Artigo De Opinião Por Chimamanda Ngozi Adichie: “Por Que Não Pode Ele Ser Como Os Restantes?”

Como já foi aqui referido, a Nigéria foi considerado o País mais homofóbico do Mundo num estudo realizado no ano passado. Ora, ainda este ano o Presidente Goodluck Jonathan lançou uma lei que criminaliza a homossexualidade no seu País contribuindo assim para mais um recuo na evolução de uma sociedade próspera, tolerante e que protege todos os seus cidadãos. É também por isso que o artigo que vos trago escrito pela aclamada escritora e feminista Chimamanda Ngozi Adichie tornou-se tão mais importante para todos os homossexuais da Nigéria (e por questão de princípio, de todos nós). Sem mais demoras aqui deixo a minha tradução livre:

Vou chamá-lo Sochukwuma. Um rapaz magro, sorridente que gostava de jogar conosco, as meninas na escola primária em Nsukka. Nós éramos jovens. Nós sabíamos que ele era diferente, dizíamos: “ele não é como os outros meninos.” Mas a sua diferença era benigna e inquestionável; era simplesmente o que era. Nós não tínhamos um nome para ele. Nós não sabíamos a palavra ‘gay‘. Ele era Sochukwuma e ele foi amigável e ele jogou oga tão bem que seu lado sempre ganhava.

Na escola secundária, alguns meninos de sua turma tentaram atirar Sochukwuma de uma varanda do segundo andar. Eles prendiam adolescentes que tinham aprendido a perceber, e sentir medo, da diferença. Eles tinham um nome para ele. Homo. Eles gozavam com ele porque as suas ancas balançavam quando ele andava e as suas mãos se agitaram quando falava. Ele afastou-se das suas provocações, em silêncio, às vezes sorrindo um sorriso desconfortável. Ele deve ter desejado que ele poderia ser o que queriam que ele fosse. Imagino agora o quão só e impotente ele deve ter-se sentido. Os meninos, muitas vezes perguntavam: “Por que ele não pode simplesmente ser como os restantes?”

As respostas possíveis a essa pergunta incluem “porque ele é anormal“, “porque ele é um pecador“, “porque ele escolheu o estilo de vida.” Mas a resposta mais verdadeira é “Nós não sabemos.” Há humildade e humanidade em aceitar que há coisas que simplesmente não sabemos. Aos oito anos Sochukwuma era obviamente diferente. Não era sobre sexo, porque não poderia ter sido – as suas hormonas naturalmente ainda não estavam totalmente formadas – mas era uma consciência de si mesmo, uma consciência dele nas restantes crianças, como sendo diferente. Ele não poderia ter “escolhido o estilo de vida”, porque ele era muito jovem para isso. E por que haveria ele – ou qualquer um – escolher ser homossexual num mundo que faz a vida tão difícil para os homossexuais?

A nova lei que criminaliza a homossexualidade é popular entre os nigerianos. Mas isso mostra uma falha da nossa democracia, porque a marca de uma verdadeira democracia não está na regra da sua maioria, mas na proteção de sua minoria – caso contrário a oclocracia seria considerada democrática. A lei também é inconstitucional, ambígua e uma prioridade estranha em um país com tantos problemas reais. Acima de tudo, porém, é injusta. Mesmo se este não fosse um país de fornecimento de energia eléctrica abismal onde licenciados são apenas alfabetizados e as pessoas morrem de causas facilmente tratáveis ​​e Boko Haram comete assassinatos em massa casuais, esta lei ainda seria injusta. Não podemos ter uma sociedade justa se não formos capazes de acomodar a diferença benigna, aceitar a diferença benigna, viver e deixar viver. Podemos não entender a homossexualidade, podemos achá-la pessoalmente abominável mas a nossa resposta não pode ser a de criminalizá-la.

Um crime é um crime por um motivo. Um crime tem vítimas. Um crime prejudica a sociedade. Em que base é que a homossexualidade é um crime? Adultos não fazem mal algum à sociedade pela forma como eles amam e a quem eles amam. Esta é uma lei que não vai impedir o crime, mas, em vez disso, vai levar a crimes de violência: já existem, em diferentes partes da Nigéria, os ataques contra as pessoas “suspeitas” de ser gay. Vivemos numa sociedade em que os homens são abertamente carinhosos uns com o outros. Homens de mãos dadas. Homens que se abraçam. Vamos agora prender amigos que compartilham um quarto de hotel, ou que caminham lado a lado? Como é que vamos determinar as expressões ambíguas na lei – “mutuamente benéfica”, “directa ou indirectamente”

Muitos nigerianos apoiam a lei, porque eles acreditam que a Bíblia condena a homossexualidade. A Bíblia pode ser uma base de como escolhemos viver as nossas vidas pessoais, mas não pode ser a base para as leis que passam, não só porque os livros sagrados de religiões diferentes não têm igual importância para todos os nigerianos, mas também porque os santos livros são lidos de forma diferente por pessoas diferentes. A Bíblia, por exemplo, também condena a fornicação e o adultério e o divórcio, mas eles não são crimes.

Para defensores da lei, parece haver algo sobre a homossexualidade que a diferencia. Um sentimento que não é ‘normal‘. Se fazemos parte de um grupo maioritário, tendemos a pensar que outros grupos minoritários são anormais, não porque eles tenham feito nada de errado, mas porque nós definimos o normal para ser o que somos e, uma vez que eles não são como nós, então eles são anormais. Os defensores da lei querem dar uma certa aparência de homogeneidade humana. Mas não podemos legislar para a existência de um mundo que não existe: a verdade da nossa condição humana é que somos um diversificada espécie, multi-facetada. A medida da nossa humanidade reside, em parte, na forma como pensamos daqueles diferentes de nós. Não podemos – e não devemos – ter empatia apenas por pessoas que são como nós.

Alguns defensores da lei perguntaram: “o que é a seguir, um casamento entre um homem e um cão?” Ou “você já viu animais gays?” (Na verdade, estudos mostram que há comportamento homossexual em muitas espécies de animais.) Mas, simplesmente, as pessoas não são cães, e para aceitar a premissa – que um homossexual é comparável a um animal – é desumano. Não podemos reduzir a humanidade dos nossos companheiros homens e mulheres por causa de como e quem eles amam. Alguns animais comem sua própria espécie, outros abandonam as suas crias. Vamos seguir esses exemplos, também?

Outros partidários sugerem que os homens gays abusam sexualmente crianças. Mas pedofilia e homossexualidade são duas coisas muito diferentes. Há homens que abusam de meninas e mulheres que abusam de meninos, e não presumimos que eles fazem isso porque são heterossexuais. O abuso sexual infantil é um crime feio que é cometido por adultos heterossexuais e gays (é por isso que é um crime: as crianças, em virtude de não serem adultas, necessitam de proteção e são incapazes de dar um consentimento sexual).

Houve também algumas posturas nacionalistas entre os apoiantes da lei. A homossexualidade é ‘não-africana‘, dizem eles, e não vamos ser como o oeste. O Ocidente não é exatamente um paraíso homossexual; actos de discriminação contra os homossexuais não são incomuns nos EUA e na Europa. Mas é a ideia de “não-africano” que é verdadeiramente insidiosa. Sochukwuma nasceu de pais Igbo e teve avós e bisavós Igbo. Ele nasceu uma pessoa que ama romanticamente outros homens. Muitos nigerianos conhecem alguém como ele. O menino que se comportou como uma menina. A menina que se comportou como um menino. O homem efeminado. A mulher incomum. Estas eram pessoas que nós conhecíamos, pessoas como nós, nascidos e criados em solo Africano. Como, então, são eles “não-africanos“?

Se alguma coisa coisa é, é a aprovação da própria lei que é “não-africana“. Isso vai contra os valores da tolerância e do mote “viver e deixar viver”, que fazem parte de muitas culturas africanas. (Em 1970, Igboland, Area Scatter era um músico popular, um homem que se vestia como uma mulher, usava maquilhagem, os cabelos entrançados. Não sabemos se ele era gay – eu acho que ele era – mas se ele se apresentasse hoje, ele poderia ser condenado a 14 anos de prisão por ser quem ele é). E esta aprovação é justificada não por um debate interno, mas por um outro cinicamente emprestado: ligamos a CNN e ouvimos países ocidentais debaterem o casamento do mesmo sexo e então decidimos que nós, também, iríamos passar uma lei proibindo esse mesmo casamento do mesmo sexo. Onde na Nigéria, cuja Constituição define o casamento como sendo entre um homem e uma mulher, um homossexual pediu o casamento do mesmo sexo?

Esta é uma lei injusta. Ele deve ser revogada. Ao longo da história, muitas leis desumanas foram aprovadas, e, posteriormente, foram revogadas. Barack Obama, por exemplo, não estaria aqui hoje se seus pais obedecessem a leis norte-americanas que criminalizavam o casamento entre negros e brancos.

Um conhecido recentemente perguntou-me: “se você apoiar gays, como é que você nasceria?” Certamente havia nigerianos gays quando fui concebida. Os gays têm existido desde que os seres humanos têm existido. Eles sempre foram uma pequena percentagem da população humana. Nós não sabemos o porquê. O que importa é isto: Sochukwuma é um nigeriano e sua existência não é um crime.

Poderão ler o artigo de opinião original aqui: link.

Anúncios