Alexya Salvador, a primeira pastora trans brasileira: “Todos os seres humanos têm falhas, ser trans não é uma delas”

Fotografia: Reuters/Alamy

Chamadas telefónicas desesperadas de jovens LGBTI+ que contemplam o suicídio ou das suas famílias depois de terem feito uma tentativa pontuam muitas vezes o dia de Alexya Salvador, a primeira pastora trans brasileira. Quando o fazem, ela larga tudo para conversar.

Alexya Salvador cresceu na região metropolitana de São Paulo, no seio da Igreja Católica, o único lugar onde não era agredida. Na escola o cenário era diferente e ali era discriminada e vítima de violência física por ser diferente. Naquela altura, Alexya ingressou no seminário com o objectivo de se tornar padre, mas desistiu passados quatro anos. Também dentro da igreja começou a ser vítima de violência psicológica e “espiritual”. Mais tarde, cruzou-se pela primeira vez com um grupo de drag queens e pensou: “Eu sou isso.

A transição deu-se aos 28 anos, altura em que Alexya e o marido, Roberto, decidiram casar e encontraram na Igreja da Comunidade Metropolitana uma igreja que consentisse o casamento entre uma mulher trans e um homem cis. Nessa mesma igreja foi ordenada pastora há uma década. “Nós não somos uma igreja exclusivamente para a população LGBTI, somos a igreja de todos os excluídos”, explicou. Alexya encontrara, por fim, um lugar onde pertencia.

Como uma mulher trans, ela reconhece a angústia nas vozes de pessoas trans que a contactam e pedem ajuda. “Sinto a dor delas no meu corpo porque passei por isso”, diz. “A minha família também passou por isso.”

Como primeira pastora trans não só do Brasil, como de toda a América Latina, ela espera poder usar a sua fé para ajudar. Ela entende a luta para conciliar a religião e a identidade, especialmente no Brasil, onde o cristianismo reina e a igreja muitas vezes está longe de ser um espaço seguro para as pessoas LGBTI+.

Mas Alexya Salvador quer mudar isso. Muito antes de se tornar pastora, foi a sua fé que lhe proporcionou consolo e força. Agora, também é uma maneira de ela dar à sua comunidade o apoio de que precisa.

De acordo com a Associação Nacional de Travestis e Transexuais do Brasil (Antra), 175 pessoas trans foram mortas no Brasil no ano passado [.pdf], o maior número desde que a organização começou a analisar os dados. Todas eram mulheres trans e a maioria, como Alexya, era negra e pobre.

Desde que a Covid-19 chegou ao Brasil, a igreja entrou em modo online, com alguns serviços ainda prestados pessoalmente, particularmente porque muitas pessoas paroquianas vivem nas ruas ou em abrigos e dependem da igreja para necessidades básicas e para se manterem seguras. Mas aquele é o seu porto seguro, é também o seu dentro da igreja.

O cristianismo que Jesus apresentou foi para todas as pessoas”, disse. “E fazer parte da igreja hoje, como mulher trans, é uma recuperação do espaço que sabemos que também é nosso.


Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro e Luísa Semedo e Pedro Carreira Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

Episódio ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira. Cairo Braga tem neste episódio especial o duplo-papel de pessoa convidada e moderadora de uma conversa sobre a série de artigos de opinião que surgiram nos últimos dias sobre as identidades e vivências da comunidade LGBTI+… escritas quase na totalidade por homens heterossexuais, cisgénero, brancos e de meia idade. Para tal, juntam-se a Cairo o André Tecedeiro, a Luísa Semedo e o Pedro Carreira para uma conversa na primeira pessoa sobre este ataque, aproveitamento e obsessão que algumas pessoas comentaristas têm para falar da comunidades LGBTI+. A não perder! Artigos por pessoas LGBTI+ mencionados no episódio: A chave do armário e o orgulho da invisibilidade (por Luísa Semedo) De onde vem o que julga saber? Já conversou com pessoas trans e não-binárias? (por André Tecedeiro) O bullying dos opinion-makers (por Ana Aresta) Destransição: Dos mitos aos factos (por Pedro Carreira) Sigam e descubram o trabalho de: Cairo Braga André Tecedeiro Luísa Semedo Música por Fado Bicha: Fado Alice (com Alice Azevedo); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro e Luísa Semedo e Pedro Carreira
  2. Ep.137 – Becoming All Alone: Homens Cisgenerais, Telescópio Homofóbico e Queer Lisboa 26
  3. Ep.136 – Break My Soul: Padre em apuros e Friends redimidos

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Exit mobile version
%%footer%%