Dados de usuários do Grindr foram vendidos a empresas de anúncios e usados para outings

Grindr dating app logo

Os locais de usuários da aplicação de encontros Grindr foram recolhidos e vendidos desde pelo menos 2017, noticiou o Wall Street Journal; a empresa reduziu há dois anos os dados partilhados com parceiros de publicidade, mas não deixa de ser acusada de ser cúmplice em colocar usuários potencialmente em perigo, nomeadamente com outings.

Os movimentos precisos de milhões de usuários da aplicação de namoro Grindr foram recolhidos numa rede de publicidade digital e disponibilizados para venda, de acordo com pessoas próximas da empresa.

As informações estavam disponíveis para venda desde pelo menos 2017, e os dados históricos ainda podem ser obtidos. O Grindr cortou há dois anos o fluxo de dados de localização para qualquer rede de anúncios, encerrando a possibilidade de tal recolha de dados hoje em dia.

No ano passado, Pillaruma publicação católica, disse ter obtido dados comercialmente disponíveis que lhe permitiu rastrear o uso do Grindr por indivíduos. Na Conferência dos Bispos Católicos disse que um de seus altos funcionários renunciou ao seu cargo depois de ter sido identificado como utilizador da aplicação.

Autoridades de segurança nacional dos Estados Unidos da América também mostraram preocupação com o assunto e a recolha de dados minuciosos de usuários.

Clientes de uma empresa de publicidade há anos que conseguem comprar dados geográficos em massa que incluíam muitos usuários do Grindr. Os dados não continham informações pessoais, como nomes ou números de telefone, mas, em alguns casos, eram detalhados o suficiente para inferir detalhes como encontros entre usuários específicos com base na proximidade dos seus telemóveis, bem como identificar pistas sobre as identidades das pessoas, como os seus locais de trabalho e moradas, com base nos seus padrões, hábitos e rotinas.

Desde o início de 2020, o Grindr compartilhou menos informações com parceiros de anúncios do que qualquer uma das grandes plataformas de tecnologia e a maioria dos nossos concorrentes“, disse Patrick Lenihan, porta-voz do serviço.

Geolocalização é uma fonte de informação cada vez mais valiosa e desejada

Os dados de rastreamento de localização têm sido cada vez mais usados com outros fins além do originalmente pretendido. Por exemplo, no início do ano foram detetados sinais da invasão russa na Ucrânia antes de esta ser conhecida publicamente pela observação dos recursos do Google Maps que foram projetados para mostrar atrasos no tráfego. Mais tarde, a Google desativou estes recursos para evitar que fossem usados de forma abusiva e comprometessem a segurança das tropas no terreno.

A maioria das aplicações participa na trocas de anúncios em tempo real que expõem os seus detalhes a centenas ou milhares de entidades desconhecidas. No entanto, o Grindr e outros aplicativos criados para incentivar usuários a compartilhar a sua localização precisa geram conjuntos de dados particularmente específicos que podem ser usados para reconstruir dados sobre usuários individuais.

Utilizadores desconhecem na generalidade que o processo ocorre nos seus dispositivos sempre que abrem uma aplicação ou página da web e desconhecem também a quantidade de dados que são compartilhados com terceiros.

Ser-se LGBTI continua a ser um crime em vários países do mundo e esses conjuntos de dados podem colocar as pessoas em perigo de acusação e punição, nalguns países com a penas de morte. O Grindr disse não veicular anúncios em regiões onde ser gay é ilegal e que mantém as informações desses usuários fora das trocas publicitárias.


O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Deixa uma resposta Cancel reply

Exit mobile version
%%footer%%