“And then we danced”: Ninguém poderá ficar igual depois do amor

Foi após o episódio de violência sobre o movimento pacífico que assinalava o dia internacional contra a homofobia, transfobia e bifobia em 2013 na Geórgia que o realizador Levan Akin começou a construir a ideia que viria a concretizar-se neste filme.

A questão da repressão contra a comunidade LGBTI numa sociedade ainda demasiado ortodoxa é brilhantemente ilustrada pela mão da metáfora num conflito entre a dança tradicional do país e do protagonista Merab, que apesar do seu talento é reiteradamente advertido pela sua falta de masculinidade, essencial aos olhos dos tradicionalistas que dão voz à imposição do cânone.

Merab é despertado pela chegada de Irakli e o olhar de ambos vai crescendo para a inevitabilidade do seu desejo.  

A paixão de Merab faz com que este se descubra na sua sexualidade e na sua personalidade. Ao longo do filme, muitos são os planos e cenas em que podemos testemunhar a felicidade do apaixonar-se, a vulnerabilidade que isso lhe traz, mas também o sentido e a luz, quando à sua volta tudo parece demasiado difícil, já escrito, inevitável, repetido e sem esperança. 

A alegria da paixão é também o acordar para a possibilidade para lá das dificuldades ou circunstâncias de cada um. E esse despertar deve, sempre, independentemente do final infeliz da história de amor, revelar-nos, fortalecer-nos. O assumir da identidade como único caminho para a expressão do que somos, para que o nosso ser único se cumpra, acrescente e contrarie o medo. Ninguém poderá ficar igual depois do amor. 

É comum que filmes sobre a temática LGBTI tenham finais infelizes. Esta história de amor tem, sim, um desenrolar triste, mas termina com a felicidade maior da descoberta, da superação e da paixão como motor. 

Nunca poderá ser de mais lembrar que a repressão e o preconceito são formas de negarmos e restringirmos a expressão do outro, a sua descoberta e o seu caminho. Muitas vezes alimentados pela própria dificuldade de crescimento de quem também a si nega essa capacidade de evolução. A tradição, para que seja engrandecida, só fará sentido se nela se puder refletir cada um de nós. Assim como numa família, numa cultura ou sociedade é importante estarmos atentos à beleza maior que é a possibilidade da sua raiz poder vir a ter várias formas de flor, contrária à negação que é escudar-se tornando-se estéril, embrutecida. A personagem da amiga de Merab e do seu irmão vão felizmente dar-nos alguma esperança neste sentido e inspirá-lo também. 

O amor só nos poderá tornar mais inteiros, menos ausentes. 

And then, let’s dance.

Tatiana Azevedo


T4 | Ep.2 – ESPECIAL SEX TOYS, MASTURBAÇÃO & NEGRONIS com ANA, CÁTIA e SARA (como a Cher) Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

  1. T4 | Ep.2 – ESPECIAL SEX TOYS, MASTURBAÇÃO & NEGRONIS com ANA, CÁTIA e SARA (como a Cher)
  2. T4 | Ep.1 – ESPECIAL FÉRIAS com SAWYER GONÇALVES-CARREIRA
  3. T3 | Ep.12 – Com DANI(ELA) FILIPE BENTO: Não binarismo, LGBTfobia na Polónia, Cancel Culture e Ellie do The Last of Us 2

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:

👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 SoundCloud 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Se não estivermos ainda disponíveis na vossa app favorita, podem subscrever via 👉 RSS.

A processar… ⏱
Sucesso! 🌈

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s