A grande confusão entre “orientação” e “opção”

Género Orientação Sexual LGBTI Identidade Homofobia

A troca da palavra “orientação” por “opção” já não é de agora. E esse é o grande problema que tem vindo a dificultar a vida das pessoas LGBTQI+. É nesse sentido que surge o preconceito e até a ideia de que aquilo que a pessoa é pode ser reversível. Que pessoas com menos acesso à informação ou que não tenham interesse nos temas LGBTQI+ o façam, até se percebe; apesar de não ser, de todo, compreensível. Agora, o mais drástico é que cidadãos informados, com grandes redes de contactos e conhecimento troquem as palavras. A confusão entre ambas também se verifica naqueles que são afetados pela própria confusão. É o caso de muitos homossexuais, que afirmam ter optado por ser assim. Ou seja, insistem na ideia de que escolheram a sua orientação sexual.

É preciso relembrar, aqui, o que são a orientação e o género. É que toda esta confusão pode ter consequências muito graves se se continuar a banalizar. Sendo que a comunicação social, que tem o papel de informar, deve dar extrema importância à correta utilização dos termos. Assim, a palavra “opção” define-se como o acto ou faculdade de optar; livre escolha. Enquanto que “orientação” (neste caso sexual) se carateriza como um padrão de atração sexual ou emocional por determinado sexo ou género. Assim, e dada a utilização das palavras “padrão” e “emocional”, já nos permite perceber que se trata de algo intrínseco à condição humana de cada um.

Não restam dúvidas que se deve utilizar a palavra “orientação”, nem deveria existir este problema. Talvez esta ideia esteja presente na cabeça das pessoas, mas como não se obrigam a dizer nem a falar corretamente, preferem utilizar a norma. E, neste caso, a norma está totalmente errada. Nunca se deve utilizar a palavra “opção” para se dirigir ao facto de alguém ser homossexual, bissexual, etc.

Foi após ter ouvido no programa ‘Você na TV!’, da TVI, o próprio Manuel Luís Goucha escolher a palavra “opção” para se dirigir à homossexualidade que achei muito grave e fiquei a pensar no porquê de ter dito aquilo. Sei, obviamente, que a ideia de que a homossexualidade não é uma opção está bem presente na mente do apresentador. Portanto, penso que esta situação se trata de uma questão de banalização. Por isso é que lhe chamei de confusão. Assim, é preciso que se tome iniciativa de falar corretamente.

Em todos os meus artigos aqui para o esQrever refiro a importância das sessões de esclarecimento e das deslocações das instituições às escolas. O problema é que muitas gerações já não vão ter acesso a essas informações. Logo, é aí que entra a comunicação social. Não se lêem muitos artigos sobre estes temas nos jornais nacionais. Claro que é de extrema importância escreverem-se artigos sobre as condições ambientais e alterações climáticas, para além de todas as outras matérias da atualidade. Mas também é preciso que se comece a pensar nestas questões. Ao fim de contas, trata-se de civilização e de respeito pelo outro. É nestes pormenores que é preciso intervir e assim, talvez um dia, se possa dizer que o país já não é tão preconceituoso em relação à orientação sexual.

Imagem: Pixabay

 


A processar… ⏱
Sucesso! 🌈
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s