Cinema Coming Out Cultura Notícias Televisão Trans

Tommy Dorfman sobre a sua transição: “Nunca estive genuinamente feliz até ao ano passado”

Tommy Dorfman para a Time.

Tommy Dorfman, a estrela de Por Treze Razões (13 Reasons Why, no original), hoje com 29 anos, falou publicamente sobre a sua transição pela primeira vez numa entrevista para a revista Time  onde se debruçou na forma como as coisas mudaram na sua vida o ano passado.

Uma das primeira explicações é o de manter o seu nome, Tommy contou que não iria alterar o seu nome, dado que que o recebera do irmão da sua mãe, tio esse que faleceu um mês depois de Tommy nascer. Por isso, a atriz diz sentir-se “muito ligada a esse nome” e a um tio que a abraçou quando estava a morrer. “Esta é uma evolução de Tommy. Estou a tornar-me mais Tommy.

Dorfman disse que “sempre” se viu como uma mulher, mas pensou que a sua transição talvez não pudesse acontecer até ela ter 40 anos. No entanto, contou que o apoio de pessoas da comunidade trans, bem como as paralisações da COVID-19, a ajudaram a alcançar o ponto em que se encontra hoje.

Uma idosa trans perguntou-me como me via quando for mais velha, quando tiver 60, 70, 90 anos. Era claro para mim, via a Cate Blanchett“, disse Dorfman. “O meu espírito estava tão sintonizado com o que quer que significa ser uma mulher. Tive o privilégio de um corpo masculino, mas [ser mulher] é tudo o que conheci por dentro. As mulheres trans marcaram-me o tempo todo.

Dorfman, que irá interpretar uma personagem feminina pela primeira vez no próximo filme Sharp Stick, compartilhou que as hormonas a deixaram melhor do que nunca. “Passei 28 anos da minha vida com ideação suicida, a sentir-me deprimida e a recuper do alcoolismo e da dependência de drogas. Acho que nunca fui genuinamente feliz até o ano passado. Olho para fotos minhas desde que comecei a trabalhar, e posso ver o quão infeliz estava em todas as fotos. É horrível.

Dorfman acrescentou que sua transição tem sido por vezes difícil, comparando a toma de hormonas a uma nova “puberdade como adulta“, mas reconhece o privilégio que sente poder ajudar pessoas mais jovens que estão a embarcar nas suas próprias jornadas de identidade de género.

Em última análise, acho que isto não é apenas uma responsabilidade trans, mas uma responsabilidade humana de estar a serviço da próxima geração“, disse. “Agora tenho primos trans e não binários que são mais jovens do que eu, mas enquanto cresci, apenas conheci um primo gay mais velho do que eu.

Quando perguntada se existe também algum sofrimento e perda na transição, Dorfman respondeu que por vezes para justificar algo dizemos “que tudo antes era terrível” e não conseguimos reconhecer parte do que deixamos para trás. “Não é necessário fazer a transição médica para ser trans, mas, para mim foi uma escolha ativa. Estou a alinhar o meu corpo com minha alma.” Ainda assim, continua, “estou a perder algumas coisas. Tenho que reconhecer o facto de que trouxe muitas pessoas e coisas que podem não estar presentes nesta parte da jornada.” No entanto, Dorfman reconhece que tudo o que pode agora fazer é olhar para um futuro onde, espera, “seja radicalmente honesta“. E remata: “É essa a pessoa que me estou a tornar.”


T7 | Ep.12 – BONEKINHA: UÉ, Autárquicas, Gloria Groove e Queer Lisboa Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O nonagésimo sexto episódio do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. Falamos do artigo do Diogo Pereira sobre a iniciativa anti-homofobia na União Europeia, do feito pelo André Malhado a analisar o novo video de Gloria Groove e ainda falamos das Autárquicas desta semana e das nossas idas ao Queer Lisboa. No Dar Voz A… destacamos Star Crossed, o novo álbum da Kacey Musgraves e o regresso de Sex Education. https://open.spotify.com/episode/3oZ3gCsKRFi6dGnVwD6ovH Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄 Música por Gloria Groove; Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈
  1. T7 | Ep.12 – BONEKINHA: UÉ, Autárquicas, Gloria Groove e Queer Lisboa
  2. T7 | Ep.11 – Birthday Cake: Homofobia nas Autárquicas, 'Preferência Sexual', Queer Lisboa e The White Lotus
  3. T7 | Ep.10 – Whole Lotta History: Paulo Rangel, Robyn Lambird, Kylie Sonique Love e Sarah Harding

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

1 comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: