Cultura Família Livros Opinião

esQrever sobre educação – Parte 1

Primeira parte de uma reflexão de Cátia Rodrigues de Sousa sobre o seu papel enquanto professora e a educação de crianças no pré-escolar e 1º ciclo.

Num sábado de Páscoa particularmente aborrecido, sem visitas covidianas e com algum mau feitio em cima – qualidade da qual, aliás, não abdico –, dou por mim a olhar para a minha pequena coleção de livros infantis: a única secção da minha estante que mantenho intacta desde que me rendi à magia do e-reader

Muitos destes livros foram comprados em Madrid, em livrarias feministas com secções infantis absolutamente incríveis e invejáveis. Outros (poucos) em português, a maioria da Joana Estrela, por quem sou secretamente apaixonada. Tenho a certeza que coraria se nos cruzássemos na rua. 

Um desses madrilenos chama-se Vacío, da autora Anna Llenas, muito conhecida em Portugal pelo seu famosíssimo livro O Monstro das Cores. Não há ninguém que conviva diariamente com crianças que não conheça este sucesso de vendas. 

Vacío, na língua original, e ainda sem tradução em português, conta a história de uma menina de cartão chamada Júlia, que vive pacatamente num tranquilo bairro com a sua família. Um dia, e de um momento para o outro, é fulminada por um enorme vazio. Júlia rapidamente percebe que o grande vazio que sente é como um buraco negro por onde tudo passa. E que, por mais que procure nas coisas e pessoas à sua volta, não encontra nenhuma tampinha com o tamanho ideal para o encerrar. 

Tenho bastantes livros infantis de temática LGBTI. Uns sobre famílias arco-íris, outros sobre pessoas diversas nas suas vivências e identidades. Felizmente, são cada vez mais os livros (uns melhores e outros piores, vá) com histórias onde cabem todas as crianças e não apenas algumas. Os Vestidos do Tiago, de Joana Estrela, é um desses bons exemplos da minha coleção – e prometo não a referir novamente neste texto.  Mas Vacío não é um livro de temática LGBTI. Ou será? 

Embora me seja relativamente simples falar sobre questões LGBTI com crianças de jardim de infância e 1.º ciclo, ainda não consigo arranjar tampinhas perfeitas que tapem os vazios das crianças que por mim passam. 

Em 7 anos de trabalho em educação, a minha principal preocupação sempre foi a de construir ambientes em que todas as minhas crianças estivessem felizes e seguras. Ora, quem trabalha em educação, e tem um pingo de responsabilidade ou inteligência emocional, sabe que esta tarefa é hercúlea. Primeiro: todas é muita gente. Segundo: felizes e seguras não depende só de nós. No entanto, trabalhei sempre por um ambiente diverso e inclusivo: mesmo com pais e mães zangados e zangadas ao portão, sem perceber porque raio o seu “filho macho” chegou a casa de unhas pintadas de livre vontade. 

Entre livros, conversas e atividades inclusivas, fui criando espaço para que as crianças e pessoas adultas com quem trabalho se sentissem felizes e seguras na escola. Ou, pelo menos, no meu espaço-escola. 

E é por isso que regresso tantas vezes ao livro da Anna Llenas. O meu objetivo enquanto educadora não é tapar os vazios das minhas crianças, mas sim torná-los mais pequenos. Um vazio pequeno permite a passagem de tristezas e medos, é certo, mas também permite a passagem de palavras, e desenhos, e cores, e músicas, e pessoas. E talvez — talvez com sorte — esta mistura mágica faça a diferença.

Cátia Rodrigues de Sousa


T7 | Ep.4 – Industry Baby: Extrema-Direita VS Pessoas LGBTI, em Portugal e na Hungria Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O octogésimo oitavo episódio do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. Marcamos o início com as noitadas até às 23h mas passamos logo para os alegados crimes de ódio homobófico por parte de um dirigente do Chega e depois para a vontade de Viktor Orbán fazer um referendo na Hungria como resposta ao ultimato da União Europeia. Ainda falamos da Associação Variações antes de Dar Voz A… Greta, livraria feminista, Lil Nas X e o seu novo flex para a indústria e também à diversidade nos Jogos Olímpicos. Ah, e o Sawyer canta em alemão. Desculpem. Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄 Música por Lil Nas X (feat. Jack Harlow); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈
  1. T7 | Ep.4 – Industry Baby: Extrema-Direita VS Pessoas LGBTI, em Portugal e na Hungria
  2. T7 | Ep.3 – I Wanna Be Your Slave: Mj Rodriguez brilha nos Emmys, Ursula von der Leyen aperta com eles e Pride nos Jogos Olímpicos
  3. T7 | Ep.2 – La Solitudine: Goucha non grata e onda de homofobia dopo Pride

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

1 comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: