Visibilidade Lésbica: Dados mostram que a igualdade ainda está muito longe

Fotografia por Ketut Subiyanto.

Embora tenha havido avanços nos direitos das lésbicas em alguns países desde que a sigla LGBTI ganhou popularidade nos anos 90, como a igualdade no matrimónio, acesso à inseminação medicamente assistida ou proteção contra discriminação — as lutas de comunidades e pessoas lésbicas persistem em 2021 e fazem parte do dia-a-dia das mulheres cis, trans e intersexo. Essas lutas impactam notavelmente as comunidades lésbicas mais marginalizadas.

Os dados são uma ferramenta de conhecimento e um motor para a mudança. É nesse sentido que a EL*C, a Conferência Eurocentralasiática de Lésbicas*, apresentou recentemente uma análise de género às Nações Unidas, onde observou que há uma lacuna significativa na pesquisa sobre lésbicas como resultado das complexas relações entre misoginia, sexismo e homofobia.

As comunidades lésbicas são muito diversas e se há lutas comuns, outras afetam especialmente algumas comunidades. A ILGA Europe recolheu alguns dos factos mais marcantes da pesquisa LGBTI da Agência de Direitos Fundamentais (FRA) realizada em 2019 e publicada em 2020, sobre mulheres lésbicas na União Europeia:

51% das entrevistadas lésbicas disseram que evitam dar as mãos em público

Mulheres lésbicas evitam dar as mãos em público com a sua companheira, namorada ou esposa por medo de serem agredidas, ameaçadas ou assediadas.

27% das mulheres lésbicas sofreram assédio verbal presencial por serem LGBTI nos últimos 12 meses

Quase uma em cada três mulheres lésbicas na União Europeia foi insultada ou intimidada presencialmente por ser quem é. Além disto, há que ter em conta ainda o assédio online.

19% das mulheres lésbicas já passaram por dificuldades de habitação

Uma em cada cinco mulheres lésbicas terá dificuldades de habitação durante a sua vida. A discriminação é transversal a todas as áreas da vida, inclusive quando se trata de direitos básicos que permitem dignidade, saúde e segurança.

Mais números na União Europeia:

  • 10% das mulheres lésbicas sofreram um ataque físico ou sexual nos últimos cinco anos por serem LBTI.
  • 16% das mulheres lésbicas sofreram discriminação nos últimos 12 meses nos serviços de saúde ou sociais.
  • 20% das mulheres lésbicas sofreram discriminação no trabalho nos últimos 12 meses.
  • 21% das mulheres lésbicas raramente se assumem LBTI.
  • 33% das mulheres lésbicas que sofreram assédio não relataram o último incidente à polícia porque achavam que não fariam ou poderiam fazer nada.
  • 36% das mulheres lésbicas foram ridicularizadas, provocadas, insultadas ou ameaçadas por serem LBTI na escola.
  • 75% das mulheres lésbicas disseram que quem cometeu o seu último ataque sexual físico por serem LBTI era do sexo masculino.

Estes dados servem precisamente para que políticas sociais sejam implementadas de forma a proteger a população lésbica dentro do espaço europeu. Para tal, a visibilidade é um dos pontos mais fortes que reforça as vidas, as experiências e o valor destas pessoas. Porque a Visibilidade Lésbica faz sentido todos os dias!


Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro e Luísa Semedo e Pedro Carreira Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

Episódio ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira. Cairo Braga tem neste episódio especial o duplo-papel de pessoa convidada e moderadora de uma conversa sobre a série de artigos de opinião que surgiram nos últimos dias sobre as identidades e vivências da comunidade LGBTI+… escritas quase na totalidade por homens heterossexuais, cisgénero, brancos e de meia idade. Para tal, juntam-se a Cairo o André Tecedeiro, a Luísa Semedo e o Pedro Carreira para uma conversa na primeira pessoa sobre este ataque, aproveitamento e obsessão que algumas pessoas comentaristas têm para falar da comunidades LGBTI+. A não perder! Artigos por pessoas LGBTI+ mencionados no episódio: A chave do armário e o orgulho da invisibilidade (por Luísa Semedo) De onde vem o que julga saber? Já conversou com pessoas trans e não-binárias? (por André Tecedeiro) O bullying dos opinion-makers (por Ana Aresta) Destransição: Dos mitos aos factos (por Pedro Carreira) Sigam e descubram o trabalho de: Cairo Braga André Tecedeiro Luísa Semedo Música por Fado Bicha: Fado Alice (com Alice Azevedo); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro e Luísa Semedo e Pedro Carreira
  2. Ep.137 – Becoming All Alone: Homens Cisgenerais, Telescópio Homofóbico e Queer Lisboa 26
  3. Ep.136 – Break My Soul: Padre em apuros e Friends redimidos

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Exit mobile version
%%footer%%