Hillary Clinton, O Discurso Histórico E O Início De Uma Candidatura Aliada

No dia 6 de Dezembro de 2011, a Secretária de Estado Norte-Americana Hillary Clinton, candidata oficial desde o dia de ontem à Presidência dos Estados Unidos da América, fez um discurso histórico [vídeo] na Sede da Organização das Nações Unidas em Genebra, Suíça. Nele declarou, de forma inequívoca, a ligação dos direitos das pessoas LGBT aos direitos humanos. A óptima tradução é do blogue O Impressionista, aqui fica o discurso e no final vejam o vídeo oficial de lançamento da candidatura de Hillary com a inclusão (palavra-chave!) de dois casais do mesmo sexo:

Boa noite, e deixem-me expressar a minha profunda honra e prazer por estar aqui. Quero agradecer ao Diretor-Geral Tokayev e à Sra. Wyden, juntamente com outros ministros, embaixadores, excelências, e parceiros das Nações Unidas. Este fim de semana, vamos celebrar o Dia dos Direitos Humanos, o aniversário de uma das grandes realizações do século passado.

A partir de 1947, delegados de seis continentes se dedicaram a elaborar uma declaração de que iria consagrar os direitos e liberdades fundamentais das pessoas em toda parte. No rescaldo da Segunda Guerra Mundial, muitas nações pressionaram por uma declaração deste tipo para ajudar a garantir que iríamos impedir futuras atrocidades e proteger a humanidade e a dignidade inerentes a todas as pessoas. E assim os delegados foram ao trabalho. Eles discutiram, escreveram, revisitaram, reviram, reescreveram, por milhares de horas. E eles incorporaram sugestões e revisões de governos, organizações e indivíduos em todo o mundo.

Às três horas da manhã de 10 de dezembro de 1948, depois de quase dois anos de elaboração e uma última noite de longo debate, o presidente da Assembleia Geral da ONU pediu uma votação do texto final.

Quarenta e oito nações votaram a favor, oito se abstiveram, nenhuma discordou. E a Declaração Universal dos Direitos Humanos foi adotada. Ela proclama uma ideia simples e poderosa: Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. E com a declaração, ficou claro que os direitos não são conferidos pelo governo, pois eles são o direito inato de todas as pessoas.

Não importa em que país vivemos, quem são nossos líderes, ou até mesmo quem somos nós. Porque somos humanos, temos, portanto, direitos. E porque nós temos direitos, os governos são obrigados a protegê-los.

Nos 63 anos desde que a declaração foi adotada, muitas nações fizeram grandes progressos para tornar os direitos humanos uma realidade humana. Passo a passo, as barreiras que uma vez impediram as pessoas de apreciar a medida plena da liberdade, a plena experiência da dignidade, e os benefícios totais da humanidade, caíram. Em muitos lugares, leis racistas foram revogadas, práticas jurídicas e sociais que relegavam as mulheres a um status de segunda classe foram abolidas, e a capacidade das minorias religiosas para praticar livremente sua fé foi assegurada.

Na maioria dos casos, este progresso não foi facilmente conquistado. Pessoas lutaram e organizaram-se, e fizeram campanha em praças públicas e espaços privados, para mudar não apenas as leis, mas corações e mentes. E graças a esse trabalho de gerações, em benefício de milhões de pessoas cujas vidas foram certa vez estreitadas pela injustiça, elas agora são capazes de viver mais livremente e de participar mais plenamente na vida política, econômica e social de suas comunidades.

Agora, ainda há, como todos sabem, muito a ser feito para assegurar esse compromisso, essa realidade, esse progresso, para todas as pessoas. Hoje, eu quero falar sobre o trabalho que deixámos por fazer, para proteger um grupo de pessoas cujos direitos humanos são ainda negados em muitas partes do mundo de hoje. Em muitos aspectos, eles são uma minoria invisível. Eles são presos, espancados, aterrorizados, mesmo executados. Muitos são tratados com desprezo e violência por parte de seus concidadãos, enquanto autoridades competentes para protegê-los olham para o outro lado, ou, muitas vezes, até mesmo juntam-se ao abuso. Eles têm negadas oportunidades de trabalhar e aprender, são expulsos de suas casas e países, e forçados a suprimir ou negar quem são, para se proteger do mal.

Estou falando das pessoas gays, lésbicas, bissexuais e transexuais, seres humanos nascidos livres e agraciados com igualdade e dignidade, as quais têm o direito de reivindicar; aquilo que é agora um dos desafios restantes dos direitos humanos do nosso tempo. Falo sobre este assunto, sabendo que o registro histórico do meu próprio país sobre direitos humanos para gays está longe de ser perfeito. Até 2003, era ainda um crime em algumas partes do nosso país. Muitos LGBT americanos têm sofrido violência e assédio em suas próprias vidas, e para alguns, incluindo muitos jovens, intimidação e exclusão são experiências diárias. Então, nós, assim como todas as nações, temos mais trabalho a fazer para proteger os direitos humanos em casa.

Agora, eu sei que levantar esta questão é sensível para muitas pessoas, e que os obstáculos no caminho da proteção aos direitos humanos das pessoas LGBT se baseiam em crenças pessoais, políticas, culturais e religiosas profundamente arraigadas. Então, eu venho aqui diante de vocês com respeito, compreensão e humildade. Apesar dos progressos nesta frente não serem fáceis, não podemos postergar uma ação. Então, nesse espírito, quero falar sobre as questões difíceis e importantes que devemos abordar juntos para alcançar um consenso global que reconheça os direitos humanos dos cidadãos LGBT em todos os lugares.

A primeira questão vai ao âmago da questão. Alguns sugeriram que os direitos dos homossexuais e os direitos humanos são separados e distintos, mas, na verdade, eles são uma e a mesma coisa. Agora, é claro, há 60 anos, os governos que elaboraram e aprovaram a Declaração Universal dos Direitos Humanos não estavam pensando em como ela se aplicaria à comunidade LGBT. Eles também não estavam pensando em como isso se aplicava aos povos indígenas ou crianças, ou pessoas com deficiência ou outros grupos marginalizados. No entanto, nos últimos 60 anos, temos vindo a reconhecer que os membros desses grupos têm o direito à medida plena de dignidade e direitos, porque, como todas as pessoas, eles compartilham uma humanidade comum.

Este reconhecimento não ocorreu de uma só vez. Evoluiu ao longo do tempo. E conforme evoluiu, entendemos que estávamos a honrar os direitos que as pessoas sempre tiveram, ao invés de criar direitos novos ou especiais para eles. Ser uma mulher, ser uma minoria racial, religiosa, étnica ou tribal, ser LGBT, não te faz menos humano. E é por isso que os direitos dos homossexuais são direitos humanos e os direitos humanos são direitos dos homossexuais.

É violação dos direitos humanos quando as pessoas são espancadas ou mortas por causa de sua orientação sexual, ou porque eles não estão em conformidade com as normas culturais sobre como homens e mulheres devem olhar ou se comportar. É uma violação dos direitos humanos quando os governos declaram ilegal ser gay, ou permitem que aqueles que prejudicam as pessoas gays fiquem impunes. É uma violação dos direitos humanos quando as mulheres lésbicas ou transexuais são submetidas aos assim chamados estupros corretivos, ou forçosamente submetidas a tratamentos hormonais, ou quando pessoas são assassinadas após chamadas públicas para a violência contra gays, ou quando elas são forçadas a fugir de suas nações e procurar asilo em outros países para salvar suas vidas. E é uma violação dos direitos humanos quando cuidados vitais são negados às pessoas porque elas são gays, ou acesso igual à justiça é negado às pessoas porque são gays, ou espaços públicos estão fora dos limites para as pessoas porque são gays. Não importa como nos parecemos, de onde viemos ou quem somos, nós somos todos igualmente intitulados aos nossos direitos humanos e dignidade.

A segunda questão é uma questão de saber se a homossexualidade surge a partir de uma determinada parte do mundo. Alguns parecem acreditar que é um fenómeno ocidental e, portanto, pessoas de fora do Ocidente têm motivos para rejeitá-la. Bem, na realidade, os gays nascem e pertencem a todas as sociedades do mundo. Eles têm todas as idades, todas as raças, todas as crenças, eles são médicos e professores, agricultores e banqueiros, soldados e atletas, e independente de se nós o sabermos, ou reconhecê-lo, eles são a nossa família, nossos amigos e nossos vizinhos.

Ser gay não é uma invenção ocidental, é uma realidade humana. E proteger os direitos humanos de todas as pessoas, gay ou hétero, não é algo que só os governos ocidentais fazem. A Constituição da África do Sul, escrita no rescaldo do Apartheid, protege a igualdade de todos os cidadãos, incluindo os homossexuais. Na Colômbia e Argentina, os direitos dos gays também estão legalmente protegidas. No Nepal, a Suprema Corte decidiu que a igualdade de direitos se aplica aos cidadãos LGBT. O governo da Mongólia se comprometeu a buscar uma nova legislação que irá abordar a discriminação anti-gay.

Agora, alguns temem que a proteção dos direitos humanos da comunidade LGBT é um luxo que só os países ricos podem pagar. Mas, na verdade, em todos os países, há custos por não se protegerem esses direitos, em vidas tanto de gays quanto heterossexuais, perdidas para a doença e a violência, no silenciar de vozes e pontos de vista que fortaleceriam as comunidades, e em ideias nunca concretizadas por empreendedores que acontece de serem gays. Incorre-se em custos sempre que qualquer grupo é tratado como menos que outro, sejam eles mulheres, minorias raciais ou religiosas, ou a LGBT. O ex-presidente Mogae, do Botswana, assinalou recentemente que enquanto as pessoas LGBT forem mantidas nas sombras, não poderá haver um programa de saúde pública eficaz de combate ao HIV e à SIDA. Bem, isso vale para outros desafios também.

A terceira, e talvez mais problemática questão, surge quando as pessoas citam valores religiosos ou culturais como uma razão para violar ou para não proteger os direitos humanos de cidadãos LGBT. Isto não é diferente da justificativa oferecida para práticas violentas contra as mulheres, como crimes de honra, queima de viúvas ou mutilação genital feminina. Algumas pessoas ainda defendem essas práticas como parte de uma tradição cultural. Mas a violência contra as mulheres não é cultural, é criminal. Da mesma forma a escravidão, que uma vez já foi justificada como sendo sancionada por Deus, e é agora devidamente rechaçada como uma violação inadmissível dos direitos humanos.

Em cada um destes casos, viemos a aprender que nenhuma prática ou tradição supera os direitos humanos, que pertencem a todos nós. E isso vale para o infligir da violência sobre as pessoas LGBT, a criminalização de seu estado ou comportamento, a sua expulsão de suas famílias e comunidades, ou a aceitação tácita ou explícita de sua morte.

É claro que vale a pena observar que raramente tradições culturais e ensinamentos religiosos estão realmente em conflito com a proteção dos direitos humanos. De fato, nossa religião e nossa cultura são fontes de inspiração e de compaixão para com nossos companheiros seres humanos. Não foram apenas os que já justificaram a escravidão a se inclinaram sobre a religião; fizeram-no também aqueles que buscavam aboli-la. E devemos ter em mente que os nossos compromissos para proteger a liberdade de religião e de defender a dignidade de pessoas LGBT emanam de uma fonte comum. Para muitos de nós, a crença e a prática religiosa é uma fonte vital de significado e identidade, e fundamental para quem nós somos como povo. E da mesma forma, para a maioria de nós, os laços de amor e familiares que forjamos também são fontes vitais de significado e identidade. E cuidar dos outros é uma expressão do que significa ser plenamente humano. É porque a experiência humana é universal que os direitos humanos são universais e passam através de todas as religiões e culturas.

A quarta questão é o que a história nos ensina sobre como devemos progredir rumo aos direitos para todos. O progresso começa com a discussão honesta. Agora, há alguns que dizem e acreditam que todos os gays são pedófilos, que a homossexualidade é uma doença que pode ser diagnosticada ou curada, ou que gays recrutam outras pessoas para se tornarem gays. Bem, estas noções simplesmente não são verdade. Eles também não são susceptíveis de desaparecer se aqueles que as promovem ou aceitam forem afastados em vez de convidados a compartilhar seus medos e preocupações. Ninguém jamais abandonou uma crença, por ter sido forçado a fazê-lo.

Direitos humanos universais incluem a liberdade de expressão e a liberdade de crença, mesmo que nossas palavras ou crenças insultem a humanidade dos outros. No entanto, enquanto somos livres para acreditar no que quer que escolhamos, não podemos fazer o que quer que escolhamos; não em um mundo onde nós protejamos os direitos humanos de todos.

Alcançar a compreensão dessas questões exige mais do que fala. Exige diálogo. Na verdade, é preciso uma constelação de diálogos em lugares grandes e pequenos. E é preciso força de vontade para ver rígidas diferenças de crença como uma razão para começar o diálogo, e não evitá-lo.

Mas o progresso vem de mudanças nas leis. Em muitos locais, incluindo o meu próprio país, a proteção legal ter precedido, e não seguido, um reconhecimento mais amplo dos direitos. Leis têm um efeito educativo. Leis que discriminam validam outros tipos de discriminação. Leis que exigem proteções iguais reforçam o imperativo moral da igualdade. E falando praticamente, é frequente que as leis devam mudar antes de os temores sobre a mudança se dissiparem.

Muitos no meu país pensaram que o presidente Truman estava fazendo um grave erro quando ordenou a dessegregação racial dos nossos militares. Eles argumentaram que isso poderia prejudicar a coesão da unidade. E não foi senão quando ele foi em frente e fez isso, que nós vimos como ele fortaleceu nosso tecido social de uma forma que até mesmo os defensores da política não poderiam prever. Da mesma forma, alguns se preocuparam, em meu país, que a revogação do “não pergunte, não conte” teria um efeito negativo sobre nossas forças armadas. Agora, o comandante dos Fuzileiros Navais, que foi uma das mais fortes vozes contra a revogação, diz que suas preocupações eram infundadas e que os marines têm abraçado a mudança.

Finalmente, o progresso vem de estarmos dispostos a caminhar uma milha nos sapatos de outra pessoa. Precisamos nos perguntar: “Como eu me sentiria se fosse um crime de amar a pessoa que eu amo? Como é a sensação de ser discriminado por algo sobre mim que eu não posso mudar?” Este desafio se aplica a todos nós, ao refletirmos sobre nossas crenças mais profundas, à medida que trabalhamos para abraçar a tolerância e o respeito pela dignidade de todas as pessoas, e ao humildemente nos envolvermos com aqueles de quem discordamos, na esperança de criar uma maior compreensão.

Uma quinta e última questão é a forma como fazemos a nossa parte para levar o mundo a abraçar os direitos humanos para todas as pessoas, incluindo as pessoas LGBT. Sim, as pessoas LGBT devem ajudar a conduzir esse esforço, como tantos de vocês estão a fazer. Os vossos conhecimentos e experiências são inestimáveis, e a vossa coragem inspiradora. Sabemos os nomes dos valentes ativistas LGBT que, literalmente, deram suas vidas por esta causa, e há muitos mais cujos nomes nunca saberemos. Mas muitas vezes aqueles a quem são negados os direitos são também os menos habilitados para trazer as mudanças que buscam. Agindo sozinhas, as minorias nunca poderão alcançar a maioria necessária para a mudança política.

Assim, quando qualquer parte da humanidade é posta de lado, o resto de nós não pode virar as costas. Sempre que uma barreira ao progresso caiu, ela exigiu um esforço cooperativo daqueles em ambos os lados dessa mesma barreira. Na luta pelos direitos das mulheres, o apoio dos homens continua a ser crucial. A luta pela igualdade racial tem contado com contribuições de pessoas de todas as raças. O combate à islamofobia e ao antissemitismo é uma tarefa para pessoas de todas as fés. E o mesmo é verdade com esta luta pela igualdade.

Por outro lado, quando vemos negações e violações dos direitos humanos e deixamos de agir, isto se torna uma mensagem para os negadores e abusadores, de que eles não vão sofrer quaisquer consequências por seus atos, e assim eles continuam. Mas quando nós agimos, enviamos uma poderosa mensagem moral. Aqui em Genebra, a comunidade internacional agiu este ano para reforçar um consenso global em torno dos direitos humanos das pessoas LGBT. No Conselho de Direitos Humanos em março, 85 países de todas as regiões apoiaram uma declaração pedindo o fim da criminalização e da violência contra pessoas por causa de sua orientação sexual e identidade de gênero.

Na sessão seguinte do Conselho, em junho, a África do Sul assumiu a liderança em uma resolução sobre a violência contra as pessoas LGBT. A delegação da África do Sul falou eloquentemente sobre sua própria experiência e luta pela igualdade humana e sua indivisibilidade. Quando a medida foi aprovada, tornou-se a primeira resolução da ONU que reconhece os direitos humanos das pessoas em todo o mundo gay. Na Organização dos Estados Americanos deste ano, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos criou uma unidade sobre os direitos das pessoas LGBT, um passo em direção ao que esperamos que venha a ser a criação de um relator especial.

Agora, temos de ir mais longe e trabalhar aqui e em todas as regiões do mundo para estimular um maior apoio aos direitos humanos da comunidade LGBT. Aos líderes dos países onde as pessoas são presas, espancadas ou executadas por serem gays, eu peço que considerem isto: Liderança, por definição, significa estar na frente do teu povo, quando é chamado para tal. Isso significa defender a dignidade de todos os seus cidadãos e persuadir seu povo a fazer o mesmo. Significa, também, garantir que todos os cidadãos sejam tratados como iguais em suas leis, porque – e deixem-me ser clara – não estou dizendo que os gays não podem cometer ou não cometem crimes. Eles podem e o fazem, tanto quanto os heterossexuais. E quando o fazem, eles devem ser responsabilizados, mas ser gay nunca deveria ser um crime.

E para pessoas de todas as nações, eu digo que o apoio aos direitos humanos é de sua responsabilidade, também. As vidas das pessoas gays são moldadas não apenas por leis, mas pelo tratamento que recebem todos os dias das suas famílias, de seus vizinhos. Eleanor Roosevelt, que tanto fez para promover os direitos humanos a nível mundial, disse que esses direitos começam nos lugares pequenos perto de casa – as ruas onde as pessoas moram, as escolas que frequentam, as fábricas, fazendas e escritórios onde trabalham. Esses lugares são o domínio de vocês. As ações que vocês tomarem, os ideais que vocês defenderem, podem determinar se os direitos humanos florescerão onde vocês estão.

E, finalmente, para os homens e mulheres LGBT em todo o mundo, deixem-me dizer isto: Onde quer que vocês morem e quaisquer que sejam as circunstâncias de sua vida, quer vocês estejam conectados a uma rede de apoio, quer se sintam isolados e vulneráveis, por favor, saibam que vocês não estão sozinhos. Pessoas em todo o mundo estão a trabalhar arduamente para apoiá-los e acabar com as injustiças e perigos que vocês enfrentam. Isso é certamente verdade para o meu país. E vocês têm um aliado nos Estados Unidos da América, e vocês têm milhões de amigos entre o povo americano.

A administração Obama defende os direitos humanos das pessoas LGBT como parte de nossa política abrangente de direitos humanos e como uma prioridade da nossa política externa. Em nossas embaixadas, nossos diplomatas estão levantando preocupações sobre casos específicos e leis, e trabalhando com uma gama de parceiros para fortalecer a proteção dos direitos humanos para todos. Em Washington, criamos uma força-tarefa do Departamento de Estado para apoiar e coordenar este trabalho. E nos próximos meses, iremos prover cada embaixada com um kit de ferramentas para ajudar a melhorar os seus esforços. E criamos um programa que oferece apoio emergencial aos defensores dos direitos humanos das pessoas LGBT.

Esta manhã, de volta a Washington, o presidente Barack Obama colocou em prática a primeira estratégia do governo EUA dedicada ao combate aos abusos dos direitos humanos contra pessoas LGBT no exterior. Partindo dos esforços já em curso no Departamento de Estado e de todo o governo, o presidente determinou a todas as agências governamentais dos EUA que atuam no exterior para combater a criminalização do status e da conduta LGBT, reforçar os esforços para proteger os refugiados LGBT vulneráveis e em busca de asilo, garantir que nossos ajuda externa promova a proteção dos direitos LGBT, para engajar organizações internacionais na luta contra a discriminação e responder rapidamente aos abusos contra as pessoas LGBT.

Também estou satisfeita por anunciar que estamos lançando um novo Fundo para Igualdade Global, que vai apoiar o trabalho das organizações da sociedade civil que trabalham sobre estas questões em todo o mundo. Este fundo irá ajudá-las a registrar números, para que possam direcionar suas campanhas, a aprender a usar a lei como uma ferramenta, a gerir os seus orçamentos, a treinar seus funcionários e a estabelecer parcerias com organizações de mulheres e outros grupos de direitos humanos. Nós aplicamos mais de 3 milhões de dólares para iniciar este fundo, e temos esperança de que outros se juntem a nós no apoio dele.

As mulheres e os homens que defendem os direitos humanos para a comunidade LGBT em lugares hostis, alguns dos quais estão aqui hoje conosco, são corajosos e dedicados, e merecem toda a ajuda que possamos dar a eles. Sabemos que a estrada adiante não será fácil. Um grande volume de trabalho está diante de nós. Mas muitos de nós já vimos em primeira mão o quão rápido a mudança pode vir. Em nossas vidas, as atitudes em relação às pessoas homossexuais em muitos lugares foram transformadas. Muitas pessoas, inclusive eu, têm experimentado um aprofundamento de nossas próprias convicções sobre o tema ao longo dos anos, ao dedicar mais atenção a ele, envolver-se em diálogos e debates, e estabelecer relações pessoais e profissionais com pessoas que são gays.

Esta evolução é evidente em muitos lugares. Para destacar um exemplo, a Alta Corte de Delhi descriminalizou a homossexualidade na Índia há dois anos, escrevendo, e eu cito, “Se há um princípio que pode ser dito que é um tema subjacente da Constituição indiana, é a inclusão.” Há pouca dúvida em minha mente que o apoio aos direitos humanos LGBT continuará a aumentar. Porque para muitos jovens, isso é simples: Todas as pessoas merecem ser tratadas com dignidade e têm seus direitos humanos respeitados, não importa quem são ou quem elas amam.

Há uma frase que as pessoas nos Estados Unidos invocam, ao exigirem de outros o apoio aos direitos humanos: “Esteja no lado certo da história”. A história dos Estados Unidos é a história de uma nação que tem repetidamente confrontado a intolerância e a desigualdade. Nós lutamos uma guerra civil brutal sobre a escravidão. Pessoas de costa a costa juntaram-se em campanhas para reconhecer os direitos das mulheres, dos povos indígenas, das minorias raciais, crianças, pessoas com deficiência, imigrantes, trabalhadores e assim por diante. E a marcha em direção à igualdade e justiça continuou. Aqueles que advogam a expansão do círculo de direitos humanos foram e estão do lado certo da história, e a história os honra. Aqueles que tentaram restringir os direitos humanos estavam errados, e a história reflete isto também.

Eu sei que os pensamentos que compartilhei hoje envolvem questões sobre as quais as opiniões ainda estão evoluindo. Como já aconteceu tantas vezes antes, as opiniões irão convergir, mais uma vez, com a verdade, a imutável verdade de que todas as pessoas são criadas livres e iguais em dignidade e direitos. Nós somos chamados mais uma vez para tornar reais as palavras da Declaração Universal. Vamos responder a essa chamada. Vamos estar do lado certo da história, para o nosso povo, nossas nações e as futuras gerações, cujas vidas serão moldadas pelo trabalho que fizermos hoje. Estou diante de vocês com grande esperança e confiança de que não importa quão longa a estrada à frente, vamos percorrê-la juntos com sucesso.

Muito obrigada.

[Fonte: O Impressionista]

Uns anos mais tarde Hillary, sempre envolta em polémicas, voltou a expressar o seu apoio às pessoas LGBT num vídeo para a Human Rights Campaign:

No passado Domingo foi anunciada a candidatura oficial de Hillary à presidência dos Estados Unidos da América, uma excelente notícia depois daquelas que divulgaram a discriminação oficial de Estados como o do Indiana. Apesar de tudo, e também apesar dos avanços dados durante a presidência de Obama, não deixa de ser a primeira candidata de relevo a apoiar tão abertamente as pessoas LGBT. A campanha não tenta disfarçar em nada o apoio que dá e vai ao ponto de incluir dois casais do mesmo sexo no vídeo de lançamento da campanha. Hillary, goste-se ou não da figura, vai à luta e não deixa que a temática LGBT não deixe de ser um trunfo a seu favor. Que assim seja e obrigue a uma ainda maior discussão sobre o tema. E que comece a corrida!

Anúncios