Papa Francisco defende uniões civis em casais homossexuais: “Têm o direito de fazer parte de uma família. Ninguém deve ser deixado de fora ou sentir-se miserável por causa disso”

O Papa Francisco defendeu num documentário estreado esta quarta o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, afirmando que as pessoas “homossexuais têm direito a fazer parte de uma família” e que “ninguém deve ser deixado de fora ou sentir-se miserável por causa disso“. Após anos de avanços e recuos, estas declarações do chefe da Igreja Católica representam uma nova aproximação aos direitos das pessoas LGBTI, nomeadamente as católicas, afastando-se assim das suas posições mais tradicionais e as do Vaticano.

Esta é a primeira vez que defende publicamente a união civil entre pessoas do mesmo sexo:

O que precisamos é de uma lei de união civil. Dessa forma, estão legalmente assegurados. Defendi isso”, disse o Papa, durante o documentário “Francesco” que estreou esta quarta-feira no Festival de Cinema de Roma e irá estrear no próximo domingo nos Estados Unidos da América.

As declarações do Papa Francisco estiveram em foco no Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈

O reverendo James Martin, que há muito defende o acolhimento de homossexuais na igreja, considerou estas declarações “um grande passo em frente”. “Ele está a pôr o seu peso a favor do reconhecimento legal das uniões entre pessoas do mesmo sexo”, acrescentou.

Evgeny  Afineevsky, criador do documentário, disse que tentou apresentar o Papa como o viu, e que o filme pode não agradar à comunidade católica.

Não estou a olhar para ele como Papa, mas como um ser humano humilde, um grande modelo para a geração mais jovem, líder para a geração mais velha, um líder para muitas pessoas não no sentido da Igreja Católica , mas no sentido de liderança pura, no terreno, nas ruas.

O cineasta disse que começou a trabalhar com o Vaticano para produzir um filme sobre o Papa Francisco em 2018 e teve acesso sem precedentes ao Papa Francisco até a conclusão das filmagens em junho, em plenos bloqueios sociais devido ao coronavírus na Itália.

Esta é uma posição que só não celebro desde já por este mesmo Papa já nos ter dado, frequentemente e durante anos, banhos de água fria após várias promessas de aceitação. Se este pode ser um derradeiro passo da Igreja Católica para a aceitação das pessoas e de crentes LGBTI? Talvez… mas, chamem-me céptico, preciso de provas concretas do que diz agora defender e fico verdadeiramente feliz por viver num país que há dez anos não está à espera de Francisco para autorizar casamentos igualitários.

Fonte: Público, CNA e Imagem.


Por Pedro Carreira

Ativista pelos Direitos Humanos na ILGA Portugal e na esQrever. Opinião expressa a título individual. Instagram/Twitter/TikTok: @pedrojdoc

Exit mobile version
%%footer%%