Saltar para o conteúdo
Anúncios

set de 7 #11

FYFE é o nome artístico de Paul Dixon, e é também a sua segunda encarnação musical, uma vez que no período 2010-2012 foi conhecido musicalmente como David’s Lyre, numa referência histórica às habilidades musicais do bíblico rei David com a lira. Este inglês adota um estilo que combina folk com sons eletrónicos, uma tendência que parece vir a tornar-se cada vez mais presente no momento atual e que o aproxima bastante do universo indie pop. A música de hoje é uma das recentes amostras do seu mais recente álbum enquanto FYFE, “The space between”, que será lançado em junho próximo, e que sucede a “Control”, de 2015, e onde surge acompanhado de uma das artistas com vozes mais interessantes do panorama musical atual, Kimbra.

Monogem é o nome que Jen Hirsh utiliza para assinar as suas criações musicais, geralmente imbuídas de melodias suaves mas vivas, num estilo electro-pop que por vezes se aproxima do soul, muito à custa da sua voz. De acordo com a própria, a escolha deste nome artístico deve-se ao seu significado: um “monogem ring” consiste num resto de uma supernova, o brilho que permanece após a explosão de uma estrela, um ideal romântico e fascinante a perseguir por uma artista. A música de hoje faz parte do seu segundo EP, “100%”, a ser lançado em breve.

Ängie espelha-se na sua música: uma inocência aparente que entrega realidades duras. As músicas que lançou até agora, e foram apenas três, têm temas recorrentes que passariam despercebidos numa audição menos atenta das suas letras – na verdade, o som das baladas quase hipnóticas aborda temas como consumo de marijuana e sexo oral – o que não poderia ser tornado mais óbvio no título de uma das suas canções, “Smoke weed Eat pussy”. Com uma adolescência marcada por hiperatividade, depressão e tendências suicidas, entre relações amorosas complexas que a levaram a conhecer homofobia em primeira mão (a sua primeira paixão foi uma mulher, que levou a que fosse ostracizada pelo seu círculo social) e um ambiente familiar marcado por histórias de alcoolismo e prisão, esta artista parece ter encontrado na música uma forma de partilhar parte das suas experiências de forma aberta e sincera. De acordo com as palavras da própria, “I want to be as open as I can about mental disorders or suicide or homophobia. I just want my fans to know that they’re more than fine to be as they are, I just want people to feel fine with themselves.” Uma artista a estar atento.

SOFI TUKKER é o nome de um duo nova-iorquino do qual fazem parte Sophie Hawley-Weld e Tucker Halpern. A sua discografia até ao momento é composta apenas por um EP, “Soft Animals”, lançado em 2016, cujo título é inspirado num poema de Mary Oliver: “You only have to let the soft animal of your body love what it loves”, e as músicas que dele fazem parte apelam claramente à dança, com recurso frequente à cultura musical brasileira, tanto a nível dos instrumentos utilizados, quanto dos poetas e da língua, com uma qualidade que levou à sua nomeação para um Grammy com a música “Drinkee”. Quanto à escolha da língua portuguesa, a justificação de Sophie é clara: “I just like it, so I learned it. I think it sounds so great”. Nós também.

Agar Agar é o nome de um outro duo, desta vez com origem nos subúrbios de Paris, que junta a produção ao estilo dos anos 80 de Armand com a voz grave e sensual de Clara, num projeto que encontrou o seu nome recorrendo a uma das formas como Armand ocupa os seus tempos livres: criação de formigas, que alimenta com agar-agar e xarope de grenadina. Esta explicação reflete o sentido de humor que habitualmente está presente não só nas entrevistas dadas por este duo (que identifica como principais influências artísticas a família de macacos onde Clara foi criada e o facto de Armand gostar de pinturas mas não de molduras) mas também na sua música, como esta “Prettiest Virgin” que trago hoje, a história de uma rapariga virgem que sonha com um rapaz, Dan.

Pale Waves é um grupo de indie-pop que nos chega de Manchester, e que soa a Verão e a anos 90. Formados inicialmente pela vocalista/guitarrista Heather e pela baterista Ciara, que se conheceram na universidade que ambas frequentavam, Charlie e Hugo juntaram-se pouco depois para formar o grupo tal como existe atualmente. Ainda sem qualquer álbum editado, este grupo tem vindo a angariar alguma atenção e uma base de fãs crescente, para o que contribuirá o apoio que têm vindo a receber de um outro grupo com mais notoriedade (pelo menos atualmente), The 1975. Ficamos à espera de conhecer mais música deste grupo cuja ambição é editar um álbum que chegue ao topo das tabelas, e ter uma digressão completamente esgotada.

Arlissa é uma cantora e compositora inglesa com uma voz potente e com alma, que chamou a atenção de empresas discográficas desde cedo, tendo também sido nomeada pela BBC como uma artista a ter em conta, no ano de 2013, quando lançou o seu primeiro single, “Sticks&Stones”. Ainda sem qualquer álbum editado e com uma carreira que ainda conta apenas com alguns singles oficiais e algumas mais colaborações com outros artistas, Arlissa surge em 2017 com alguma música nova e uma série de vídeos no youtube com interpretações acústicas de algumas canções, em estúdio, em momentos sem produções elaboradas e em que o foco é a música. Vale a pena ver e, acima de tudo, ouvir.

Este é o set de 7 #11.

Os destaques visuais desta semana vão para Ängie, SOFI TUKKER, Agar Agar e Arlissa, todos com abordagens completamente distintas quanto à estética que acompanha a sua música, e todos igualmente interessantes e fascinantes. Arlissa tem um destaque especial por vos trazer o vídeo com uma música distinta da incluída na playlist do spotify, já que a que eu queria trazer para o set de 7 desta semana não está ainda disponível no spotify. Considerem-na como a faixa de bónus desta semana.

Enjoy!

[Ängie – Housewife Spliffin’]

I know that you are longing
For my precious pussy.

 

[SOFI TUKKER – Awoo feat. Betta Lemme]

I know, I did not raise a wrist
I know, I did not capture it
It came, it went, it conquered quick
I was there and then I quit.

 

[Agar Agar – Prettiest Virgin]

I wish you could see me, look at me
Ask me to spend the whole night with you, on the dancefloor.

 

[Arlissa – I Hate Giving You Everything]

How does it feel, does it feel
When you make me cry
But I’m the one who still needs to apologize.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: