Música com Q: 21 de Outubro

Depois de uma edição da rubrica mais especifica na semana passada sobre o novo laureado do prémio Nobel da Literatura, hoje voltamos à rotina das novidades. Mas fossem  elas tão sumarentas quanto esta. Afinal de contas não é todos os dias que a “salvadora do bichedo”, a própria “sô dona” Lady Gaga, lança um novo álbum de originais. Ignoremos a sua nova onda de comentários nefastos acerca de Madonna e personalidade irritante no geral, a atirar para o intragável e sofrível. Vamos pois celebrar ‘Joanne‘, uma tentativa consciente de Lady Gaga de se desligar dos artifícios da pop e celebrar as suas raízes, reconhecendo as influências folk que existem em todos os songwriters americanos, sejam eles o próprio Bob Dylan ou até a P!nk. As críticas iniciais não são por demais simpáticas, mas será sempre de esperar que qualquer coisa que Gaga faça depois de ‘The Fame Monster‘ seja motivo de desdém por parte de todos os súbditos. Ouçamos e deliberemos, à primeira audição tem reconhecível mérito na simplicidade imposta na maioria das composições, sem esquecer os convidados de peso que incluem Florence Welch, Beck e Mark Ronson.

É também dia de relançamento do último álbum de Sia, ‘This Is Acting’ (Deluxe Version), com versões de temas do alinhamento anterior e mais quatro canções originais, que incluem o soberbo single “The Greatest” e também “Jesus Wept“, uma aproximação inesperada às primeiras composições da Australiana. Temos também o novo álbum de originais de Melanie C, ‘Version of Me‘, que a artista afirma ser sobre as várias máscaras que colocamos perante os desafios sociais que enfrentamos.

Austra também acaba de anunciar um novo disco para Janeiro que se chamará ‘Future Politics‘. Por enquanto ficamos com o primeiro avanço, “Utopia“, em single e em vídeo. Os Dragonette por outro lado fazem contagem decrescente para ‘Body Parts‘, álbum a ser lançado em Novembro, com “Body 2 Body“, tal como Robbie Williams e “Love My Life“, uma balada confessional de “empoderamento” pessoal que fará parte de “The Heavy Entertainment Show”. Esta estratégia de lançamento de faixas do disco em jeito de antecipação é recorrente nos dias de hoje e no mundo do streaming, e também os Justice fazem o mesmo com o tema “Alakazam!” de ‘Woman‘.

No outro lado do espectro da notoriedade auto-determinada da primeira destacada temos Anohni, a artista anteriormente conhecida pelo seu desempenho em Antony & The Johnsons. Depois de ‘HOPELESSNESS, álbum “de estreia” amplamente celebrado pela crítica, e uma passagem notória em Portugal, temos mais um video memorável para a canção “I Don’t Love You Anymore“. Totalmente despido de artifícios e fixado na mensagem da música e na expressão magoada da cantora é um hino ao (des)Amor particularmente pertinente na véspera do Dia Internacional da Despatologização Trans e da importância da visibilidade de figuras como Anohni para servirem de modelo para milhares de pessoas. E aqui fica ele:

Anúncios