O Argumento Dos Quatro Pénis E O Perigo De Pedro Arroja

Há textos que acertam plenamente naquilo que queremos escrever e este “Pedro Arroja: o Rei dos homofobicus otarius” de Guilherme Duarte é  exemplo genial disso.

Mas comecemos pela fonte, o economicista Pedro Arroja – que tem comentado no Porto Canal e que já na semana passada tinha levantado polémica ao chamar de “esganiçadas” às mulheres de relevo do Bloco de Esquerda – voltou a ser centro de nova polémica ao opinar no mesmo canal sobre a adopção por casais do mesmo sexo e, digamos, o sexo dos anjos. Vejam:

Toda a argumentação de Arroja roça o ridículo e, para além de ter uma visão machista da sociedade («Uma mulher sozinha não sabe para onde é que há-de ir»), possui uma homofobia baseada na ignorância mais ou menos consciente. Notei, tal como Guilherme Duarte, um certo escárnio na discrição da mulher envolto num toque de tentação mal-explicado.

Mas o grande perigo de Pedro Arroja – e de outros como ele – é o tempo de antena que estas pessoas recebem. Os órgãos de comunicação que lhes decidem dar voz acabam por ser cúmplices de toda esta narrativa de ignorância e de ódio que, é certo, lhes traz audiências e ‘cliques’, mas que, mais que isso, servem muitas vezes de validação a ideias que algumas pessoas ainda tem em Portugal. E em vez de se dar espaço à educação, à ciência, à discussão e ao aprofundamento de temas sociais, é-nos dado este lixo. Como prova, basta ver a quantidade de comentários homofóbicos e machistas que facilmente são encontrados nas páginas destes vídeos ou dos jornais de comentários.

É certo que este é um delicioso e tentador lixo – afinal de contas, aqui estamos a falar sobre esta pessoa – mas queremos, mais que tudo, denunciar o perigo que estas vozes têm com o seu alcance e influência. A passividade de alguns jornalistas é igualmente notável. Mesmo num espaço de opinião, o jornalista terá o dever de chamar à atenção qualquer incongruência que o discurso do comentador possua, tal como levantar questões pertinentes quando a mensagem é de claro ódio a um grupo de pessoas. O silêncio não pode servir de desresponsabilização. Valha-nos ao menos um sorriso amarelo.

Screenshot (2)

Nota: Obrigado à Sandra pela partilha do artigo do Por Falar Noutra Coisa.

Actualização 07/07/2016:

Noticia o Público:

“A Entidade Reguladora para a Comunicação Social considerou que as declarações do comentador Pedro Arroja sobre a adopção de crianças por casais homossexuais devem ser “enquadradas no âmbito da liberdade de expressão e de opinião”, ilibando assim aquele o Porto Canal de qualquer sanção numa deliberação recente sobre o assunto.”

Anúncios