A história das cartas de amor proibidas entre soldados da II Guerra Mundial

Gilbert Bradley e a história das cartas de amor proibidas entre soldados da II Guerra Mundial.

Enquanto tinha o seu treino militar durante a Segunda Guerra Mundial, Gilbert Bradley estava apaixonado. Ele trocou centenas de cartas com sua cara-metade – que apenas assinou com o inicial “G”. Mas passados 70 anos descobriu-se que “G” representava Gordon e Gilbert estava secretamente apaixonado por um homem. Esta é a história das cartas de amor proibidas.

Na época, não apenas a homossexualidade era ilegal, como as pessoas nas forças armadas podiam ser executadas se apanhadas em envolvimentos homossexuais. As cartas, que surgiram após a morte de Bradley em 2008, são, portanto, incomuns e lançam uma importante luz sobre as relações homossexuais durante a guerra.

O que sabemos sobre esse caso de amor proibido?

Quarta-feira, 24 de janeiro de 1939


Meu querido,
… fico acordado a noite toda à espera do carteiro no início da manhã e quando ele não traz nada de ti simplesmente existo, uma massa de nervos …


Todo meu amor para sempre,
G.

Informações recolhidas nas cartas indicam que Bradley era um soldado relutante. Ele não queria estar no exército e até fingiu ter epilepsia para evitá-lo. Mas o seu plano não funcionou e em 1939 foi destacado em Park Hall Camp, em Oswestry, Shropshire, para treinar como artilheiro antiaéreo.

Na altura já ele estava apaixonado por Gordon Bowsher. O casal conhecera-se num feriado em Devon, em 1938, quando Bowsher namorava com o sobrinho de Bradley.

Bowsher era de uma família abastada, o seu pai administrava uma companhia de navegação e a família era dona de plantações de chá.

Quando a guerra eclodiu um ano depois, ele treinou como um soldado de infantaria e foi destacado em diversos locais do Reino Unido.

12 de fevereiro de 1940, Park Grange


Meu querido,

Não há nada mais que desejo na vida do que te ter comigo constantemente …

… Eu posso ver ou imaginar que posso ver qual seria a reação da tua mãe e do teu pai … o resto do mundo não tem ideia do que é o nosso amor – não sabem que é amor …

Ser gay na década de 1940

Mas a vida como pessoa homossexual nos anos 1940 era incrivelmente difícil. As sentenças de prisão para a chamada “indecência grosseira” eram comuns e grande parte da sociedade desaprovava fortemente as relações entre pessoas do mesmo sexo.

Foi somente com a Lei de Ofensas Sexuais, de 1967, que o consentimento de homens com 21 anos ou mais foram legalmente autorizados a ter relações homossexuais. Por outro lado, nas forças armadas não foi permitido sair-se do armário até ao ano 2000.

As cartas são por isso raras, dado que a maioria dos casais homossexuais se afastava de qualquer coisa tão incriminadora, explicou o ativista pelos Direitos das pessoas LGBTI, Peter Roscoe.

Numa das cartas, Bowsher implorou ao seu amante que destrisse todas as suas trocas de cartas, por “o amar perdidamente.”

Roscoe diz que as cartas encontradas são inspiradoras por serem de conteúdo altamente positivo:

Há uma componente gay na História e nem sempre é negativa e melodramática. Tantas histórias são sobre prisões – Oscar Wilde, Reading Gaol e todas aquelas histórias terríveis e horríveis. Mas apesar de todas as circunstâncias terríveis, gays e lésbicas conseguiram superar tudo e ter uma vida fascinante.

1 de fevereiro de 1941 K. C. Gloucester Regiment, Priors Road, Cheltenham


Meu querido,

Por anos fiz-me acreditar que nenhum amor poderia durar para a vida … Quero que mergulhes na tua própria mente e procurares o futuro. Imagina uma altura em que a guerra acabou e estamos a morar juntos … não seria melhor viver de agora em diante a memória da nossa vida conjunta quando ela está no seu auge mais dourado?

G.

A resolução de uma história de amor

Mas foi esta uma história de amor com final feliz? Provavelmente não. Num dado ponto, Bradley foi enviado para a Escócia numa missão para defender a Ponte Forth. Ele conheceu e deixou-se apaixonar por dois homens. Surpreendentemente, ele escreveu e contou a Bowsher sobre os seus romances ao norte da fronteira. Talvez ainda mais surpreendentemente, Bowsher compreendeu “por que eles se apaixonaram por você. Afinal, eu também me apaixonei.

Embora o casal tenha escrito durante toda a guerra, as cartas pararam em 1945. No entanto, ambos passaram a desfrutar de vidas interessantes.

Bowsher mudou-se para a Califórnia e tornou-se um conhecido treinador de cavalos. Numa estranha coincidência, ele empregou Sirhan Sirhan que seria condenado por assassinar o Presidente Robert Kennedy.

Bradley foi brevemente envolvido com o deputado Paul Latham, que foi preso em 1941 depois de acusado de “conduta imprópria” com três artilheiros e um civil. Paul foi exposto depois que algumas “cartas indiscretas” terem sido descobertas.

Bradley mudou-se para Brighton e morreu em 2008. Uma empresa de limpeza da casa encontrou as cartas e vendeu-as a um revendedor especializado em correspondência militar.

A descoberta das cartas de amor proibidas

As cartas foram finalmente compradas pelo Oswestry Town Museum, quando o curador Mark Hignett estava a procurar no eBay por itens relacionados com a cidade. Ele comprou apenas três a princípio, e diz que o conteúdo o levou a acreditar que uma namorada ou noiva carinhosa seria a remetente. Havia perguntas sobre lençóis, condições de vida – e os seus sonhos para a vida futura conjunta. Quando viu que havia mais à venda, também as comprou – e ao transcrever as cartas para uma exposição no museu, Hignett e colegas descobriram a verdade: A “namorada” era na realidade um namorado.

A revelação despertou o interesse de Hignett – ele descreve sua experiência como sendo similar a ler um livro e encontrar a última página arrancada: “Eu apenas tive que continuar a comprar as cartas para descobrir o que aconteceu de seguida.

Embora tenha gasto “milhares de libras” na coleção de mais de 600 cartas, Hignett acredita que, em termos de valor histórico, a correspondência é “inestimável“.

Essas cartas são extremamente raras porque são incriminadoras – os homens gays enfrentavam anos de prisão com ou sem trabalho pesado“, diz ele. “Havia até a possibilidade de que soldados gays fossem executados.

O lançamento de um livro já está em andamento no museu, onde as cartas também serão exibidas.

Talvez de forma mais introspectiva uma das letras contém as linhas:

Não seria maravilhoso se todas as nossas cartas pudessem ser publicadas no futuro em um momento mais esclarecido? Então todo o mundo poderia ver como estamos apaixonados.

Assim seja.

Fonte: BBC.

Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

Episódio ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira. Cairo Braga tem neste episódio especial o duplo-papel de pessoa convidada e moderadora de uma conversa sobre a série de artigos de opinião que surgiram nos últimos dias sobre as identidades e vivências da comunidade LGBTI+… escritas quase na totalidade por homens heterossexuais, cisgénero, brancos e de meia idade. Para tal, juntam-se a Cairo o André Tecedeiro, a Luísa Semedo e o Pedro Carreira para uma conversa na primeira pessoa sobre este ataque, aproveitamento e obsessão que algumas pessoas comentaristas têm para falar da comunidades LGBTI+. A não perder! Artigos por pessoas LGBTI+ mencionados no episódio: A chave do armário e o orgulho da invisibilidade (por Luísa Semedo) De onde vem o que julga saber? Já conversou com pessoas trans e não-binárias? (por André Tecedeiro) O bullying dos opinion-makers (por Ana Aresta) Destransição: Dos mitos aos factos (por Pedro Carreira) Sigam e descubram o trabalho de: Cairo Braga André Tecedeiro Luísa Semedo Música por Fado Bicha: Fado Alice (com Alice Azevedo); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira
  2. Ep.137 – Becoming All Alone: Homens Cisgenerais, Telescópio Homofóbico e Queer Lisboa 26
  3. Ep.136 – Break My Soul: Padre em apuros e Friends redimidos

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

5 comentários

  1. Por isso que amo História. Quando passo por Centros Históricos, as vezes, sinto como ter vivido numa época em que nem era nascido! Mas, quanto as duas grandes guerras, pensava na questão de surgir atração pelo soldado “adversário”, como será que eles lidavam! E no pós guerra foram tempos difíceis, a Infertilidade, a ser encarada por muitos que estiveram no “front” e, imagina aqueles que desejassem a penetracao e, poder nem senti-la do namorado ou a ele oferecer!

  2. Até hoje estou esperando o tal livro e nada. Tenho muita vontade de conhecer mais a fundo essa história.
    Para quem quer um romance parecido, recomendo o filme Firebird.

Deixa uma resposta