Volta A Espanha Deixará De Ter “Mulheres Do Pódio”

Foi anunciado esta semana que a organização da Volta a Espanha deixará de ter as chamadas “mulheres do pódio“. Repare-se que não estamos a falar de mulheres no pódio, mas sim mulheres do pódio. São geralmente modelos que entregam os troféus e, tradicionalmente, beijam o vencedor para a fotografia da praxe. Neste cenário, transformam-se também elas assim em claros troféus.

As anfitriãs dos pódios são tratadas como objetos, são subvalorizadas. Aqui é um hábito enraizado e ninguém se atreve a dar este passo, mas temos de admitir que escolher as mulheres pela sua beleza e metê-las em cima de pódios, não é a melhor imagem que se pode passar delas. – Mikel Landa (ciclista)

Em vez disso, equipas masculinas e femininas realizarão a cerimónia de entrega de prémios vestidas de “forma elegante”, segundo a organização. Não sei exatamente o que significa o conceito de elegante, mas dificilmente não será uma evolução no tratamento e na valorização do trabalho das mulheres. Ainda assim, creio que seria de salutar a escolha da organização de outras Voltas, como a da Austrália em que os troféus começaram a ser entregues por ciclistas júniores.

Não se trata aqui de desdenhar o trabalho das modelos, mas sim em todo o cenário criado em torno do pódio e da idolatração do homem (sim, porque o desporto é ainda acima de tudo do homem) com a submissão tradicional da mulher. No maior palco do mundo desportivo, os Jogos Olímpicos, há muito que existe a tradição da entrega das medalhas ser feita por pessoas de relevo desportivo. Não custa então entender por que não há-de a Volta a Espanha – e restantes Voltas – seguir um modelo similar, seja com a presença de jovens promessas, ou séniores com provas dadas no mundo do desporto. É a valorização da história que passou e a que aí vem, é a valorização do desporto, é a valorização de todos e – especialmente – todas nós.

 

Fonte: Imagem.

Anúncios