Júlia Mendes Pereira Poderá Ser Primeira Deputada Trans Em Portugal

O Bloco de Esquerda deverá anunciar hoje em Setúbal a candidata a deputada Júlia Mendes Pereira. A confirmar-se, e estando ela também numa posição elegível, poderá tornar-se na primeira deputada transgénero em Portugal. Júlia tem já percurso reconhecido no activismo europeu na área das minorias sexuais.

A lista setubalense de Júlia Pereira é encabeçada por Joana Mortágua, irmã da deputada Mariana Mortágua (em cima), que lidera a lista por Lisboa.

Diz o Diário de Notícias:

Dirigente da associação “Ação pela Identidade“, a escolha de Júlia Pereira poderá significar que o Bloco quer apostar nos temas fraturantes na próxima legislatura. Se a ativista chegar ao parlamento, Portugal tornar-se-á num dos primeiros países da Europa a contar com uma deputada transexual. O primeiro caso aconteceu na Polónia: em 2013, a deputada transexual Anna Gradzka foi eleita para o parlamento pelos Verdes.

O referido jornal não tem sido exemplo no que trata a estes temas, mostrando algum descuido no uso das palavras e expressões que usa. Neste exemplo usa a expressão em desuso “transexual” em vez de “transgénero” que tem sido preferida por melhor representar a questão trans. Trata-se, sim, de uma questão de género e não do foro sexual (como por exemplo a heterossexualidade, homossexualidade ou bissexualidade). Daí uma pessoa ser cisgénero (ou transgénero) não é espelhado na sua orientação sexual, pode ser qualquer um dos casos. No entanto, e temos essa noção, o Diário de Notícias está longe de ser o pior caso no que respeita a estas questões, apenas sentimos alguma frustração por lhe faltar tão pouco para se tornar num jornal de referência quando trata temas LGBT.

Expressões à parte, esta é uma notícia importante para dar visibilidade e educar a população do que é ser-se transgénero, para além da continuação do empenho que o Bloco tem tido desde a sua fundação nas questões dos direitos humanos e, em particular, dos das minorias.

Actualização: Confirmada a candidatura da Júlia:

A feminista e ativista dos direitos das pessoas transexuais e intersexo Júlia Mendes Pereira integra a lista do Bloco às legislativas 2015 pelo distrito de Setúbal, que é encabeçada por Joana Mortágua. Júlia Pereira é cofundadora e codiretora da associação API – Ação Pela Identidade – “grupo liderado por jovens ativistas que tem como fim a defesa e o estudo da diversidade de género e das características sexuais” -, é membro do Steering Committee da TGEU – Transgender Europe, organização europeia de defesa dos direitos das pessoas trans, e foi coordenadora do GRIT – Grupo de Reflexão e Intervenção sobre Transexualidade da associação ILGA Portugal. A ativista torna-se assim a primeira mulher transexual a candidatar-se à Assembleia da República.

Actualização #2:

comentários_FB_Trans

Não pude deixar passar alguns dos comentários que li na página oficial do Bloco de Esquerda no Facebook (cliquem na imagem para lá ir ter), são exemplo de ignorância, preconceito e transfobia. São pessoas que tentam mostrar-se superiores aos restantes impondo os seus princípios de igualdade absoluta, minorando assim o acto absolutamente relevante de podermos ter uma deputada transgénero no nosso Parlamento. Mais, colocam em questão as qualidades da mesma a priori. Pior, confundem a questão com a sexualidade da pessoa, pergunto: onde foi anunciada a sexualidade da pessoa? Por confusões destas, mais ou menos inocentes, que me faz mais sentido a designação “transgénero” e não “transsexual”, como expliquei acima. Fica ainda mais óbvio que se trata de uma questão de género e não de sexualidade quando os comentários transfóbicos são feitos precisamente por homens. Ficamos assim esclarecidos quanto à sua intenção.

Poderão apoiar a candidata comentando também, assim o fizemos:

Aconselho algumas das pessoas que aqui deixaram o seu comentário a deixar também o seu preconceito ou transfobia disfarçados e parem de complicar o que é simples e, no entanto, notável. Parabéns à Júlia e ao Bloco!

Fontes: Diário de Notícias, Dezanove, Facebook e Esquerda.net.

Nota: Obrigado à Célia pela partilha da notícia 🙂

Anúncios