Cinema Cultura Género

A obliteração do ‘nice guy’ em Promising Young Woman

Durante décadas pensámos que a indústria cinematográfica de Hollywood teria perdido a inspiração. Ano após ano, víamos as mesmas histórias no grande ecrã, as mesmas adaptações, as mesmas pessoas. Mas nos últimos anos algo começou a mudar: com #MeToo e #BlackLivesMatter começou finalmente a perceber-se o quão patriarcal era a indústria, também totalmente desenhada para as mesmas pessoas – homens cis brancos heterossexuais – ganharem o poder e tomarem todas as decisões. E muito rapidamente também percebemos o quão silenciadas todas as restantes pessoas são, obrigadas a prostrar-se perante a vontade de outrem e verem as suas histórias também elas invisibilizadas. 

Não é coincidência que este ano temos várias mulheres na realização de vários filmes que têm vindo a ser os mais celebrados do ano e teremos possivelmente mais que uma única exceção à regra na categoria de realização dos Óscares. E uma delas é Emerald Fennell. Se calhar o nome não é estranho às pessoas mais atentas: é a atriz que, entre outras coisas, interpretou Camilla Parker Bowles na série “The Crown”. Em “Promising Young Woman” assina o argumento e a realização desta longa-metragem, a primeira vez que desempenha qualquer uma dessas funções. Fennell tinha o conceito já preparado desde 2017 e vendeu os direitos do filme a Margot Robbie e à sua produtora, LuckyChap, depois de descrever a cena de abertura.

E que cena de abertura é. Começa num bar perfeitamente lotado, já perto do final da noite, em que três amigos vislumbram uma rapariga totalmente bêbada sentada a um canto, sozinha e claramente a precisar de ajuda. Dois deles querem imediatamente levá-la para a cama, aproveitando-se da sua vulnerabilidade, mas o terceiro, o ‘nice guy,’ não os deixa e corre em seu auxílio. Chama um Uber para a levar a casa, mas, entretanto, e apesar de ela não concordar, decide ir para o seu próprio apartamento. Tenta atabalhoadamente vários avanços que ela, embriagada, continua a rejeitar até finalmente a levar para a cama e começar a despi-la e a tocar-lhe nos genitais. “O que estás a fazer?” pergunta ela inúmeras vezes com a voz totalmente minada pela intoxicação alcoólica. “Hey. Eu disse: O. Que. Estás. A. Fazer?” diz uma última vez. Totalmente lúcida. O desejo nos olhos dele muda imediatamente para medo puro, percebendo que ela estava apenas a fingir e perfeitamente ciente do abuso que ele estava conscientemente a perpetrar sob uma mulher alcoolizada. 

O tom está definido até porque “Promising Young Woman” é um thriller com laivos de comédia negra e, no seu âmago, um revenge movie. Carey Mulligan é Cassie, a protagonista, a mulher que finge embriaguez em bares para castigar os homens bondosos que a pretendem ajudar e inevitavelmente acabam por abusar dela. Ou tentar. Sem querer revelar muito, cedo percebemos que houve um evento na vida de Cassie que a fez interrompê-la totalmente, deixar a universidade de Medicina e voltar para casa dos pais. Não vou revelar mais porque o argumento é tão bom e tão exímio na forma como vai revelando Cassie, o seu trauma e necessidade de vingança que iria estragar revelando qualquer pequeno detalhe.

O filme Promising Young Woman esteve em discussão no Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈

Posso, no entanto, dizer que nunca vimos um filme assim. Nunca vimos o abuso descrito desta maneira, com todas as consequências unicamente para as mulheres que sofrem o abuso e nenhumas para os homens que os cometem. Nunca vimos uma mulher tão implacavelmente a promover a sua sede de vingança e payback, uma característica tão pouco feminina e tão própria de um homem. Nunca vimos esta antítese de heroína desempenhada com uma frieza desconcertante e simultaneamente uma vulnerabilidade absolutamente devastadora, numa interpretação de Carey Mulligan que ficará para os anais da História ao lado de Beatrix Kiddo e Carrie White

É que “Promising Young Woman” não é só um mero murro no estômago. É um que deixa marcas durante, pelo menos, largas horas depois de o ver. Numa nota pessoal, senti-me fisicamente enjoado durante umas horas depois de ver o filme. O poder da narrativa e da forma como ela é apresentada por Fennell e Mulligan é desconcertante do início ao fim, na forma como vemos a deceção de Cassie esvair toda a sua alma para ser nada mais que um objeto de vingança. O desmoronamento do ‘nice guy’ do seu tóxico pedestal é particularmente visceral e revoltante e ficamos com a sensação que #NotAllMen é definitivamente a punchline do século. Mesmo que eles saibam “Stars Are Blind” da Paris Hilton de cor. ESPECIALMENTE se eles souberem “Stars Are Blind” da Paris Hilton de cor.

Nota: Texto revisto pela Ana Teresa.

T5 | Ep.33 – You Belong With Me: Goucha, Gottmik, Ruby Rose e… Sócrates? Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O septuagésimo primeiro segundo do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️ 🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. Começamos por discutir a nova protegida de Manuel Luís Goucha, a proto-facha Suzana (with a Z?) Garcia e a sua candidatura pelo PSD à Câmara Municipal da Amadora. Depois falamos de algo bom, a visibilidade de Gottmik e da sua identidade trans não binária – de RuPaul's Drag Race para o Mundo. Falamos também do bullying sofrido pela atriz lésbica Ruby Rose e do conteúdo queer da nova edição do Festival Política. No Dar Voz A… discutimos a nova gravação de Fearless de Taylor Swift e da série Gene+ation da HBO. Não há Sawyer Lê Fachos porque o bicho teve indeciso mas infelizmente não se calou. Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄 Música por BenSound e Taylor Swift ; Jingle por Hélder Baptista  🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈
  1. T5 | Ep.33 – You Belong With Me: Goucha, Gottmik, Ruby Rose e… Sócrates?
  2. T5 | Ep.32 – Judas: Casa T, Carta Anti-TERF, Educação Infantil e O Regresso de Sawyer
  3. T5| Ep.31 – MONTERO: CR7, #SuperHate, Armário Laboral, Alan Turing e Lil Nas X!

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

<span>%d</span> bloggers like this: