Lisboa é nossa

Apesar de já não viver em Lisboa, esta é ainda a minha cidade e a minha terra. Por isso, após estas eleições autárquicas, a perda da Câmara para a direita custa-me tremendamente. Por várias razões, que sintetizo assim:

  • o retrocesso que isso significará a todos os níveis, com destaque para a mobilidade, sustentabilidade, direitos sociais e habitação;
  • a oportunidade perdida para a esquerda, que escolheu concorrer entre si em vez de colaborar;
  • o cerco feito à empatia e à diversidade, quando vemos valores conservadores a ganharem terreno.

Penso sobretudo na nossa comunidade. Lisboa é (e continuará a ser) ponto nevrálgico de luta, eventos, associações e soluções para as pessoas LGBTI, dependendo muitas delas da Câmara Municipal. Nos últimos anos, temos contado com uma Câmara aliada que, apesar de eventuais limitações, reconhece e valoriza o nosso espaço na construção e evolução desta cidade. As nossas identidades e a nossa luta têm sido escutadas. E agora onde ficarão?

Podemos sempre dar o benefício da dúvida à nova equipa eleita, mas não me auguram bons tempos.

Hoje, neste momento tão pouco tranquilo, acertemos numa coisa: estamos cá, não vamos a lado nenhum. Celebramos o orgulho, exigimos os nossos direitos, continuamos na luta. Tudo faremos para que, quem procura em Lisboa um refúgio contra a perseguição e contra a LGBTIfobia, encontre pessoas e lugares seguros. Permaneceremos visíveis. As pessoas LGBTI em Lisboa, quer aí residam, trabalhem, visitem, continuarão a construir redes, laços e a deixar marca. E, se nos fecharem as portas, encontraremos novas formas de entrada, subterrâneas ou aéreas, secretas ou espetaculares, mas entraremos. Se nos encurralarem, faremos da periferia uma nova margem da alegria e da subversão, passa a circunferência a ser centro. Não nos apagarão.

Já não vivo em Lisboa por opção. Perdi o anonimato da cidade, ganhei a proximidade do campo. Mas Lisboa vem comigo e nunca será invisível.
Lisboa virá sempre na liberdade.
Lisboa será sempre liberdade.
E será sempre, sempre nossa.


Ep.130 – Crónica do maxo discreto: Rescaldo da Eurovisão, Mapa Arco-Íris da Europa e Papa Francisco volta a lançar areia para os olhos Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O centésimo vigésimo oitavo episódio do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. Depois de fazermos um pequeno rescaldo da Eurovisão, falamos sobre o Mapa Arco-Íris da Europa realizado pela ILGA Europe e onde Portugal caiu na sua posição face a 2021. Depois continuamos a falar sobre Lisboa e Algarve que terão duas unidades de saúde especializadas para pessoas trans e em como o Papa Francisco volta a lançar areia para os olhos. Ainda há espaço para recomendações televisivas do Doctor Who, Yellowjackets e no cinema de What Lies Beneath. Não percam! Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄 Música de Fado Bicha; Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈
  1. Ep.130 – Crónica do maxo discreto: Rescaldo da Eurovisão, Mapa Arco-Íris da Europa e Papa Francisco volta a lançar areia para os olhos
  2. Ep.129 – Stefania (COM SARA RAQUEL): Eurovisão 2022!?!!!
  3. Ep.128 – Vai Tudo Passar Amanhã: Psicologia do Coming Out, Harry Styles e Queer Baiting

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Deixa uma resposta