Saltar para o conteúdo
Anúncios

Orientação e género

sharon-mccutcheon-658466-unsplash

Quando escrevi a minha primeira crónica, A Cor do Género, foi com o intuito de desmistificar e informar, dentro das minhas capacidades de pesquisa e perceção das temáticas abordadas aqui no site. Após a publicação do artigo, recebi algumas mensagens para escrever mais acerca daquilo que significa a sigla LGBTQI+ e também para explorar mais as questões de género. Percebi, assim, que o assunto ainda continua muito oculto na sociedade e que nem toda a gente está informada. Eu próprio não sei tudo e será muito interessante escrever este artigo.

Comecemos pelo mais simples, a famosa sigla LGBTQI+. Existem muitas variantes. Pode surgir apenas como LGBT, ou LGBTQ, etc. O que importa é perceber o que diz cada letrinha. O L refere-se a pessoas lésbicas (mulheres que sentem atração por mulheres); o G refere-se a gays (homens que sentem atração por homens); o B a bissexuais (pessoas que sentem atração por homens e por mulheres); o T tanto se pode referir a transexuais como a transgéneros (pessoas cujo sexo biológico não coincide com o género com o qual se identificam); o Q remete para queer (termo que pode englobar todas as pessoas que não se identificam como heterossexuais, sendo um conceito mais vasto); o I refere-se a intersexuais (pessoas com caraterísticas físicas e psíquicas que não são exclusivamente masculinas ou femininas). O + é o que pode suscitar mais dúvidas mas, pela lógica, percebe-se que o objetivo é englobar outras orientações e géneros, por exemplo os assexuais (pessoas que não sentem atração sexual por ninguém, ou que não têm orientação sexual), pansexuais (atração sexual ou amorosa entre pessoas, independentemente do sexo ou identidade de gênero), polissexuais (atração por vários géneros), entre outros.

O que, naturalmente, causará mais confusão é o género. Porque, no que diz respeito à orientação sexual, é fácil de perceber que uma pessoa pode gostar de diferentes indivíduos. Ora bem, o género é quem somos. O que nós somos. Com a ajuda desta imagem, percebemos que a identidade de género é o género com o qual uma pessoa se identifica (no bonequinho, é algo que está no cérebro), se somos homem, mulher ou transgénero (transexual). A expressão de género engloba todas as caraterísticas, modificações corporais e até a forma de vestir que preferimos e podemos ser mais masculinos ou femininos, ou então andrógenos (mistura de caraterísticas físicas e masculinas numa única pessoa). O sexo biológico refere-se ao órgão sexual que possuímos, se somos macho ou fêmea; no caso de se verificar a intersexualidade, há que ter em consideração a ambiguidade sexual ou alguma diferença ao nível dos cromossomas. Por fim, a orientação sexual (que, no nosso bonequinho aponta para o coração) refere-se à atração que sentimos por outras pessoas. A heterossexualidade abrange pessoas que preferem indivíduos do sexo oposto, a bissexualidade de ambos e a homossexualidade do mesmo.

Para concluir, importa sublinhar que existem várias formas de ser. Ou seja, é possível concretizar inúmeras combinações entre género e orientação sexual. Por exemplo, uma mulher que tenha expressão de género feminina pode ter como orientação sexual a homossexualidade ou um homem ser mais feminino e ser heterossexual. O que, muitas vezes, dificulta a compreensão destas questões são os estereótipos sociais. Assim sendo, espero que o artigo ajude a perceber melhor a questão de género e a orientação. Com isto, não espero que andemos todos na rua a tentar perceber se alguém é mais masculino, se é mulher, etc. Pois o importante é que cada um seja livre de se sentir como realmente gosta e essa é a beleza da vida.

 

Fotografia por Sharon McCutcheon.

Anúncios

3 Comments »

  1. Ou seja: o indíviduo não é nada. O sexo que pratica e com quem o pratica é que o define. É esta a triste desconstrucção do indivíduo que a ideologia de género promove. Tu és o sexo que fazes, ou não fazes, e, à parte disso não és ninguém. O indivíduo é regido pelo sexo e incapaz de ser alguém à parte da sua actividade sexual… Triste.

    Gostar

    • Cara Mª Helena, a atividade sexual é apenas uma das caraterísticas que define cada indivíduo. À parte da orientação sexual, ainda existe a identidade e expressão de género, assim como o nosso próprio sexo biológico. Todas estas caraterísticas ou condições humanas definem quem somos, pois estão presentes e marcam a diferença na sociedade. Não podemos ser todos iguais. Evidentemente que, de outro ponto de vista, também as vivências e circunstâncias da vida definem cada indivíduo; não apenas a orientação e género. Nunca escrevi tal coisa no meu artigo. Obrigado pelo comentário e espero ter esclarecido 🙂

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: