Legislativas 22: O arco-íris também vota

Desde 2019, Portugal viu mudanças significativas nos direitos LGBTQI+. Permitiu-se a doação de sangue por homens gay/bi e criou-se casas de apoio para jovens, mas muito fica por fazer num contexto em que a pandemia leva Portugal a parecer melhor face ao retrocesso europeu em direitos LGBTQI+.

Antes de continuarmos… o que dizes tu? Quais são as medidas mais importantes para os próximos anos? Partilha no Twitter do @esqrever.

A pandemia veio evidenciar ainda mais as fragilidades que pessoas LGBTQI+ têm no acesso à saúde, ao mercado de trabalho ou à habitação. Os confinamentos colocaram muitas pessoas em situações de perigo e enorme fragilidade dentro das próprias casas, com efeitos na saúde mental e física de muitas. E para 2022-2026, o que propõem os partidos?

Tal como fizemos em 2019, olhámos para o programa eleitoral dos partidos com representação parlamentar e demos-lhe arco-íris e nuvens. O objetivo é que todas as pessoas votem informadas, e a lógica é simples: quanto mais e melhores medidas tiver o programa do partido, mais arco-íris 🌈 ganha. Se tiver medidas discriminatórias e desinformação leva uma nuvem cinzenta 🌩️.

🌈 Bloco de Esquerda: Apresenta uma secção do programa dedicada a “uma sociedade justa, progressista e inclusiva” onde demonstra interseccionalidade na abordagem aos problemas das comunidades minoritárias. Com 10 propostas concretas, o BE propõe medidas de louvar como: o fim das ‘terapias de conversão’, uma ‘lei quadro para a promoção do exercício da autoderminação da identidade de género’, o ‘reconhecimento e proteção das associações LGBTQI+’ ou a ‘efetivo acesso à saúde pelas pessoas trans e não binárias’. Pelas medidas concretas e a preocupação com interseccionalidade, o BE merece 4.5 arco-íris. Mais 1 que em 2019, por apresentar propostas mais concretas.

🌈 LIVRE: “Combater a discriminação por orientação sexual, identidade e expressão de género e características sexuais” tem destaque logo na página 9 do programa eleitoral do Livre, em linha com o destaque dado em 2019. Um lista bem composta com algumas propostas, mas que podem ser de difícil compreensão. Destacamos pela diferença face aos outros partidos: ‘reforço da formação dos funcionários públicos nas áreas dos Direitos Humanos e questões LGBTQI+, incluindo forças de segurança, profissionais de saúde, das escolas, da segurança social e serviços de atendimento ao público’, ‘alargamento a gravidez de substituição a todas as pessoas’ ou ainda ‘reformular o registo civil de forma a não estar dependente de uma consideração binária sobre o género’. No geral o Livre mostra preocupação em incluir a políticas LGBTQI+ em várias áreas temáticas. Pela consistência e por ter atualizado a linguagem utilizada, arrebata 4 arco-íris.

🌈 Pessoas – Animais – Natureza: O PAN levou o troféu em 2019 por ter o maior número de medidas e ser o único a defender o ‘fim efectivo à discriminação na doação de sangue’ – e que aconteceu este ano por pressão de muitos ativistas. Em 2022, o PAN dedica uma secção de 2.5 páginas a ‘Pessoas LGBTQI+’ com fortes medidas a favor de pessoas intersexo e nãobinares como ‘abolição da menção de género/sexo em documentos oficiais’ ou ‘estender a proteção das características das pessoas intersexo para todas as idades, não apenas para bebés, proibindo assim as cirurgias de retirada de um dos órgãos, considerando-as uma mutilação genital’. Em 2019 o PAN recorreu a crowdsourcing para elaborar o programa, este ano não se sabe se também, mas é o partido que apresenta mais medidas concretas e gerais. Por isso, mantém os 4.5 arco-íris.

🌈 Partido Socialista: O PS facilitou-nos o trabalho ao permitir copy-paste da análise de 2019 (com uns ajustes): “apresenta um programa com forte foco na promoção da igualdade e fim da discriminação, em especial em função do género e da orientação sexual. O partido poderia avançar com medidas mais concretas, contudo menciona o desenvolvimento de “uma estratégia específica para apoio às pessoas transsexuais e aos processos de transição” e a criação de campanhas de sensibilização “com vista à desconstrução de estereótipos”. Uma leitura atenta do programa percebe alguma confusão entre ‘identidade de género’ e ‘orientação sexual’. Pelo foco reiterado no combate às desigualdades e por querer fazer esse combate nas escolas, mantém os 2.5 arco-íris.

🌈 CDU: O PCP só se safou com um arco-íris em 2019 graças ao PEV com ‘promover o fim das intervenções cirúrgicas a pessoas intersexo antes de atingirem a idade de decisão’ e ‘promover nas escolas currículos que toquem nas questões LGBTI e da igualdade’. Em 2022, a Coligação reafirma o programa de 2019, e nós reafirmamos 1 único arco-íris pelas mesmas razões.

PSD: Copy-paste é o nosso melhor amigo outra vez, não há mudanças relevantes em relação a 2019 e seria de esperar que em quase 3 anos tivessem tido tempo para mudar ‘opções sexuais’ para ‘orientação’. Por não ter mudado em nada perde o meio arco-íris.

Iniciativa Liberal: O newcomer a esta análise apresenta 600 páginas de programa com apenas duas menções diretas à comunidade LGBTQI+ e uma delas para exemplificar como Portugal não assinou a carta contra a Hungria. Já ‘discriminação’ aparece 5 vezes: 2 sobre empresas e 1 sobre contribuintes. A IL não tem nenhuma medida nem nenhum arco-íris.

🌩️ CDS-PP: Não esperávamos nem temos surpresas aqui. O partido da ‘ideologia de género’ continua a fazer da queerfobia e da ‘família tradicional’ as bandeiras de campanha. Merece uma nuvem cinzenta.

🌩️ CHEGA: Não. Não partilhamos conteúdo discriminatório e anti-democrático.

Menção honrosa para um partido que ainda não se estreou no parlamento, o Volt. Apresenta um programa que ainda que tímido, tem algumas medidas para a comunidade LGBTQI+, particularmente interessantes por se basearem em exemplos já alcançados em outros países.

Voltando à pergunta do início, quais são as medidas mais importantes para os próximos anos?

É óbvio que todas as medidas positivas apresentadas são importantes e devem ser perseguidas em simultâneo. Destaco quatro:

  1. fim das chamadas ‘terapias de conversão’,
  2. o reforço da formação para quem trabalha em serviços públicos, nomeadamente na saúde e na educação,
  3. melhoria dos cuidados e acesso de saúde a pessoas trans e intersexo,
  4. maior proteção para jovens e pessoas queer, através de uma rede nacional de apoio de emergência.

@noahleao também quis poupar-vos o trabalho de ler todos os programas eleitorais e agregou todas as medidas numa thread a ler aqui.

Este domingo, dia 16 pelas 18h30, a ILGA Portugal promove um debate online sobre as propostas legislativas específicas para a comunidade lésbica, gay, bissexual, trans e intersexo. A conversa será moderada por Ana Aresta, Presidente da Associação, e Catarina Marques Rodrigues, jornalista especialista em igualdade de género, diversidade e inclusão e contará com a presença de várias pessoas representantes dos partidos com assento parlamentar e ainda interpretação de Língua Gestual Portuguesa. Mais novidades aqui em breve!

Nota: Este artigo foi escrito com base nos programas disponíveis a 13 de Janeiro 2022 e não tem o intuito de ser exaustivo. Encontraste um erro? Há algo a acrescentar? Diz-nos!


Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro e Luísa Semedo e Pedro Carreira Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

Episódio ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira. Cairo Braga tem neste episódio especial o duplo-papel de pessoa convidada e moderadora de uma conversa sobre a série de artigos de opinião que surgiram nos últimos dias sobre as identidades e vivências da comunidade LGBTI+… escritas quase na totalidade por homens heterossexuais, cisgénero, brancos e de meia idade. Para tal, juntam-se a Cairo o André Tecedeiro, a Luísa Semedo e o Pedro Carreira para uma conversa na primeira pessoa sobre este ataque, aproveitamento e obsessão que algumas pessoas comentaristas têm para falar da comunidades LGBTI+. A não perder! Artigos por pessoas LGBTI+ mencionados no episódio: A chave do armário e o orgulho da invisibilidade (por Luísa Semedo) De onde vem o que julga saber? Já conversou com pessoas trans e não-binárias? (por André Tecedeiro) O bullying dos opinion-makers (por Ana Aresta) Destransição: Dos mitos aos factos (por Pedro Carreira) Sigam e descubram o trabalho de: Cairo Braga André Tecedeiro Luísa Semedo Música por Fado Bicha: Fado Alice (com Alice Azevedo); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro e Luísa Semedo e Pedro Carreira
  2. Ep.137 – Becoming All Alone: Homens Cisgenerais, Telescópio Homofóbico e Queer Lisboa 26
  3. Ep.136 – Break My Soul: Padre em apuros e Friends redimidos

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Por Diogo Pereira

Jovem que gosta de ter opinião sobre coisas. Escreve sobretudo sobre política, Diversidade e o que se passa na Europa. Acredita que 'a alegria é a coisa mais séria da vida', e fundou a primeira associação de trabalhadores LGBTI da banca portuguesa. Vive em Bruxelas, onde adoptou um gato.

4 comentários

Deixa uma resposta Cancel reply

Exit mobile version
%%footer%%