BRIT Awards vão retirar categorias masculinas e femininas para celebrar artistas de todos os géneros

Sam Smith assumiu-se como uma pessoa não binária.

Desde que os BRITS Awards começaram em 1977 que houve separação por género das categorias de melhores artistas, apesar de outras categorias, como melhor álbum, estarem abertas a artistas de todos os géneros.

Depois de anos de pressão, a organização finalmente anunciou que já em 2022, na próxima edição, irá combinar as categorias separadas por género e “lançará novos prémios para artista do ano e artista internacional do ano”.

Retirar os prémios de género, disse, significa “celebrar artistas apenas pela sua música e trabalho, em vez de como escolhem identificar-se, como parte do compromisso dos BRITs de evoluir a cerimónia para ser a mais inclusiva e relevante possível”.

Tom March, presidente do BRIT e copresidente da Polydor Records, disse em comunicado: “É importante que os BRITs continuem a evoluir. Este parece ser o momento certo para celebrar as conquistas de artistas pela música que criam e pelo trabalho que fazem, independentemente do género.

Em 2021, Sam Smith foi excluído da categoria de melhor artista britânico depois de se apresentar como uma pessoa não binária. Na altura disse “esperar ansiosamente pelo momento em que os prémios possam refletir a sociedade em que vivemos”.

Importa que, aliada a esta bem-vinda inclusão, haja igualmente a preocupação de não invisibilizar ou polarizar um género, porque a História está cansada de exemplos desses. Terão os BRIT Awards o poder de influenciar outras cerimónias de entrega de prémios?

Os BRIT Awards acontecerão em 8 de fevereiro de 2022 e serão apresentados pelo comediante Mo Gilligan.


Ep.143 – Ding Dong: Gais en Barcelona, Trixie & Katya e Dia da Memória Trans Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O centésimo QUADRAGÉSIMO TERCEIRO episódio do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. O Nuno tinha acabado de chegar de Barcelona e incorreu em todo um ensaio filosófico sobre as diferenças entre as Gais de Barcelona e as de Lisboa e a homofobia internalizada que ainda vivemos no nosso país, Grindr incluído. Falou também do drag espanhol antes de se babar com o espectáculo ao vivo Trixie & Katya Live, as drag queens que considera suas mães. Mas também falámos de assuntos sérios como o Dia Da Memória Trans e o Pedro ainda conseguiu Dar Voz A… Dead To Me. Artigos mencionados no episódio: Dia da Memória Trans: 327 mortes no último ano em todo o mundo, mas a maioria não é relatada Música por Katya Zamolodchikova, Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.143 – Ding Dong: Gais en Barcelona, Trixie & Katya e Dia da Memória Trans
  2. Ep.142 – ESPECIAL AO VIVO PODES: Economia Gay, Qatar e a importância dos Podcasts nas comunidades minoritárias
  3. Ep.141 – Milk Milk Lemonade: Twitter de Elon Musk, Daniel Radcliffe vs J.K. Rowling e Queer Porto 8

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Exit mobile version
%%footer%%