várias mulheres sobre o tema da PMA.

Actualização: A Procriação Medicamente Assistida foi aprovada em votação final global com aplausos de muitos deputados e deputadas, tal como das bancadas.

Fonte: Público (imagem).

Por Pedro Carreira

Ativista pelos Direitos Humanos na ILGA Portugal e na esQrever. Opinião expressa a título individual. Instagram/Twitter/TikTok: @pedrojdoc

8 comentários

  1. ana vicente – Sobre Ana Vicente Ana Vicente é uma mulher lésbica, feminista e ativista pelos direitos LGBTIQ+. Nasceu em 1977 em Lisboa, cidade que habitou a maior parte da sua vida adulta, antes de se render à vida do campo na zona Oeste. Licenciou-se em Filosofia, que equilibra ouvindo canções dos ABBA. É copywriter e estratega de comunicação na ana ana, da qual é sócia-gerente (podem adivinhar o nome da outra sócia). É voluntária da ILGA Portugal desde 2015 e colabora com outras associações e movimentos ativistas sempre que pode e/ou é convocada. Escreve há vários anos para o projeto esQrever. Escreve há vários anos. Escreve.
    anaavicente diz:

    É isso mesmo Pedro! Obrigada pela partilha 🙂

    1. Pedro Carreira – Portugal – Ativista pelos Direitos Humanos na ILGA Portugal e na esQrever. Opinião expressa a título individual. Instagram/Twitter/TikTok: @pedrojdoc
      Pedro José diz:

      Parabéns pelo teu artigo, está absolutamente notável ❤😙

Deixa uma resposta Cancel reply

Exit mobile version
%%footer%%