7.26 – So many sides we haven’t seen*

* Excerto de “Show me”, de Vök

Silent Strike tem um percurso significativo no mundo da música, tendo já lançado 5 LPs e 6 EPs e colaborado com inúmeros outros músicos, num universo que abrange música eletrónica e também a criação de bandas sonoras. Este artista, oriundo da Roménia, traz-nos uma sonoridade interessante com a música que integra a playlist desta semana, “It’s not safe to turn off your computer”, que vem acompanhada de um vídeo cinematográfico que prende a atenção do início ao fim, e que vos convido a descobrir.

Mai Kino é o nome artístico escolhido por Catarina Moreno, uma portuguesa que adotou Londres como segunda casa, onde tem vindo a explorar dança e performance de uma forma experimental. A música ocupa também um lugar de relevo, inicialmente numa perspetiva mais amadora e, após a publicação de algumas demos em plataformas online que vieram a difundir-se e a ter algum sucesso, numa vertente mais focada. Catarina afirma que encontra inspiração na genuidade e na possibilidade de reconhecer as pessoas por trás das obras, citando nomes como Elliot Smith, Mount Kimbie e Billie Holiday como fontes dessa inspiração, além das próprias experiências, memórias e os seus sonhos durante o sono, sendo inclusive um sonho recorrente com ondas gigantes que deu origem ao single que integra a playlist de hoje, “The waves”, e que vem acompanhado de um vídeo realizado pela própria, numa abordagem visual interessante focada na própria Mai Kino. É perceptível alguma experimentação nas músicas de Mai Kino, num resultado que tem uma sonoridade própria com espaço para crescer e vir a tornar-se num nome de referência no panorama musical – português, e não só.

Vök é o nome de uma banda islandesa que se foca numa sonoridade próxima do indie eletrónico, e que se formou quando Margrét Rána e Andri Már, a vocalista e o saxofonista da banda, respetivamente, decidiram participar num concurso de música anual na Islândia, o qual acabaram por vencer. Atualmente a banda conta ainda com mais dois nomes, Ólafur Ólafsson e Einar Stefánsson, que no seu todo compõem Vök, cujo nome foi escolhido, de acordo com os próprios, por ser uma palavra utilizada para descrever algo e que não tem um equivalente na língua inglesa. Portishead, Air e Massive Attack são os nomes citados como influências mais significativas, os quais terão influenciado a sonoridade do seu primeiro álbum, “Figure”, lançado em abril deste ano (do qual a música da playlist de hoje, “Show me”, foi o primeiro single), bem como os anteriores EPs, “Tension”, de 2013 e “Circles”, de 2015.

Ainda uma referência especial para Niia, uma americana com formação musical em piano clássico e que, em 2005, foi selecionada pela National Foundation for the Advancement of the Arts como um dos melhores cantores do país, e a vencedora na categoria de jazz vocal. Niia possui, de facto, uma voz quente com a capacidade de criar uma atmosfera envolvente e exigir atenção e, tendo lançado em maio deste ano o seu álbum de estreia, “I”, deixo aqui o desafio para que o descubram.

A playlist desta semana inclui ainda a fantástica música de kllo, Pumarosa e Hundred Waters, nesta coleção com um espírito um pouco mais alternativo que é o 7.26.

 

Os destaques visuais desta semana vão para os artistas referidos acima: Silent Strike, num vídeo a que é impossível ficar indiferente, Mai Kino, numa abordagem visual que complementa a música e contribui para o ambiente por ela criado, Vök, com uma estética e argumento a descobrir e ainda, naquilo que pode ser encarado como a faixa bónus desta semana, Niia, com o fantástico vídeo de “Made for you”, de 2013.

Enjoy!

Silent Strike – It’s Not Safe To Turn Off Your Computer (feat. EM)

 

Mai Kino – The Waves

 

Vök – Show Me

 

Niia – Made For You

Anúncios