Cultura Género Internet Música Opinião Vídeo

Quem Tramou Britney Spears?

Desde a sua ascensão meteórica no virar do milénio que Britney Spears foi tudo: celebrada, odiada, respeitada, menosprezada, glorificada, vilipendiada. E houve uma altura em que chegou a ser livre. Já não o é há pelo menos 13 anos, como mostra Framing of Britney Spears, um documentário apresentado pelo The New York Times, realizado por Samantha Stark, com investigação da jornalista Liz Day. O título, e a própria palavra “framing”, tem aqui duplo significado: propõe-se a “enquadrar” a persona pública de Britney ao mesmo tempo que pergunta quem “tramou” a cantora. E tal questão tem múltiplas respostas, cada uma mais incriminatória que outra.

O que fica claro é que Britney Spears sempre ia ser uma estrela. Desde criança que tinha ela própria uma vontade gargantuana de pisar o palco e mostrar o seu talento. Talento esse que a levou ao programa Star Search, no qual também se estreou Beyoncé, e depois ao Mickey Mouse Club. Aqui conheceu Justin Timberlake, Christina Aguilera e Ryan Gosling, antes de se tornar uma estrela maior que todos eles quando lançou “Baby One More Time” e efetivamente mudou o panorama da pop contemporânea. E continuou a fazê-lo. Single após single. Álbum após álbum. Digressão após digressão. Foi elevada ao estatuto de queridinha da América, e parte de um dos primeiros power couples de Hollywood com Timberlake. Até crescer e tornar-se numa mulher, com virtudes e fragilidades, e foi aí que tudo começou a descarrilar.

Talvez o momento da gota de água tenha acontecido aquando da separação de Justin Timberlake, e este começou uma cruzada bem pública de difamação contra Britney com o seu primeiro verdadeiro sucesso fora dos NSYNC, “Cry Me a River”. No videoclipe mostrava-o a vingar-se de uma ex-namorada, interpretada por uma sósia de Spears, que o traiu com outro homem. A perceção pública de Britney mudou completamente graças a uma apropriação da narrativa (e da verdade) por parte de Timberlake, tornando-a na puta que partiu o seu coração. Narrativa essa que continuou a usar anos depois com “What Goes Around (Comes Back Around)”, em que, no videoclipe, Scarlet Johansson fazia as vezes de Britney apenas para sofrer o castigo derradeiro de trair o pobre Justin: morrer num acidente de automóvel. Timberlake é assíduo em partir os pedestais de mulheres famosas, basta perguntar a Janet Jackson, e logo a seguir limpar as suas mãos.

Desde aqui que Britney teve o seu destino traçado e passou a ser o alvo preferencial dos paparazzi durante todos os anos que se seguiram. Os fotógrafos cheiravam sangue na água e iam cercando cada vez mais uma Britney que estava lentamente a perder o controlo da sua própria história e, consequentemente, da sua vida. Seguiu-se o casamento falhado com Kevin Federline, a gravidez e posterior batalha de custódia pelos dois filhos, culminando no colapso público de 2008. Não havia qualquer preocupação, no meio do julgamento público e humilhação, pela saúde mental de Britney Spears nesta altura, era apenas uma louca e histérica, totalmente fora de si. Uma narrativa bem simples e eficaz para demolir qualquer mulher. 

O movimento #FreeBritney esteve em discussão no Podcast dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈

E assim foi começando um penoso processo em tribunal que colocou Britney numa conservadoria, uma espécie de tutela normalmente aplicável apenas a pessoas idosas incapazes de cuidarem de si próprias. Essa conservadoria foi levada a cabo pelo pai, Jamie Spears, e por um advogado por ele contratado. Passaram a tomar conta de todos os seus bens, posses e controlo criativo de tudo o que Britney fazia fora do estúdio. E isso acontece até ao dia de hoje. Inicialmente, Britney queria apenas voltar a ganhar força e saúde mentais para reaver a custódia dos filhos, mas várias vezes demonstrou que esta conservadoria é agora totalmente contra a sua vontade, tendo levado o pai a tribunal no final do ano passado com o juiz a ignorar a vontade de quebrar essa decisão. Conservadoria essa que, dada a alta capacidade de Britney trabalhar, depois do período inicial mais crítico, foi descrita em tribunal por um dos seus conservadores como um “modelo de negócio híbrido altamente rentável”. Não deixa de ser irónico também que todas as despesas em tribunal, da conservadoria e dos recursos contra a mesma, são inteiramente pagos por Britney, a “galinha de ouro” de um conjunto de homens que nunca a respeitaram. 

Pessoalmente, foi um visionamento bem intricado e desolador. Porque, apesar de Britney Spears ser desde o início um ícone cultural gigantesco e uma diva aliada dos direitos LGBTI, existia — principalmente antes do esgotamento — um certo desdém da minha parte com a sua figura e com o questionamento contínuo do seu talento. Uma mob mentality à qual me deixei sucumbir, timidamente celebrando cada lançamento musical, mas sempre preparado para lhe tirar o pedestal ao mínimo deslize. Afinal de contas, era para isso que ela existia, certo? Para trazer alegria às massas, quer ela se traduzisse em música ou no seu colapso. O entretenimento estava garantido de qualquer forma. Podemos procurar culpa em Justin Timberlake e Jamie Spears, mas não há maior culpa que a ‘nossa’, a do grande público que se alimentou das suas desventuras e questionou o seu talento enquanto dançava alegremente ao som do mesmo. Por isso agora, mais que nunca, #FreeBritney.

Atualização: Hoje, dia 12 de fevereiro de 2021, um tribunal na Califórnia rejeitou o pedido de Jamie Spears em ser o único conservador da fortuna de Britney, mantendo a conservadoria partilhada com um banco anteriormente apontado pelo tribunal.

Atualização 24 junho 2021:

Durante uma audiência judicial realizada ontem, Britney Spears implorou a uma juíza pelo fim da tutela paternal à qual está submetida desde 2008.

Só quero que me devolvam minha vida. Já se foram 13 anos e acho que é suficiente“, declarou Spears durante uma intervenção virtual de 20 minutos e em que considerou que o acordo legal a deixou “traumatizada” e “deprimida“.

Não sou feliz. Não consigo dormir. Estou furiosa. É uma loucura“, criticou a cantora, acrescentando que chora todos os dias. “Não estou aqui para ser escrava de ninguém“, afirmou, “O meu pai e todas as pessoas envolvidas na tutela (…) deviam estar na prisão”, porque “esta tutela é abusiva. Quero mudanças, eu mereço mudanças“, continuou, ao falar perante a juíza Brenda Penny.

Quero poder casar-me e ter um filho”, continuou, alegando que a equipa não o permite. “Tenho um DIU [dispositivos intrauterinos] dentro de mim para não engravidar, mas [a minha equipa] não quer que eu tenha mais filhos.

Um dia antes deste relato, foram revelados novos detalhes do caso que mostram o controlo feito sobre a vida da artista e como esta já antes se opôs ao papel do pai enquanto tutor. Os documentos mostraram uma vida cheia de restrições, com Jamie Spears a controlar a vida da filha ao ínfimo detalhe: desde o círculo de amigos à cor dos armários da cozinha. A artista chegou a alegar que o pai estava “obcecado”.

Este foi um primeiro vislumbre da perspectiva na primeira pessoa do que se passa na vida da estrela pop nos últimos 13 anos e uma primeira vitória de Britney Spears num processo que já se arrasta há demasiado tempo.

Nota: Texto revisto pela Ana Teresa.

T7 | Ep.4 – Industry Baby: Extrema-Direita VS Pessoas LGBTI, em Portugal e na Hungria Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O octogésimo oitavo episódio do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. Marcamos o início com as noitadas até às 23h mas passamos logo para os alegados crimes de ódio homobófico por parte de um dirigente do Chega e depois para a vontade de Viktor Orbán fazer um referendo na Hungria como resposta ao ultimato da União Europeia. Ainda falamos da Associação Variações antes de Dar Voz A… Greta, livraria feminista, Lil Nas X e o seu novo flex para a indústria e também à diversidade nos Jogos Olímpicos. Ah, e o Sawyer canta em alemão. Desculpem. Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄 Música por Lil Nas X (feat. Jack Harlow); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈
  1. T7 | Ep.4 – Industry Baby: Extrema-Direita VS Pessoas LGBTI, em Portugal e na Hungria
  2. T7 | Ep.3 – I Wanna Be Your Slave: Mj Rodriguez brilha nos Emmys, Ursula von der Leyen aperta com eles e Pride nos Jogos Olímpicos
  3. T7 | Ep.2 – La Solitudine: Goucha non grata e onda de homofobia dopo Pride

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

1 comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: