"Deixa-te de Mentiras", de Philippe Besson

Ao fechar este livro a frase que ressoa é: nunca devemos voltar ao lugar onde fomos felizes.
Neste magnífico exercício literário, publicado pela Sextante e com tradução de José Lima, Philippe Besson revela-nos um narrador mentiroso, que facilmente cria histórias e situações em torno das pessoas com que se cruza, pelo que o leitor fica prevenido desde logo para a possibilidade de toda a narrativa ser, também, uma mentira. Mas uma invenção que ainda que falsa nos arrebata completamente, que nos aperta o coração, e cujo final pode provocar lágrimas. Um sentimento de perda tão forte quanto o que o narrador experiencia.
Em França, no ano de 1984, dois jovens de mundos completamente distintos no Liceu acabam por se aproximar, atraídos pela sincronia de olhares fugidios e desencontrados, e apaixonam-se. Vinte e três anos depois, o narrador, agora um conhecido escritor, encontra um jovem que é estranhamente parecido com Thomas, o objecto da sua paixão adolescente.
As mentiras do título parecem adquirir um duplo sentido, conforme prosseguimos a leitura. Se, por um lado, a mãe do narrador, inquieta, o advertia: «deixa-te de mentiras, dizia mentiras em vez de histórias, pois ele sempre gostara de «inventar vidas a desconhecidos» com quem se cruza (p. 9), por outro lado, a mentira pode representar a própria história que alguns homens criam para si próprios, ao seguir os preceitos e expectativas ditados pela família – herdam o seu legado, casam, constituem a sua própria família.
«Penso naqueles com quem me cruzei por ocasião de alguns encontros em livrarias, esses homens que me confessam terem mentido a si próprios durante anos e anos (…).
Aqueles que não deram esse passo, que não procuraram pôr-se de acordo com a sua natureza profunda, não são forçosamente medrosos, serão talvez desamparados, desorientados; perdidos como se está perdido no meio de uma floresta demasiado vasta ou demasiado densa ou demasiado escura.» (p. 155)
Evitando confundir o narrador, também ele escritor, com o autor, Philippe Besson é um romancista francês de renome, nascido em 1967. Este livro, a ser adaptado para o cinema, venceu o Prémio Maison de la Presse, Melhor Livro LGBTQ da Oprah Magazine, Escolha do Editor da New York Times Book Review e Melhor Romance Gay da The Advocate.

Nota: Aproveito para colocar uma questão referente à revisão ou tradução, para quem leu o livro. Na pág. 90 faz-se um referência ao duplo sentido de uma palavra, presumo que “faltar-nos”. Contudo não há qualquer explicação referente a esse mesmo duplo sentido, ou a que palavra se refere, se é no original ou da tradução…

Paulo Nóbrega Serra

Nota: Texto originalmente publicado em Palavras Sublinhadas.


A processar… ⏱
Sucesso! 🌈

One comment

Deixe uma Resposta para João Ascenso Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s