OMS: Casos de Monkeypox caem 20% no mundo e surto mostra sinais de recuo na Europa

OMS: Casos de Monkeypox caem 20% no mundo e surto mostra sinais de recuo na Europa

A Organização Mundial da Saúde (OMS) encontrou uma redução de 21% de novos casos de infeção pelo vírus Monkeypox no mundo na semana passada e sinais de desaceleração do surto na Europa. No entanto, a OMS alertou também para uma “transmissão intensa” do vírus no continente americano que contabiliza agora 60% dos casos globais.

Mais de 47.000 casos confirmados de Monkeypox e 13 mortes foram relatadas em 99 países até o momento desde o início do surto atual. A OMS declarou o então crescente surto de Monkeypox uma emergência de saúde global em julho e recomendou a redução de parceiros sexuais no combate ao surto.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que os números mais recentes podem ser um sinal de que os casos na Europa estão lentamente a começar a diminuir após semanas de aumento das infecções.

Há sinais de que o surto está a diminuir na Europa, onde uma combinação de medidas eficazes de saúde pública, mudança de comportamento e vacinação está a ajudar a prevenir a transmissão“, disse Ghebreyesus.

Ainda assim, durante a mesma semana, houve um “aumento acentuado contínuo” no número de casos da chamada “varíola dos macacos” relatadas na região das Américas. A região é responsável por 60% dos casos nas últimas quatro semanas, enquanto a região europeia representou aproximadamente 39%.

Estados Unidos da América é o país onde o surto de Monkeypox está a crescer mais

No início da pandemia, a maior parte dos casos sinalizados encontrava-se na Europa e uma pequena parte nas Américas. A situação inverteu-se, com menos de 40% de casos sinalizados na Europa e 60% nas Américas“, disse. “Na América Latina, em particular, a conscientização insuficiente ou medidas de saúde pública estão a combinar-se com a falta de acesso a vacinas para aumentar o número de transmissões do surto”, explicou.

A OMS relatou que 23 países viram um aumento no número semanal de casos com o maior aumento relatado nos Estados Unidos da América.

O governo Biden declarou o surto de Monkeypox uma emergência de saúde pública em agosto. A Casa Branca reservou mais 50.000 doses de vacinas contra o vírus para participantes dos eventos do Orgulho LGBTI+.

Especialistas em saúde pública enfatizaram que qualquer pessoa pode pegar varíola e alertaram contra o reforço de “estereótipos homofóbicos e racistas” e exacerbar o estigma. Ainda assim, importa que a informação seja transmitida da forma mais clara e a quem possa estar em maior risco de infeção, nomeadamente homens gay, bissexuais ou outros que têm sexo com homens.

A OMS observou que dois países – Irão e Indonésia – relataram seu primeiro caso de varíola na semana passada. Cuba também relatou seu primeiro caso, depois que um turista italiano ter testado positivo para o vírus.

Portugal é o sexto país europeu com mais infeções por Monkeypox

Segundo os mais recentes dados da Direção-Geral da Saúde, Portugal é o sexto país europeu com mais infeções por Monkeypox: 846 casos confirmados. A maioria dos casos são do sexo masculino (99,1%), havendo 7 casos reportados do sexo feminino. A vacinação dos primeiros contactos próximos de infetados foi iniciada a 16 de julho e até 21 de agosto foram vacinados 286 contactos.

A Direção-Geral da Saúde tem as seguintes recomendações de combate ao surto em Portugal:

Exit mobile version
%%footer%%