Clarificação Na Dádiva De Sangue: A Discriminação Com Base Na Orientação Sexual Terminou

Quando foi anunciado o fim da discriminação a homens homo e bissexuais nas normas de acesso à dádiva de sangue em Setembro passado gerou-se alguma confusão na comunicação social sobre se esse fim seria real ou se se mantinha. Para esclarecer essa dúvida, a Deputada Isabel Moreira colocou uma série de questões ao Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes:

  1. A norma de orientação clínica 009/2016 termina efetivamente com a discriminação de HSH [“Homens que têm Sexo com Homens”] na dádiva de sangue?

  2. Em caso afirmativo, existe um prazo para que o IPST [Instituto Português do Sangue e Transplantação] elabore um questionário em conformidade com esta norma?

  3. Existirá um esforço de uniformização de procedimentos de recolha no sentido de evitar qualquer episódio de discriminação?

O texto enviado por ser lido na íntegra aqui (pdf).

A resposta do ministério, dada hoje pela Chefe de Gabinete Paula Maia Fernandes, explicita que com as novas normas anunciadas “é removida qualquer discriminação com base na orientação sexual e é dado enfoque a comportamentos de risco que podem decorrer independentemente da orientação sexual“. É igualmente reiterado o facto de não existir “qualquer referência à subpopulação HSH na norma“.

Quanto à “exclusão temporária de indivíduos do sexo masculino ou feminino que tiveram contacto sexual com outros indivíduos pertencentes a subpopulações com risco infeccioso acrescido para agentes transmissíveis pelo sangue durante um período de 12 meses, não é dependente da orientação sexual.” Tornando claro que “não existe qualquer suspensão permanente ou temporária relacionada com a orientação sexual na versão final da norma.”

A resposta explicita igualmente um prazo de 90 dias para que “o IPST elabore um questionário em conformidade com esta norma“, tal como fazer “circular a informação relativa à nova norma e ao questionário dela recorrente, planeando ainda acções de sensibilização para profissionais de saúde “.

A resposta pode ser lida na íntegra aqui (pdf).

Fica assim clarificada qualquer confusão na interpretação das notícias de Setembro em que foram divulgadas versões não finalizadas das novas normas. Confirma-se, portanto, que Portugal continuará na dianteira no que toca aos direitos das pessoas LGBTI.

Anúncios

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s