Vítimas do atentado ao Club Q identificadas e suspeito enfrenta acusações de crime de ódio

Vítimas do atentado ao Club Q identificadas e suspeito enfrenta acusações de crime de ódio

O homem suspeito de abrir fogo no Club Q, uma discoteca gay em Colorado Springs, nos Estados Unidos da América, foi detido e irá receber acusações de assassinato e crime de ódio. Enquanto isso, centenas de pessoas reuniram-se para homenagear as cinco pessoas assassinadas e 17 as feridas no ataque a um local que por décadas foi um porto seguro para a comunidade LGBTQ local.

Anderson Lee Aldrich, 22 anos, enfrenta cinco acusações de assassinato e cinco acusações de cometer um crime motivado por preconceito e causar lesões corporais no ataque de sábado à noite no Club Q.

As autoridades disseram que o ataque foi interrompido por dois clientes do clube, incluindo Richard Fierro, que disse ter pegado na arma de Aldrich, atacou-o com ela e prendeu-o com a ajuda de outra pessoa.

As autoridades locais e federais afirmaram na segunda-feira que a investigação está em andamento. Michael Allen observou que as acusações de assassinato acarretariam a pena mais severa — a prisão perpétua — enquanto os crimes tendenciosos são elegíveis para liberdade condicional.

Mas é importante que a comunidade saiba que não toleramos crimes motivados por preconceitos nesta comunidade, que apoiamos comunidades que foram caluniadas, assediadas, intimidadas e abusadas”, disse.

Cerca de 200 pessoas reuniram-se no parque da cidade para uma vigília comunitária para homenagear as vítimas do tiroteio no Club Q.

As vítimas mortais do Club Q foram identificadas pelas autoridades e familiares:

  • Daniel Aston, 28 anos, cresceu em Tulsa, Oklahoma, e mudou-se para estar mais perto da família em Colorado Springs há dois anos. Trabalhou como barman e artista no Club Q e valorizava o local como um santuário onde, como homem trans, ele poderia ser ele mesmo e apresentar-se para um público querido.
  • Derrick Rump, 38 anos, um barman do Club Q, foi lembrado como uma pessoa amorosa com uma perspicácia rápida que adotou as suas pessoas amigas como a sua família.
  • Kelly Loving, 40 anos, estava a conversar com uma amiga numa chamada FaceTime dentro do Club Q poucos minutos antes do início das filmagens. Natalee Skye Bingham explicou que “Loving era como uma mãe trans” e que “na comunidade gay, criamos as nossas próprias famílias, então é quase como se tivesse perdido a minha verdadeira mãe.”
  • Raymond Green Vance, 22 anos, foi ao Club Q no sábado à noite com sua namorada, Kassy Fierro, e seu pai, Richard, coproprietário de uma cervejaria local em Colorado Springs. O grupo estava lá para comemorar o aniversário de um amigo. A família de Vance descreveu-o como uma pessoa gentil e altruísta com um futuro promissor. Ele trabalhava num Centro de Distribuição FedEx, adorava videojogos e estava “disposto a fazer de tudo para ajudar qualquer pessoa”.
  • Ashley Paugh, 35 anos, era uma mãe e esposa amorosa com um “coração enorme”, disse o seu marido, Kurt Paugh. Ela voluntariou-se numa organização que ajudou crianças em lares adotivos e entregou árvores de Natal nas casas em que foram colocadas para alegrar as suas temporadas de férias.

Treze vítimas permanecem hospitalizadas e cinco foram tratadas e já tiveram alta.

Este tiroteio acontece 6 anos após o tiroteio em Orlando onde morreram 50 pessoas; 6 meses após o tiroteio em Oslo onde morreram duas pessoas e apenas um mês após tiroteio em Bratislava que também ceifou a vida de duas pessoas. Todos eles tiveram motivos LGBTIfóbicos.

1 comentário

Deixa uma resposta Cancel reply

Exit mobile version
%%footer%%