Estudo coloca Portugal entre países da OCDE onde a aceitação da homossexualidade é mais baixa

Um grande estudo realizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) em vários países do mundo veio mostrar que há, por exemplo, tantas pessoas homossexuais como bissexuais. De entre os vários resultados encontrados, Portugal destaca-se pelas piores razões em dois deles: apesar da tremenda evolução legislativa, Portugal persiste na cauda dos países que melhor aceita a homossexualidade e, certamente não por acaso, encontra-se também entre os países da OCDE onde as pessoas LGBT sentem maior discriminação.

Este é um resumo alargado do estudo agora divulgado que, pela auto-descoberta, mas também pela confirmação de muito daquilo que por vezes apenas sentimos, importa ler:

Ainda há um longo caminho a ser percorrido antes que as pessoas LGBTI recebam uma aceitação plena. Hoje em dia estas pessoas ainda sofrem de várias formas de discriminação. No entanto, a discriminação não é apenas eticamente inaceitável, mas também implica custos económicos e sociais substanciais. A inclusão de minorias sexuais e de género deve, portanto, tornar-se numa das principais prioridades políticas dos governos, revela estudo da OCDE.

A homossexualidade tornou-se legal em todos os países da OCDE onde fora anteriormente criminalizada, assim como a terapia hormonal ou a cirurgia de redesignação de sexo. No entanto, apenas metade dos países da OCDE legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo em todo o território nacional, e menos de um terço permite a mudança de género em documentos oficiais para atender à identidade de género sem forçar a pessoa trans a passar por uma esterilização, cirurgia de reatribuição sexual, terapia hormonal ou um diagnóstico psiquiátrico.

Regressões também foram testemunhadas. Alguns países da OCDE introduziram uma proibição constitucional do casamento entre pessoas do mesmo sexo, e a própria possibilidade de uma pessoa ser legalmente reconhecida como trans é questionada em alguns outros. No geral, as pessoas LGBT ainda são estigmatizadas e expostas a várias formas de discriminação.

A discriminação não é apenas eticamente inaceitável, mas também implica custos económicos e sociais substanciais. A discriminação anti-LGBT impede o desenvolvimento económico por meio de uma ampla gama de canais. Esta causa menor investimento em capital humano devido ao bullying LGBT na escola e retornos ruins; reduz a produção económica excluindo talento vindo da população LGBT do mercado de trabalho; enfraquece a produtividade ao prejudicar a saúde mental das pessoas LGBT; erode as finanças públicas por meio de gastos significativos em serviços sociais e de saúde para lidar com as consequências da marginalização LGBT, etc. A discriminação anti-LGBT também prejudica a coesão social através da persistência de normas de género restritivas que impedem a igualdade de género e, portanto, a expansão dos papéis sociais e económicos , especialmente para mulheres. A inclusão de minorias sexuais e de género deve, portanto, tornar-se uma das principais prioridades políticas dos governos da OCDE.

Este vasto estudo aborda três questões centrais:

  • Quantas pessoas são lésbicas, gays, bissexuais e trans?

O estudo realizado pela OCDE revela que a proporção de indivíduos que se identificam como LGBT é considerável e está em ascensão. Dos 14 países com informação disponível, a população que se auto-identifica como LGBT adulta é de, pelo menos, 17 milhões, ou seja, uma média de 2,7% da população adulta.

Percentagem de pessoas adultas que se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais na última década em países selecionados da OCDE

A proporção de homossexuais dentro da população LGB varia de 44% na França a 58% na Noruega. As mulheres são mais propensas a relatar uma identidade LGB do que os homens. Este padrão mascara a heterogeneidade entre os subgrupos LGB: em comparação com os homens, as mulheres têm menos probabilidade de se identificarem como homossexuais, mas têm maior probabilidade de se identificarem como bissexuais.

A variação na participação de pessoas LGB entre países depende criticamente da disposição das pessoas LGB em responder questões relacionadas à auto-identificação sexual, num contexto onde a heterossexualidade ainda é amplamente vista como a norma ou a orientação sexual padrão.

Os dados confirmam que as estimativas da população LGB são significativamente maiores quando se originam de pesquisas em que a pergunta sobre a auto-identificação sexual é preenchida pela pessoa entrevistada, e não por quem a entrevista. O tamanho da população LGB é 70% maior quando é calculado com base no comportamento sexual dos indivíduos (em vez da sua auto-identificação sexual) e mais de duas vezes maior quando a atração sexual é tomada como critério.

Que a parcela de pessoas LGB atinge seu máximo com medidas de atração sexual e o seu mínimo com medidas de auto-identificação sexual não é surpreendente. A atração sexual é, de facto, um conceito mais inclusivo do que o comportamento sexual, que é em si mesmo mais inclusivo do que a auto-identificação sexual: nem todas as pessoas que se sentem atraídas por pessoas do mesmo sexo se envolvem em comportamento sexual entre pessoas do mesmo sexo. Por outro lado e da mesma forma, nem todas as pessoas que praticam o comportamento sexual entre pessoas do mesmo sexo se consideram lésbicas, gays ou bissexuais.

Há quase tantas pessoas homossexuais como bissexuais:

Percentagem de pessoas adultas que se identificam como homossexuais ou bissexuais na última década em países selecionados da OCDE

Estimativas da população trans continuam escassas. Indivíduos trans representam uma minoria menor do que pessoas LGB. Com base nas estimativas mais recentes disponíveis, a sua percentagem na população adulta varia de 0,1% no Chile a 0,3% nos Estados Unidos.

A população que se identifica LGBT está em ascensão. A percentagem de indivíduos que se identifica como homossexuais ou bissexuais tem aumentado com o tempo, o que pode refletir o facto do público em geral estar a tornar-se mais aberto às pessoas LGBT. Durante um período de sete anos que em média levaram os estudos feitos, essa parcela aumentou em cerca de 50%.

Evolução da percentagem de pessoas adultas que se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais em países selecionados da OCDE
  • Como são tratadas as pessoas LGBT?

Inquéritos internacionais sobre as atitudes em relação a homossexuais são realizados desde 1981, enquanto pesquisas sobre atitudes em relação a pessoas trans são mais recentes, com dados coletados pela primeira vez em 2012. Nenhuma pesquisa nacional ou entre países estudou atitudes em relação a pessoas bissexuais.

Houve uma mudança em direção a uma maior aceitação da homossexualidade, mas a homofobia continua generalizada. Mesmo nos países da OCDE, que estão entre os países mais tolerantes do mundo, a pessoa entrevistada média está apenas a meio caminho da plena aceitação social da homossexualidade, marcando 5 numa escala de aceitação de 1 a 10.

Evolução da aceitação da homossexualidade nos países da OCDE entre 1981-2000 e 2001-2014

Como se pode verificar no gráfico acima, Portugal, apesar da evolução legislativa das últimas décadas, continua a ter uma aceitação abaixo da média dos países da OCDE, remetendo-nos para o grupo de países cuja aceitação social é, efetivamente, mais deficitária.

A aceitação da homossexualidade é maior entre as mulheres, as pessoas adultas mais jovens, as mais instruídas e as pessoas que vivem em áreas urbanas. A descoberta de que as mulheres são mais abertas à homossexualidade do que os homens é explicada pelas atitudes mais negativas dos homens em relação aos homens gays. Na verdade, a aceitação de lésbicas por homens é semelhante à aceitação de mulheres lésbicas e gays.

Apenas duas pesquisas sobre atitudes em relação a pessoas trans foram conduzidas até o momento. Essas pesquisas revelam um desconforto generalizado em relação às pessoas trans. Entre os países europeus da OCDE, uma média de apenas 40% das pessoas entrevistadas se sentiria à vontade tendo uma pessoa transgénero ou transexual numa posição política mais elevada, como colega de trabalho ou como filha.

Além disso, menos da metade (44%) das pessoas entrevistadas nos 17 países da OCDE pela pesquisa da ILGA Europe em 2016 aceitariam uma criança transgénero, observando aqui uma clara divisão entre géneros: uma criança trans corre maior risco de ser rejeitada se for uma mulher trans em vez de um homem trans. Dito isto, a aceitação de pessoas trans continua a ser maior nos países da OCDE do que em outros lugares.

Conforto com pessoas trans melhora com o tempo na maioria dos países

Aceitação da homossexualidade e aceitação de pessoas trans estão fortemente correlacionadas. Ambas as atitudes em relação a homossexuais e atitudes em relação às pessoas trans são moldadas pela força com que a visão essencialista de que as pessoas se enquadram em duas identidades de género distintas (masculina e feminina) que correspondem ao sexo biológico no nascimento e sentem atração sexual um pelo outro. Além disso, é provável que a fronteira entre a homossexualidade e uma identidade transgénero seja particularmente difusa da perspectiva do público em geral. As pessoas trans são, de facto, significativamente mais propensas a identificarem-se como LGB.

Apesar dessa correlação, o conforto com pessoas trans parece menor do que o conforto com pessoas LGB. Em média, 49% das pessoas entrevistadas relatam conforto com pessoas LGB, em oposição a 40% que relatam conforto com pessoas transgénero.

Conforto com pessoas trans é menor do que conforto com pessoas LGB

Em média, mais de uma em cada três pessoas entrevistadas LGBT em países europeus da OCDE relatam ter sentido pessoalmente discriminadas por causa da sua orientação sexual e/ou identidade de género. Esta percentagem varia entre 50% na Lituânia e 31% na Dinamarca. Consistente com as atitudes em relação às pessoas LGB sendo mais positivas do que as atitudes em relação às pessoas trans, a percepção da discriminação é maior, em média, entre as pessoas trans do que entre as LGB. Homossexuais relatam o mais alto nível de discriminação em oito países: Áustria, Estónia, Grécia, Hungria, Itália, Polónia, Portugal e Eslovénia.

Dados de pesquisas revelam que as pessoas LGBT enfrentam lacunas no status de emprego e/ou rendimentos do trabalho em comparação com pessoas não-LGBT. As pessoas LGBT têm uma probabilidade 7% menor de estarem empregadas do que as pessoas que não são LGBT e seus rendimentos são 4% menores. Elas também parecem estar expostas a um teto de vidro: são 11% menos propensas a ocupar um cargo de topo. No geral, a penalidade que os indivíduos LGBT sofrem na escola estende-se ao mercado de trabalho.

No entanto, essas estimativas devem ser tomadas com cautela, uma vez que elas provavelmente constituem um limite inferior da penalidade enfrentada pelas minorias sexuais e de género. Isto porque evidências sugerem que as pessoas LGBT que revelam a sua orientação sexual e identidade de género nas entrevistas não são representativas da população LGBT como um todo: apenas as mais abastadas revelam quem são. Por exemplo, entre os homens que relatam ter tido relações sexuais com homens nos Estados Unidos, os de origem privilegiada, são mais propensos a se identificarem como homossexuais ou bissexuais. Consistente com esta descoberta, a análise de pesquisas nacionais representativas mostra que a proporção de indivíduos que respondem “Outros”, “Não sabem” ou “Recusaram” à pergunta sobre a auto-identificação sexual é desproporcionalmente alta entre indivíduos de baixa escolaridade.

A penalidade média esconde importantes disparidades entre os subgrupos LGBT. Homossexuais são o grupo para o qual a comparação dos resultados do mercado de trabalho entre indivíduos LGBT e não LGBT produz os resultados mais contrastantes: lésbicas beneficiam de um melhor emprego e salário em comparação com mulheres heterossexuais, enquanto homens gays sofrem de um pior emprego e salário que homens heterossexuais. Este resultado presumivelmente deriva de diferenças na maneira como os parceiros se especializam em trabalho remunerado e não remunerado entre casais do mesmo sexo e do sexo oposto: a especialização doméstica é significativamente menor entre parceiros do mesmo sexo, por exemplo. O homem homossexual é menos envolvido no mercado de trabalho do que um homem heterossexual com parceira, enquanto uma mulher homossexual com parceira está mais envolvida no mercado de trabalho do que uma mulher heterossexual com parceiro.

As minorias sexuais e de género são amplamente expostas ao estigma. As pessoas LGBT vivem num ambiente social que, em grande parte, vê a heterossexualidade e a identidade cisgénero como a única maneira de se ser normal. As pessoas LGBT, portanto, experimentam stress não sofrido por indivíduos heterossexuais e cisgéneros, o chamado stress minoritário

Suspeita-se que esse stress dificulte seriamente a saúde mental de minorias sexuais e de género, gerando ansiedade, depressão e tentativa de suicídio, uso de substâncias psicoativas e abuso: em suma, baixa satisfação com a vida. Mas não há necessidade de sofrer violência física ou verbal para que surja sofrimento psíquico. O facto das pessoas LGBT se sentirem forçadas a esconder a sua própria identidade para evitar a estigmatização e, assim, manter personalidades públicas e privadas separadas, é visto como suficiente para gerar transtornos mentais. Este mal-estar, por sua vez, tem o potencial de prejudicar a saúde física das pessoas LGBT, fornecendo um terreno fértil para outras patologias como as doenças cardiovasculares.

  • Que políticas podem melhorar a inclusão LGBT?

Garantir que as pessoas LGBT possam expressar abertamente a sua orientação sexual e identidade de género sem serem estigmatizadas, discriminadas ou atacadas deve ser uma prioridade política pelo menos por três razões.

A primeira e mais importante razão é obviamente ética. Orientação sexual e identidade de género são aspetos integrais da nossa identidade individual. Garantir que as pessoas LGBT não estão condenadas a armário forçado ou retaliação quando a sua identidade é revelada deve constituir um direito humano inalienável.

A segunda razão é económica. A exclusão de pessoas LGBT impede o desenvolvimento económico por meio de uma ampla gama de canais, como menor investimento em capital humano, produção e produtividade reduzidas, gastos públicos em serviços sociais e de saúde que podem ser mais bem gastos em outros lugares.

A terceira razão pela qual a inclusão LGBT deve constituir uma prioridade é social. A inclusão LGBT é vista como propícia ao surgimento de normas de género menos restritivas que melhoram a igualdade de género de forma ampla e, portanto, expandem os papéis sociais e económicos, especialmente para as mulheres. Consistente com essa intuição, a aceitação da homossexualidade está fortemente correlacionada com o apoio à igualdade de género em todo o mundo.

Aceitação da homossexualidade e apoio à igualdade de género, 2001-2014

Proibir legalmente a discriminação contra pessoas LGBT e garantir a sua igualdade de direitos é essencial para inclusão das mesmas. Não se pode esperar melhorar a situação das minorias sexuais e de género se, para começar, a lei não as protege contra discriminação e abusos. Por exemplo, é relatada uma menor discriminação e maior conforto ​​ao ser partilhada a orientação sexual em empresas que proíbem a discriminação contra LGBT. Da mesma forma, também é declarado um maior comprometimento no trabalho, melhores relacionamentos no local de trabalho, maior satisfação no trabalho e melhores resultados de saúde nesses ambientes. No entanto, ainda há um longo caminho antes que as minorias sexuais e de género encontrem reconhecimento legal pleno. Por exemplo, apenas uma minoria de países do mundo (37%) proíbe a discriminação no emprego com base na orientação sexual em comparação com mais de dois terços que proíbem a discriminação no emprego com base no género, raça, religião ou incapacidade.

Além disso, a promulgação de leis anti-discriminação e de igualdade não é suficiente para proteger as minorias sexuais e de género. Essas leis também devem ser plenamente cumpridas, o que significa que o relato, o registo e a sanção de crimes anti-LGBT em casa, no trabalho, na rua, on-line etc. devem tornar-se mais sistemáticos. A promulgação e aplicação de leis antidiscriminatórias e de igualdade melhoram a inclusão LGBT não apenas desencorajando potenciais pessoas infratoras, mas também moldando a norma social. Os indivíduos percebem mudanças legais como refletindo evoluções no que é socialmente aceitável e estão dispostos a aceitar essas mudanças.

Fonte: OECD (2019), Society at a Glance 2019: OECD Social Indicators, OECD Publishing, Paris. https://doi.org/10.1787/soc_glance-2019-en


A processar… ⏱
Sucesso! 🌈
Anúncios

5 comments

  1. Informação interessante. Confirma a minha percepção empírica das mentalidades em Portugal. A educação escolar, para não falar da familiar, não ajudam. Mas não entendo a frase:
    “Por exemplo, apenas uma minoria de países do mundo (37%) proíbe a discriminação no emprego com base na orientação sexual em comparação com mais de dois terços que proíbem a discriminação no emprego com base no género, raça, religião ou incapacidade.”
    Saudações,
    José António Sá

    Liked by 1 person

    1. Obrigado pelo comentário!

      O que os dados mostram é haver mais países com leis contra discriminação laboral por género, raça, religião ou incapacidade do que países com leis similares contra a discriminação por orientação sexual.

      Cumprimentos 🙂

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s