Skip to content
Anúncios

Uma Catrefa De Livros LGBT

uma catrefa de livros LGBT

Por Daniela Viçoso

A ficção LGBT é cada vez menos uma realidade de nicho; nos últimos anos, a ficção inclusiva tem vindo a furar a crosta e a fazer-se ouvir, fruto do esforço de storytellers que trabalham para que estas histórias sejam cada vez mais contadas, difundidas e reconhecidas.

E não há melhor altura para trazer estes trabalhos à luz da ribalta do que o Mês do Orgulho. Para quem quer começar a ler ficção LGBT, mas não sabe por onde começar, ou até para os versados que precisam de mais umas sugestões, eis alguns dos meus livros LGBT preferidos:

Aristotle and Dante Discover the Secrets of the Universe de Benjamin Alire Sáenz

aristotle-and-dante-discover-the-secrets-of-the-universe.jpg

Aristotle e Dante são dois rapazes latinos de personalidades completamente antagónicas, que o destino acabou por juntar numa amizade de infância. E, como a maior parte das amizades que se transportam para a adolescência, vão presenciar o crescimento um do outro, cada um com os seus próprios dilemas em crescer e se descobrirem a si próprios – e também em aprender a lidar um com o outro.

Aristotle and Dante é, inegavelmente, um dos livros mais queridos que já li. As personagens em volta deles e o próprio enredo demonstram uma paciência e um amor enorme para com eles e o seu desenvolvimento, ainda que muitas vezes façam coisas estúpidas ou tomem decisões obviamente erradas.

Socialmente, os adolescentes e os seus problemas e dilemas são vistos como birras e manhas e é-lhes dado muito descaso. Aristotle and Dante, muito subtilmente, mostra-nos que há melhores maneiras de os tratar: que os seus problemas são válidos, que as suas ansiedades não são dignas de desprezo, mas de ajuda e compreensão.

É um livro que pega naquele arquétipo de “o enredo castiga as personagens pelos seus erros”, e o reverte totalmente. As personagens podem cometer erros – e recebem as consequências desses erros – mas não são martirizadas. A grande mensagem é que ser-se jovem e crescer é um processo difícil – e que todas as dificuldades são válidas.

The Song of Achilles de Madeline Miller

The Song of Achilles de Madeline Miller.png

Porque todos sabemos que o passado não é tão heterossexual como nos querem fazer acreditar.

The Song of Achilles é um retelling da Ilíada de Homero, a história da Guerra de Tróia em que os Gregos tentavam resgatar Helena de Páris e dos Troianos. Mas aqui é-nos contada do ponto de vista de Pátroclo, o companheiro do semideus Aquiles.

Este retelling interpreta, assim, a relação entre Pátroclo e Aquiles como amantes, e não como primos ou irmãos adotivos, como alguns estudiosos gostam de fazer.

Não que eles serem primos ou até irmãos invalidasse alguma coisa – como todos os portugueses que tiveram de ler Os Maias, ou até os milhares de fãs de Game of Thrones, vos podem dizer.

O ponto mais forte de The Song of Achilles é a prosa, que é absolutamente avassaladora. Pronto, aqui admito: eu li em inglês (ainda que agora já exista tradução para português), e a minha primeira língua não é o inglês, portanto o meu deslumbramento pode ser fruto de eu não conhecer um espetro alargado do que se pode fazer com a língua inglesa em termos líricos, como conheço com o português.

Mas mesmo assim, é um texto que prima por ter uma prosa ao mesmo tempo com alguns floreados, alguns romanticismos, mas sem cair naquela da purple prose e do “complicar por complicar”. É bonita, pronto.

The Captive Prince por C. S. Pacat

The Captive Prince por C. S. Pacat.png

Agora, eu vou tentar não transformar isto num ataque ou uma indireta a romances mainstream, por todos os romances LGBT que li até agora terem, consistentemente, uma preocupação inacreditável com a qualidade da escrita, a qualidade dos diálogos, o pacing da relação e como esta se desenvolve sem colocar em causa a personalidade de um ou mais dos envolvidos – e como as end lines, quando são dadas como “finais felizes”, são verdadeiramente felizes, e não relações tóxicas, abusivas ou que colocam um dos envolvidos em submissão para com o outro, mas…

Pronto. Tentar nem sempre é lograr.

É que Captive Prince é uma história que se passa entre um príncipe, Damien, que foi vítima de traição e feito escravo do príncipe do reino inimigo, Laurent. A história é um constante power play de intriga e manipulação entre, basicamente, um príncipe e o seu escravo – e mesmo assim consegue ter uma dinâmica mais equilibrada que certas histórias de amor em que é suposto as personagens estarem em igualdade de circunstâncias.

Onde é que eu ia com isto? Ah, Captive Prince é muito bom. Se gostarem de fantasia histórica misturada com intriga política e personagens complexas de moralidades questionáveis a gladiarem-se por poder, é o vosso livro. Se gostarem ainda mais de fantasia que não se baseia só nos arquétipos históricos recorrentes, e que em vez disso bebe também da cultura francesa e grega… pronto, está cá.

O Infante de Daniela Viçoso

O Infante de Daniela Viçoso.png

Deixo o melhor para o fim: era criminoso eu propor-me a falar de boa ficção LGBT e não referir um dos primeiros, senão o primeiro, livro de ficção LGBT que li.

O Infante é um livro de banda desenhada que conta a história da relação entre um Infante e o seu Escudeiro. Foi o primeiro boy’s love português e é, como já se tornou óbvio, um livro profundamente baseado na cultura portuguesa. Além de um marco na ficção LGBT portuguesa, é uma história arrebatadora contada através de um trabalho artístico lindíssimo.

Imagem de destaque por Daniela Viçoso.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: