Tem A Comunicação Social Portuguesa Um Problema Com O ‘Coming Out’? (o caso de Elizabeth Gilbert)

rayya-elias-elizabeth-gilbert-lgbt-homossexualidade-bissexualidade-coming-out
Elizabeth Gilbert e Rayya Elias.

Não é raro encontrar em Portugal títulos de jornais que, de forma a simplificar a retórica ou por puro desrespeito pelas pessoas que tratam nos seus artigos e aquelas que os lêem, tiram conclusões simplistas e precipitadas sobre a orientação sexual das pessoas. Quando uma figura pública se assume L, G, B ou T di-lo-á. Sem meias palavras. Quando alguém assume uma relação com uma pessoa do mesmo sexo – e só isso – não está a assumir-se homossexual.

Ao contrário do que alguns meios de comunicação social em Portugal possam afirmar (Rádio Comercial e Correio da Manhã servem de exemplo), a popular autora Elizabeth Gilbert não assumiu a sua homossexualidade quando escreveu na sua página do Facebook o anúncio de que estava numa relação com a sua então amiga de longa data Rayya Elias.

Existem nesta história muitos detalhes na longa publicação que Gilbert escreveu na sua página oficial, como o divórcio do marido há três meses, a luta contra o cancro de Elias, mas em lado algum a autora de ‘Comer, Orar e Amar’ afirma ser homossexual. Não é um preciosismo, é dar a liberdade à pessoa de se definir adequadamente e como ela bem desejar e entender, seja ela homossexual, bissexual ou pansexual (ou…).

A comunicação social pode vender a história da forma que bem entender, mas encurralar em presunção a natureza de uma pessoa não é o caminho para um jornalismo (mais ou menos) sério e fidedigno, porque estas escolhas de títulos e textos, embora não sejam apoiados na fonte dos mesmos, colam-se à consciência global da sociedade. E assim uma mulher que se divorcia de um homem para estar com outra mulher é sinónimo de lésbica (e não, nunca, bissexual, por exemplo), dando assim força à invisibilidade que pessoas com outras orientações sexuais – minorias em minoria – sofrem por parte de toda a sociedade, nós incluídos e incluídas.

Há que afastar preconceitos. Há que informar as pessoas. Há que abandonar presunções. Porque ferem, há que fazer melhor.

Anúncios

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s