25 e 26 de abril sempre, pela liberdade e pela visibilidade

Fazer abril é celebrar mas é principalmente agir. Nestes tempos únicos que vivemos de confinamento social, celebrar o 25 de abril parece-nos mais difícil, sobretudo porque uma das expressões mais fortes dessa celebração é a comunhão. Poucas sensações há semelhantes à emoção de descer a Avenida da Liberdade em conjunto, com uma multidão de pessoas… Continue a ler 25 e 26 de abril sempre, pela liberdade e pela visibilidade

Querido Diário… normal, anormal ou paranormal?

I am not okay with this é mais uma adaptação televisiva de uma novela gráfica de Charles Forsman, depois de The end of the f***ing world, tendo ambas as séries o mesmo realizador. Podemos por isso esperar um ambiente negro semelhante, com personagens navegando em caminhos tortuosos e, sim, adolescentes desajustados e aparentemente desadequados. Acrescente-se… Continue a ler Querido Diário… normal, anormal ou paranormal?

Retrato de uma jovem em chamas – O olhar que queremos ver

Há uns tempos atrás, através da newsletter do meu querido amigo Luís Soares, Tensão Superficial (que recomendo vivamente que subscrevam), conheci uma lista alternativa dos melhores filmes de 2019. Em primeiro lugar dessa lista figura nada mais nada menos do que este “Retrato de uma jovem em chamas” – no original “Portrait de la jeune fille… Continue a ler Retrato de uma jovem em chamas – O olhar que queremos ver

Escuta, o primeiro passo para mudar

Na última quinta-feira, dia 6 de dezembro, tive a oportunidade de assistir ao Encontro Nacional Conhecer para Proteger – Promover os Direitos das Crianças e Jovens LGBTI, organizado pela Casa Qui e pela Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens. Foi uma ótima oportunidade para ouvir especialistas nacionais e internacionais… Continue a ler Escuta, o primeiro passo para mudar

Legitimar uma relação lésbica, sim, e muito mais

71st Cannes Film Festival - Photocall for the film "Rafiki" in competition for the category Un Certain Regard – Cannes, France, May 9, 2018. Director Wanuri Kahiu, cast members Sheila Munyiva and Samantha Mugatsia. REUTERS/Jean-Paul Pelissier

“Rafiki” fez história ao ter sido o primeiro filme queniano em competição no Festival de Cannes e esta semana está a fazer novamente história, agora no seu país de origem e para tod@s @s quenian@s que tiveram na passada semana a oportunidade de vê-lo. Entre 23 e 29 de setembro, este filme inspirado no conto premiado “Jambula… Continue a ler Legitimar uma relação lésbica, sim, e muito mais

A escolha de não ser invisível

Ana Pérez-Quiroga a fotografar os meus 8 objetos

Ser visível, estar fora do armário, assumir-se, fazer o coming out é uma luta contra a invisibilidade, o silenciamento, o esquecimento e o isolamento. Para nós, lésbicas, além da “agravante” mulher, temos ainda outros fatores que nos fazem não existir e exigem um combate ainda mais duro. São variados e passam muito por esta sociedade… Continue a ler A escolha de não ser invisível

“I did get the joke of the toast oven”

20 anos do melhor coming out de sempre Faz hoje precisamente 20 anos que a personagem Ellen Morgan (da sitcom Ellen) se assumiu como “gay”, seguindo-se de imediato a saída oficial do armário de Ellen DeGeneres que a protagonizava. O impacto deste coming out pode ser avaliado no episódio de 28 de abril do The… Continue a ler “I did get the joke of the toast oven”

A contaminação (re)começa a 8 de março

  Os dias vão passando desde o Dia Internacional das Mulheres, mas continuam ainda a fervilhar os textos, os acontecimentos, as partilhas, os eventos e as festas. O 8 de março estende-se para além do seu dia, trazendo-nos mais consciência, mais luta, mais feminismo. Há dias que tento escrever um texto sobre o Dia Internacional… Continue a ler A contaminação (re)começa a 8 de março

Estados híbridos

“Vem cá.” Diz Floriane a Marie, perante a angústia ansiosa desta. Marie aproxima-se. Beijam-se. Um beijo de um desejo há muito contido. “Vês como foi fácil.”, remata Floriane. Afastam-se. Dificilmente voltarão a estar tão próximas. É assim que se concretiza o maior desejo de Marie ao longo de todo o filme, um beijo em constante… Continue a ler Estados híbridos

Sestras

Chegou ao fim a quarta temporada de Orphan Black, a caminho da derradeira já no próximo ano, e a minha mente quase que explodiu de excitação infantil de geek wannabe. Se isto fosse outro tipo de blogue ou eu outro tipo de escriturária, atirava-me já sem dó nem piedade a todos os eventos inacreditáveis do… Continue a ler Sestras

Exit mobile version
%%footer%%