Qatar 2022: Confiscados chapéus arco-íris do País de Gales

Qatar 2022: Confiscados chapéus arco-íris do País de Gales

Em pleno Mundial de Futebol Masculino no Qatar, surgiram incidentes que envolveram membros da Associação de Futebol do País de Gales (FAW) e fãs. Foram confiscados esta semana chapéus com as cores do arco-íris usados por fãs antes da abertura do Grupo B contra os EUA. Os incidentes estão a ser urgentemente investigados pelas autoridades.

A FIFA e o Qatar entraram em negociações sobre o assunto esta terça-feira, onde a FIFA lembrou as garantias assumidas pelo país anfitrião antes do torneio de que todas as pessoas seriam bem-vindas e que, apesar das ameaças, as bandeiras do arco-íris seriam permitidas.

A FAW divulgou um comunicado onde mostrou-se “extremamente desapontada com os relatos de que os membros da Y Wal Goch, que incluíam membros da equipa da FAW, foram convidados a remover e descartar os seus chapéus de Rainbow Wall antes de entrar no Estádio Ahmad Bin Ali. Esses chapéus foram criados em parceria com a FAW. A FAW reuniu informações sobre esses supostos incidentes e abordará esse assunto diretamente com a FIFA.”

Laura McAllister com o seu chapéu arco-íris abordada pelas autoridades no Qatar

As pessoas confrontadas pelas autoridades incluíram a ex-futebolista do País de Gales Laura McAllister, administradora do FAW Trust e ex-candidata ao conselho da FIFA, que disse que foi uma “pequena vitória moral” ela ter conseguido eventualmente colocar o chapéu no estádio. “Apontei que a FIFA fez muitos comentários sobre o apoio aos direitos LGBTQ neste torneio e disse-lhes que vinha de uma nação onde há muita paixão pela igualdade de todas as pessoas, como tal, eu não ia tirar o meu chapéu”, disse McAllister, professora de políticas públicas da Universidade de Cardiff. “Eles insistiram que, a menos que eu tirasse o chapéu, na verdade não tínhamos permissão para entrar no estádio.”

Anteriormente, o jornalista americano Grant Wahl disse ter sido detido pela equipa de segurança depois de usar uma camisa arco-íris durante um jogo. Um segurança disse-lhe que o estavam a proteger de fãs dentro do estádio que poderiam tê-lo atacado por usar a camisola.

Também foi relatado que um fã dos EUA foi ameaçado no metro onde viajava para o estádio por levar consigo uma pequena bandeira arco-íris. O agressor ameaçou-o de morte porque “essa bandeira é proibida neste país”.

Atualização 24 novembro

Associação de Futebol de Gales anunciou que a FIFA confirmou que fãs galeses vão poder passar a entrar nos recintos do Mundial de Futebol Masculino com chapéus e bandeiras arco-íris.

Deixa uma resposta Cancel reply

Exit mobile version
%%footer%%