COMO SE CONSTRÓI UMA IDENTIDADE SONORA? DISCUSSÃO SOBRE O VÍDEO MUSICAL LET’S LOVE, DE DAVID GUETTA e SIA

Simon Frith, numa análise da música popular, explicava em 1996 que “se as canções pop são narrativas de amor, e nós realmente nos apaixonamos, então as canções são, neste aspeto, narrativas das nossas vidas e dos modos como nos envolvemos e realizamos as nossas fantasias”. Atualmente, com a pandemia de COVID-19, talvez as fantasias onde imaginamos outros mundos estejam mais acesas do que nunca. A onda de arte esperançosa e onde se transmite força à população também chegou à música, mas talvez os limites entre a fantasia e a realidade estejam ligeiramente ténues. Imaginar um mundo onde as pessoas apenas se ligam pela internet já não é ficção científica, é o que muitas pessoas vivem nos dias que correm. 

LET’S LOVE é uma obra do DJ David Guetta e da cantora Sia. Foi produzida para motivar e inspirar as pessoas a ultrapassar a pandemia de COVID-19. Numa entrevista, David Guetta diz que a música surgiu num momento onde sentia que o mundo entrava em depressão, por isso enviou uma mensagem a Sia e, segundo consta, escreveu: “Can we save the world with a happy record and go against the trend?” O vídeo musical foi realizado por Hannah Lux Davis, uma realizadora com uma carreira extensa nesta área. O amor e a felicidade são construídos por uma música inspirada nos sons da década de 1980, e uma narrativa audiovisual centrada na relação entre duas pessoas. Que géneros e sexualidades estão expressas no vídeo musical? Porque será que para ir contra a corrente, David Guetta e Sia adotaram uma estética musical do passado? Vamos desconstruir estes pontos para pensar sobre a construção desta identidade sonora.

A música está no estilo de synthwave, também conhecido como retrowave ou outrun, que é uma tendência recente de eletrónica onde se usam instrumentos analógicos e técnicas para criar canções que soam como a música de 1980s. Não há como escapar aos estereótipos audiovisuais daquela época, às referências a uma cultura de videojogos e ao cenário fora da realidade virtual com tecnologia holográfica que o faz entrar no mundo de Blade Runner. Apesar de o ciberespaço poder ser libertador, o vídeo deixa muito claro que só existem casais heterossexuais. Surpresa das surpresas, é revelado no vídeo que, afinal, a mulher que aparece na imagem é o avatar de um homem (o que levou muita gente a comparar com o episódio “Stricking Vipers” de Black Mirror, incluindo eu próprio). Sobre isto podemos pensar que é inclusivo, só que o vídeo cai no erro de reforçar a ideia de que na internet podemos ser quem quisermos, incluindo ‘fingir uma pessoa que não se é’. O homem com avatar feminino nunca, em nenhum ponto do vídeo, revela a sua identidade ao parceiro. Outra leitura possível é que o protagonista é uma pessoa trans que não se sente confortável com o seu corpo. Ainda assim, nunca nos fornecem a conclusão, e a audiência pode apenas especular se esta relação amorosa pode ou não resultar no mundo real. Como a letra é sobre a pandemia, a mensagem de que juntos irão ultrapassar tudo pode ser atribuída ao vídeo. Se assim for, fornece uma pista de que para além dos limites do ecrã o espetador pode imaginar que a relação tem o final feliz dos filmes românticos de 1980!   

Os dois protagonistas têm as suas identidades construídas através de música inaudível. O que quero dizer com isto é que existem objetos na imagem que nos apontam para o seu gosto musical. O homem branco vive no local mais pobre, e tem um busto de Beethoven na sua cómoda. Por outro lado, o homem negro é rico e tem uma guitarra elétrica no seu quarto. Encontramos aqui uma reversão nos papéis, porque a representação de uma cultura negra não está ligada à pobreza e a branca à riqueza. Existe um plano onde tudo assume uma conotação mais literal. A família negra está vestida de preto e é servida por um funcionário branco, igualmente vestido pela mesma cor, mas se repararmos no protagonista ele veste preto e branco. Recordo que na minha análise a Janelle Monáe indiquei que ela vestia roupa preta e branca. Na altura não mencionei, mas isso é uma estratégia da artista para desconstruir os estereótipos de raça, porque quando inclui as duas cores constrói um símbolo de união (aqui temos a mesma estratégia). 

Na música que as personagens ouvem e praticam observamos a mesma lógica de inversão. Beethoven simboliza a cultura erudita, mas está nos hábitos de escuta da família de classe baixa, enquanto a guitarra elétrica significa a cultura popular, mas aqui pertence à prática musical da classe alta. A ideia geral do vídeo seria que não interessam as diferenças culturais, nem género ou a etnia, pois todos são capazes de se amar. 

O ciberespaço tem também algumas conotações interessantes. Durante a pandemia existe o dever de ficar em casa, e o isolamento levanta uma importante questão social. As pessoas confinadas deixaram de realizar atividades como sair à noite e conviver com os amigos, e o vídeo espetaculariza o mundo de relações interpessoais por meio da internet. Isso tem um caracter positivo porque demonstram uma realidade onde é possível levar uma vida ‘normal’. O problema surge quando verificamos que a única coisa que fazem na simulação é celebrar, e de uma forma muito típica do synthwave: a representação de um mundo de festas noturnas ou ao pôr do sol, bebidas, carros, e verão 24h por dia!  

Para quem gosta de música eletrónica que forneça um ambiente de descontração, esta obra está, sem dúvida, no ponto. No meu encontro com o vídeo musical, o que criou um verdadeiro embate, quase diríamos guilty pleasure, foi sentir que aprecio a música e a estética geral do vídeo ao mesmo tempo que sou incapaz de silenciar o meu sentido crítico. Afinal de contas, se a música vai (de acordo com David Guetta) contra a corrente depressiva e melancólica do momento, porque é que as imagens nem sempre vão? É verdade que o espaço virtual de LET’S LOVE está cheio de vivacidade, cor e carisma, e que os avatares procuram representar apenas o que existe de melhor no ser humano. Contudo, a carga simbólica dos papéis de género, muito vincados no cinema da década de 80, e trazidos pelo estilo musical synthwave, não apaga um momento cultural cheio de problemas que o vídeo parece nem sempre ser capaz de ultrapassar. Qual é a mensagem geral do vídeo? Que agora, durante a época do COVID, devemos abraçar a tecnologia e viver aquilo que não somos capazes no mundo real? O que isso significa para a nossa autoaceitação? Não tenho respostas, apenas estímulo a reflexão e forneço pistas para que todos possamos pensar sobre a construção desta identidade sonora.   


Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

Episódio ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira. Cairo Braga tem neste episódio especial o duplo-papel de pessoa convidada e moderadora de uma conversa sobre a série de artigos de opinião que surgiram nos últimos dias sobre as identidades e vivências da comunidade LGBTI+… escritas quase na totalidade por homens heterossexuais, cisgénero, brancos e de meia idade. Para tal, juntam-se a Cairo o André Tecedeiro, a Luísa Semedo e o Pedro Carreira para uma conversa na primeira pessoa sobre este ataque, aproveitamento e obsessão que algumas pessoas comentaristas têm para falar da comunidades LGBTI+. A não perder! Artigos por pessoas LGBTI+ mencionados no episódio: A chave do armário e o orgulho da invisibilidade (por Luísa Semedo) De onde vem o que julga saber? Já conversou com pessoas trans e não-binárias? (por André Tecedeiro) O bullying dos opinion-makers (por Ana Aresta) Destransição: Dos mitos aos factos (por Pedro Carreira) Sigam e descubram o trabalho de: Cairo Braga André Tecedeiro Luísa Semedo Música por Fado Bicha: Fado Alice (com Alice Azevedo); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira
  2. Ep.137 – Becoming All Alone: Homens Cisgenerais, Telescópio Homofóbico e Queer Lisboa 26
  3. Ep.136 – Break My Soul: Padre em apuros e Friends redimidos

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Por André Malhado

Socio-musicólogo, músico e acafã de ciberpunk.

Exit mobile version
%%footer%%