Comité Olímpico e Atletas Transgénero

É desde o ano de 2004 que pela primeira vez @s atletas transgénero puderam participar nas competições Olímpicas contudo, nas seguintes condições:

  • estar a fazer terapia hormonal há pelo menos dois anos
  • ter feito a cirurgia de mudança de sexo
  • ter efectuado a alteração do nome e do género legalmente

De facto, abriu portas a alguns atletas. Mas excluiu, à priori, uns tantos outros – os atletas ainda no processo de transformação (legal e/ou física).

E é com agrado, que finalmente, o Comité Olímpico abre as portas aos atletas que ainda não tenham feito a cirurgia de reatribuição sexual. E, claro está, com algumas outras ressalvas, mas já lá voltámos.

Primeiro exemplo: Eu tenho o sexo feminino mas identifico-me com o género masculino, portanto estaria a competir nas competições masculinas. Já tu és do sexo masculino  e estás a competir nas provas femininas, hummm, de lançamento de peso. Seria uma competição justa para mim? E para ti?

Para precaver situações destas, de vantagem/desvantagens entre atletas, o Comité Olímpico especificou que os atletas a fazer a transição de masculino para feminino teriam que ser vigiados através da quantificação da testosterona na circulação sanguínea. Porquê? Uma atleta com níveis de testosterona de um homem que esteja a competir contra mulheres (que têm baixas concentrações de testosterona) fica imediatamente em vantagem.

Isto porque é, efetivamente, a testosterona que faz com que tenhamos mais velocidade, resistência e/ou força. Aliás, é a presença de testosterona (isto ainda embriões a crescer) que leva a que sejamos, anatomicamente, homens (se presente) ou mulheres (se ausente).

Relativamente aos atletas a fazer a transição de feminino para masculino o Comité Olímpico não criou nenhuma restrição. E isto justifica-se uma vez que a probabilidade de já estarem a efetuar a terapêutica hormonal – com testosterona – é grande.

O que é ainda mais feliz, é que estas alterações normativas estendem-se para outras competições – apesar da sua não obrigatoriedade – e serão já postas em prática nos próximos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, precisamente este ano!

Fugindo aos Jogos Olímpicos, já ouviste falar dos Gay Games?

FonteObservador.

Anúncios

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s