O Natal da Benedita: Espero que ajude outras pessoas que trilham algo semelhante a mim e lhes traga alguma luz na mesa deste Natal

A MEO lançou uma campanha festiva em que apresenta história de várias pessoas e do seu “primeiro Natal”, ou, pelo menos, do seu primeiro Natal com um novo nível de empoderamento e de união à mesa.

Entre várias pessoas, reunidas no anúncio onde “vão viver um Natal como nunca viveram“, encontra-se Benedita que, “desde tenra idade” percebeu a sua identidade trans. O que mais tinha vontade era ser para todas as pessoas o que já era de verdade: mulher.

Tornei-me vulnerável, e espero que esta vulnerabilidade mude mentes, mude vidas, mude pessoas. Acima de tudo, espero que ajude pessoas, que trilham algo semelhante a mim, que lhes possa trazer alguma luz na mesa este natal. Este minuto não é só meu, este minuto é nosso!contou.

A campanha, que pode ser vista na televisão e em cartazes espalhados por todo o país, coloca assim uma pessoa trans no centro das atenções do país em plenas festividades. Porque Benedita é mulher e este é o primeiro Natal em que toda a gente vai vê-la. Com Orgulho.

E quero afirmar, uma última coisa, nós MULHERES e HOMENS trans, estamos em TODO O LADO e muitas vezes vocês nem vão dar conta, porque num mundo ideal, nós somos só mais uma pessoa… 

Assim é o anúncio com destaque para a Benedita:


Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro e Luísa Semedo e Pedro Carreira Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

Episódio ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira. Cairo Braga tem neste episódio especial o duplo-papel de pessoa convidada e moderadora de uma conversa sobre a série de artigos de opinião que surgiram nos últimos dias sobre as identidades e vivências da comunidade LGBTI+… escritas quase na totalidade por homens heterossexuais, cisgénero, brancos e de meia idade. Para tal, juntam-se a Cairo o André Tecedeiro, a Luísa Semedo e o Pedro Carreira para uma conversa na primeira pessoa sobre este ataque, aproveitamento e obsessão que algumas pessoas comentaristas têm para falar da comunidades LGBTI+. A não perder! Artigos por pessoas LGBTI+ mencionados no episódio: A chave do armário e o orgulho da invisibilidade (por Luísa Semedo) De onde vem o que julga saber? Já conversou com pessoas trans e não-binárias? (por André Tecedeiro) O bullying dos opinion-makers (por Ana Aresta) Destransição: Dos mitos aos factos (por Pedro Carreira) Sigam e descubram o trabalho de: Cairo Braga André Tecedeiro Luísa Semedo Música por Fado Bicha: Fado Alice (com Alice Azevedo); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro e Luísa Semedo e Pedro Carreira
  2. Ep.137 – Becoming All Alone: Homens Cisgenerais, Telescópio Homofóbico e Queer Lisboa 26
  3. Ep.136 – Break My Soul: Padre em apuros e Friends redimidos

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

2 comentários

  1. São tantos os problemas presentes à mesa de Natal, que pode soar paradoxo, frente a midia que mostra a família reunida, alegre! Muitas lágrimas derramei por não ter sido “normal” por 30 anos, plena juventude, devido a Fobia Social! Até uma das minhas cunhadas oportunizou ao meu irmão a vaga de primeiro emprego e a mim não. A época nossa mãe percebeu a “discriminação” da nora, com relação aos cunhados! Muitas vezes, a discriminação, dói mais do que as provações que se apresentam! O tempo passou e, o que sempre digo, a vida é a Verdadeira Escola: faleceu uma tia solteirona e, renunciei ao meu quinhão da herança por ela deixada, beneficiando irmãos e claro cunhadas! A minha cunhada, em questão, não desceu do “pedestal”, comentando que eu não procurava os irmãos!!!

Deixa uma resposta Cancel reply

Exit mobile version
%%footer%%