Cultura Família Livros Opinião

esQrever sobre educação – Parte 1

Primeira parte de uma reflexão de Cátia Rodrigues de Sousa sobre o seu papel enquanto professora e a educação de crianças no pré-escolar e 1º ciclo.

Num sábado de Páscoa particularmente aborrecido, sem visitas covidianas e com algum mau feitio em cima – qualidade da qual, aliás, não abdico –, dou por mim a olhar para a minha pequena coleção de livros infantis: a única secção da minha estante que mantenho intacta desde que me rendi à magia do e-reader

Muitos destes livros foram comprados em Madrid, em livrarias feministas com secções infantis absolutamente incríveis e invejáveis. Outros (poucos) em português, a maioria da Joana Estrela, por quem sou secretamente apaixonada. Tenho a certeza que coraria se nos cruzássemos na rua. 

Um desses madrilenos chama-se Vacío, da autora Anna Llenas, muito conhecida em Portugal pelo seu famosíssimo livro O Monstro das Cores. Não há ninguém que conviva diariamente com crianças que não conheça este sucesso de vendas. 

Vacío, na língua original, e ainda sem tradução em português, conta a história de uma menina de cartão chamada Júlia, que vive pacatamente num tranquilo bairro com a sua família. Um dia, e de um momento para o outro, é fulminada por um enorme vazio. Júlia rapidamente percebe que o grande vazio que sente é como um buraco negro por onde tudo passa. E que, por mais que procure nas coisas e pessoas à sua volta, não encontra nenhuma tampinha com o tamanho ideal para o encerrar. 

Tenho bastantes livros infantis de temática LGBTI. Uns sobre famílias arco-íris, outros sobre pessoas diversas nas suas vivências e identidades. Felizmente, são cada vez mais os livros (uns melhores e outros piores, vá) com histórias onde cabem todas as crianças e não apenas algumas. Os Vestidos do Tiago, de Joana Estrela, é um desses bons exemplos da minha coleção – e prometo não a referir novamente neste texto.  Mas Vacío não é um livro de temática LGBTI. Ou será? 

Embora me seja relativamente simples falar sobre questões LGBTI com crianças de jardim de infância e 1.º ciclo, ainda não consigo arranjar tampinhas perfeitas que tapem os vazios das crianças que por mim passam. 

Em 7 anos de trabalho em educação, a minha principal preocupação sempre foi a de construir ambientes em que todas as minhas crianças estivessem felizes e seguras. Ora, quem trabalha em educação, e tem um pingo de responsabilidade ou inteligência emocional, sabe que esta tarefa é hercúlea. Primeiro: todas é muita gente. Segundo: felizes e seguras não depende só de nós. No entanto, trabalhei sempre por um ambiente diverso e inclusivo: mesmo com pais e mães zangados e zangadas ao portão, sem perceber porque raio o seu “filho macho” chegou a casa de unhas pintadas de livre vontade. 

Entre livros, conversas e atividades inclusivas, fui criando espaço para que as crianças e pessoas adultas com quem trabalho se sentissem felizes e seguras na escola. Ou, pelo menos, no meu espaço-escola. 

E é por isso que regresso tantas vezes ao livro da Anna Llenas. O meu objetivo enquanto educadora não é tapar os vazios das minhas crianças, mas sim torná-los mais pequenos. Um vazio pequeno permite a passagem de tristezas e medos, é certo, mas também permite a passagem de palavras, e desenhos, e cores, e músicas, e pessoas. E talvez — talvez com sorte — esta mistura mágica faça a diferença.

Cátia Rodrigues de Sousa


T5 | Ep.33 – You Belong With Me: Goucha, Gottmik, Ruby Rose e… Sócrates? Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O septuagésimo primeiro segundo do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️ 🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. Começamos por discutir a nova protegida de Manuel Luís Goucha, a proto-facha Suzana (with a Z?) Garcia e a sua candidatura pelo PSD à Câmara Municipal da Amadora. Depois falamos de algo bom, a visibilidade de Gottmik e da sua identidade trans não binária – de RuPaul's Drag Race para o Mundo. Falamos também do bullying sofrido pela atriz lésbica Ruby Rose e do conteúdo queer da nova edição do Festival Política. No Dar Voz A… discutimos a nova gravação de Fearless de Taylor Swift e da série Gene+ation da HBO. Não há Sawyer Lê Fachos porque o bicho teve indeciso mas infelizmente não se calou. Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄 Música por BenSound e Taylor Swift ; Jingle por Hélder Baptista  🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈
  1. T5 | Ep.33 – You Belong With Me: Goucha, Gottmik, Ruby Rose e… Sócrates?
  2. T5 | Ep.32 – Judas: Casa T, Carta Anti-TERF, Educação Infantil e O Regresso de Sawyer
  3. T5| Ep.31 – MONTERO: CR7, #SuperHate, Armário Laboral, Alan Turing e Lil Nas X!

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

1 comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

<span>%d</span> bloggers like this: