Modelo E Activista Trans Geena Rocero Sobre O Poder Da Visibilidade

Geena Rocero, uma modelo filipina que se assumiu trans há um ano numa palestra TED, escreveu hoje, Dia Da Visibilidade Trans, um testemunho para o Huffington Post que de seguida reproduzimos numa tradução livre:

Foi exatamente há um ano que me dei à liberdade de ser vista pelo mundo como a mulher que sou: uma mulher orgulhosa  e transgénero.

Também vim a perceber que para chegar a esta posição de força,  precisava entender melhor as múltiplas identidades que se cruzam entre si e moldaram o meu pensamento. Eu nasci e cresci num pequeno beco em Manila, e sempre tive grandes sonhos. Como o único ganha-pão na nossa família, a minha mãe mostrou-me o significado de desembaraço. Além de ser uma professora numa escola primária, ela teve muitos empregos, garantindo que sempre havia comida suficiente na mesa.

Eu sou uma filha. Eu sou um imigrante. Eu sou uma pessoa de cor.

Por muito tempo, estive paralisada pelo medo em aceitar a minha verdade. Receosa do que as pessoas pensariam de mim, com medo de perder postos de trabalho como modelo. Finalmente decidi que não poderia ficar paralisada mais. Percebi que aceitar a vulnerabilidade é permitir que sua autenticidade brilhe.

Após o lançamento da Gender Proud, eu fui inundada com apoio; os meus amigos – a maioria dos quais não sabia sobre minha identidade trans – sentiram-se profundamente orgulhosos de mim. Os média trataram com respeito a minha história e fui em excursão por várias universidades em todo o país, onde os alunos me acolheram de braços abertos.

O movimento trans teve um ano incrível. Laverne Cox foi capa da Time, Janet Mock tinha um livro best-seller do NYT e uma rapariga trans de apenas 14 anos de idade, Jazz Jennings é amada na América.

É através de histórias como estas que temos vindo a humanizar a nossa jornada e é através da sua visibilidade que salvamos vidas.

Infelizmente, visibilidade não é o mesmo que igualdade. As primeiras sete semanas de 2015 foram terrivelmente violentas, tendo havido sete mortes na nossa comunidade. Em comparação, houve doze homicídios em 2014.

A morte de Leelah Alcorn em Dezembro mostrou-nos a tragédia que é negarmos à nossa juventude a sua verdade; lembrou-nos igualmente que a “terapia de conversão” é na verdade um abuso.

Há muitas mais batalhas à nossa frente nós – a Lei da Liberdade Religiosa no Indiana, para começar – sinto-me encorajada pelos inúmeros sinais que o mundo está ciente e a escutar. Gostaria de acreditar que comunidades conscientes não permitirão que a propagação do preconceito continue.

Estou escrevendo isto no avião, a caminho de casa para um encontro anual, chamado Trans100. Na última noite é lida uma lista de cem nomes; nomes de membros da comunidade trans que estão sendo reconhecidos pelo seu trabalho de defesa dos direitos de todos nós. Sinto-me entusiasmada com o que eles estão a criar e estou também ansiosa por estar, de pé, ao lado dessa crescente lista de agentes de mudança.

 …

Vejam a palestra mencionada no início deste artigo a seguir:

Anúncios