National Geographic Faz História Com Rapariga Trans Na Capa

A icónica revista National Geographic irá ter na sua primeira capa de 2017, e pela primeira vez nos seus 128 anos de existência, uma pessoa Trans. Trata-se da jovem Avery Jackson que, ao título Gender Revolution (Revolução do Género), remata explicando que “a melhor coisa sobre ser uma rapariga é não ter agora que fingir ser um rapaz“. Fotografada pelo  Robin Hammond, assim se faz história. Mas não é a única capa, pois é duplo o lançamento.

national-geographic-gender-revolution-trans-capa-revista-2

A edição da Revolução do Género aborda os aspectos “culturais, sociais, biológicos e pessoais” dentro da temática da identidade de género. As várias reportagens e peças incluem “As Vidas Perigosas das Meninas“, que acompanha as vidas de jovens mulheres jovens na Serra Leoa; e “Repensar o Género“, que examina como a ciência pode ajudar a “navegar na paisagem mutável da identidade de género“.

Queríamos ver como os papéis tradicionais do género se desenvolvem em todo o mundo, mas também olhar para o género como um espectro. Há muita cobertura sobre as celebridades, mas não havia um entendimento sobre as pessoas reais e as questões que enfrentamos todos os dias em salas de aula ou locais de trabalho no que diz respeito ao sexo” – Susan Goldberg, editora-chefe da NG.

Este número da popular revista surgirá como abertura da discussão que continuará no documentário de duas horas “Revolução Do Género: Uma viagem com Katie Couric“, que cobrirá “tudo que você quis saber sobre o género mas teve medo de perguntar“, de acordo com a própria jornalista. O documentário estreará no canal National Geographic a 6 de Fevereiro de 2017 (EUA).

Venha, pois, a discussão e a visibilidade destas pessoas e respectivas identidades.

Fontes: National Geographic e The Huffington Post.

Anúncios