A Noite Da Dona Luciana (uma noite de vendaval)

A noite tinha sido agreste, acordei com os estores das janelas a latejar com a imponência do vento que os atormentava. Na varanda as cadeiras encolhiam-se a um canto, arrastadas pelo gelado sopro. Sim, as temperaturas tinham caído abruptamente e a Dona Luciana chamava por mim.

Cobri-me com um amontoado de roupas grossas que me limitavam os movimentos, apertei os botões do casaco mais quente até ao último, calcei as botas que tratavam as poças por tu e saí de casa num início de tarde assombrado.

Ao chegar ao Jardim do Príncipe Real vejo-o fechado para obras de manutenção, grades bloqueavam aqueles que queriam passear os seus cães naquela tarde molhada. Apanhei o bilhete guardado às três em ponto naquela porta amarela do Teatro da Politécnica e fui queimar mais uns passos por aquela zona. O Sol decidiu aparecer e iluminou Lisboa daquele jeito que até Paris, no seu íntimo, inveja. Do Miradouro de São Pedro de Alcântara vi os turistas a espreitarem as colinas, o castelo e o rio, os seus olhos brilharem.

Depois a Dona Luciana chamou-me mais uma vez, estava na hora de ir ter com ela. Olhei uma última vez para trás e despedi-me daquele espaço de despidas árvores. Apressei o passo ao chamamento e até São Pedro – não sei se o mesmo do miradouro – me motivou a abrir caminho por aquela subida com gotas grossas na cara. Quando cheguei novamente à porta amarela fingi o melhor que pude não correr, era uma dança, uma correria de criança a quem responde pelo nome e não pela chuva que caía.

A Noite da Dona Luciana Teatro da Politécnica LGBT entrada

Como eu várias outras pessoas se abrigavam para lá da porta amarela, comprando os últimos bilhetes, conversando com as suas companhias ou, como eu, descobrindo o espaço.

Às quatro em ponto abriram-se as portas – outras duas, não amarelas mas pretas se bem me lembro – e fomos avisados que desligássemos os telemóveis várias vezes por diversos membros do teatro, sempre com um sorriso e uma disponibilidade imediatos. Sentei-me na penúltima fila, junto às escadas para poder deixar as camadas de roupa e a mala com o computador onde agora escrevo sossegados a meu lado. E depois as luzes apagaram-se.

Apagaram-se as luzes e silenciou-se o público, na expectativa do que aí vinha. Ouviam-se passos e adivinhavam-se silhuetas. Cadências de um pisar de palco. Som e ritmo envolvidos pela penumbra. Entrámos assim num ensaio tardio de uma peça de teatro em que quatro – quatro não, três! – três personagens tentavam arranjar rumo para a história que queriam contar: o encenador, a actriz Madame La Rite e o técnico. E então deu-se uma explosão energética que contrastou em absoluto com o vazio inicial e, assim, fomos rapidamente levados para um mundo de humor, de busca e confronto. Afinal de contas, o que é aquilo que vemos diante de nós? Não importa saber se é a peça se é a realidade, o que importa saber é quem matou a Dona Luciana. Sim, essa que me chamou vezes sem conta.

A Dona Luciana é a senhora que faz as limpezas deste teatro. Ouvimo-la fora de cena a gritar por cima de um ruidoso aspirador se não estava a incomodar os ensaios. Mas dúvidas surgem se aquela era realmente a sua voz, porque – dizem-nos – as vozes das senhoras das limpezas são todas iguais e há uma louca a rodear o teatro. Essa louca desfigurada, sabêmo-lo depois, é Vicky Mancha Negra, uma antiga stripper transsexual que os irá ajudar a descortinar o mistério do assassinato de Dona Luciana. E depois há o rato. O rato, perguntam? Sim, o fantoche de mão que é noivo de Deus – protagonizado pelo encenador obviamente.

É nesta trama surrealista que as personagens desenvolvem perante nós a sua essência e, no meio de risos e situações pitorescas, se despem – alguns literalmente – perante nós. E é nas dúvidas que levantam  que somos levados pela complexidade das mesmas. São pormenores, são falas sussurradas que nos aproximam delas. E no fim o desenlace.

Quem é afinal a Dona Luciana? Qual o seu fim? Mais, qual o fim que ela deseja dar à peça? Fazem-nos questionar sobre o fim, o nosso, talvez. E fazem-no repetindo a morte as vezes que forem necessárias até encontrarmos todas as respostas. As nossas, essas certamente.

E com elas os aplausos.

A Noite da Dona Luciana Teatro da Politécnica LGBT aplausos

A NOITE DA DONA LUCIANA de Copi


Tradução Isabel Alves Encenação Ricardo Neves-Neves Assistência de encenação Catarina Rôlo Salgueiro Elenco Custódia Gallego, José Leite, Patrícia Andrade, Rafael Gomes, Rita Cruz e Vítor Oliveira Figurinos José António Tenente Luz Elduplo Música Sérgio Delgado Fotografias Alípio Padilha Designer Pedro Frois Meneses Vídeo Promocional Eduardo Breda Comunicação Mafalda Simões M16

Teatro da Politécnica | 24 de Fevereiro a 19 de Março de 2016
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | sábados às 16h00 e 21h00
Duração | 1h15 minutos
Reservas |  961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h – 18h) | artistasunidos@artistasunidos.pt
Morada | Rua da Escola Politécnica, 54

Notas: Obrigado ao Teatro do Eléctrico pelo convite 🙂 Fotografia final publicada com autorização do mesmo.

Anúncios