A Hipocrisia do Chega e de João Paulo Gaspar

O partido Chega, que quer ser o estandarte da extrema-direita em Portugal, está já em campanha para as eleições autárquicas deste ano, com candidaturas a 220 câmaras municipais a nível nacional. E o candidato à vice-presidência da Câmara Municipal da Moita é João Paulo Gaspar, recentemente anunciado como tal na página de Facebook da sucursal partidária.

A força do partido online junto dos seus camaradas, pessoas a sério ou meros bots, cedo se fez sentir na caixa de comentários do Facebook com congratulações e parabenizações à forca e coragem deste candidato. Mas bastou fazer um scroll inocente pelos comentários e vimos outro tipo de análises. É que pelos vistos João Paulo Gaspar, o empresário, co-fundador da Variações onde foi Secretário*, dono do restaurante Corvo Real e antigo organizador das festas Conga em Lisboa e umas ditas célebres orgias semanais, é hipócrita. Que surpresa. No Chega? Ainda para mais aparentemente é devedor a outros negócios LGBTI, numa fervorosa demonstração do neoliberalismo de direita conservadora. Temos portanto, infelizmente, o nosso próprio József Szájer, figura estandarte do ultra-conservador partido Fidesz da Hungria de Victor Orban, que foi detido numa orgia gay ilegal em Bruxelas no pico da pandemia.

Não sou propriamente a favor de exposés no geral, mas não me é possível não ressalvar mais uma vez a hipocrisia latente destes homens gay que, na impossibilidade de acompanharem os tempos que vivemos, decidem, conscientemente, viajar para o passado e voltar a quererem ver subjugadas as minorias. Sejam elas raciais ou de orientação sexual e identidade de género. É uma atitude de auto-mutilação e homofobia internalizada que não os magoa só a eles como também a todas as pessoas na comunidade que estão diariamente a lutar contra preconceitos e discriminações que ele agora quer perpetuar e implementar. Isto sim, CHEGA.

*Inicialmente, devido a desatualização no site da Associação Variações, foi mencionado que ainda seria hoje Secretário.


Ep.145 – Arraial Triste: Dia Mundial da Luta contra o VIH/SIDA, Identidade de Género em Portugal e Transfobia no Qatar Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O CENTÉSIMO QUADRAGÉSIMO QUINTO episódio do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. Falamos do Dia Mundial da Luta contra o VIH/SIDA e os números de novos diagnosticados em Portugal divulgados pela primeira vez em dois anos, da identidade de género nas escolas, do chumbo da Casa Gisberta e ainda a perseguição a pessoas trans no Qatar. No Dar Voz A… o espaço é para The Bear, a série agora disponível no Disney Plus. Artigos mencionados no episódio: Dia Mundial de Luta Contra o VIH/SIDA: diagnosticadas 1.803 pessoas em Portugal nos últimos dois anos Identidade de género: Conselho de Ética apresenta 5 considerações aos projetos de lei nas escolas Porto: Criação de “Casa Gisberta” chumbada com votos contra do Movimento de Rui Moreira e extrema-direita Comunidade Trans perseguida no Qatar: “Só quero que as pessoas saibam que existimos” Qatar 2022: Adepto invade campo com bandeira arco-íris no Portugal-Uruguai Música por Ana Moura, Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utiliza
  1. Ep.145 – Arraial Triste: Dia Mundial da Luta contra o VIH/SIDA, Identidade de Género em Portugal e Transfobia no Qatar
  2. Ep.144 – Chicken Teriyaki: Club Q, Propaganda Russa e Qatar
  3. Ep.143 – Ding Dong: Gais en Barcelona, Trixie & Katya e Dia da Memória Trans

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Por Nuno Miguel Gonçalves

I lived once. And then I lived again.

Exit mobile version
%%footer%%