T’Nia Miller: ‘Nunca vi uma pessoa Queer na TV enquanto crescia’

A atriz de Years and Years, A Maldição da Mansão Bly ou ainda Sex Education reflete sobre o seu coming out à mãe, como enfrentou o racismo na sua carreira e porque destaca o movimento Black Lives Matter no ano de 2020.

Quando T’Nia Miller disse pela primeira vez à mãe que namorava uma mulher, explicou-lhe que não estava para vê-la a ter sexo com homens, como tal não era em nada diferente. “É sobre ter boas amizades e beleza na minha vida,” relembra em entrevista. “Foi isso. Nunca tivemos outra conversa sobre o tema, se ela tivesse algum problema era ela que teria de lidar com ele, não eu, e ela sabia-o. É uma mulher muito educada, foi fácil chegar a um acordo com ela.

Miller está a participar na campanha #YoungerMe, uma iniciativa da organização de jovens LGBTQ Just Like Us [Tal Como Nós], que questiona como uma educação inclusiva LGBTQ teria ajudado pessoas LGBTQ mais velhas quando estas andavam na escola.

Fui muito apoiada pela minha família durante a minha saída do armário”, conta, “mas há muitas crianças que não são. Sei como atriz negra o que significa ver pessoas como eu no ecrã e acho que é exatamente o mesmo quando se trata da nossa sexualidade e em como nos identificamos. É por isso que a Just Like Us é tão importante.

Miller diz que ela “não teve exposição, nenhum conhecimento, nada” sobre questões LGBTQ+ na sua juventude. “Eu nunca tinha visto uma pessoa LGBTI na TV e não conhecia nenhuma pessoa LGBTI até chegar à faculdade. Costumava viajar do East End para ir para a faculdade em Notting Hill e foi aí que conheci a minha primeira família escolhida, pessoas que eram um pouco diferentes do círculo social com o qual estava acostumada a viver. Meu Deus, foi refrescante!

Na verdade, Miller manteve a sua sexualidade escondida até os 20 e poucos anos. “Tenho herança jamaicana, adoro música reggae e costumava ouvir muitos insultos em criança”, conta. “Esse cenário, na época, não me apoiou ao ser Queer. Embora tais pontos de vista não estivessem presentes na minha família, na sociedade em geral havia uma vergonha envolta nela, então neguei-a.” Miller acabou por se casar com um homem e tendo filhos com ele, “mas quando ele começou por se revelar um idiota percebi: tenho dois filhos, sou um pouco mais velha e já não ligo à pressão social, então vou começar a namorar mulheres. Foi realmente tão simples como isto.

Miller nunca foi a favor da convencionalidade. Enquanto ela seguia uma rota bastante tradicional de estudar teatro na faculdade e ganhar um lugar na Guildford School of Acting, ela chegou à universidade com 20 e poucos anos divorciada, com dois filhos e uma hipoteca. “Você vai para a escola de teatro e acha que essas pessoas são divinas”, disse Miller. “Sentimo-nos muito afortunadas por estar lá e acreditamos naquelas pessoas. Somos jovens e impressionáveis. Sim, tinha dois filhos, mas tinha apenas 22 anos. Eu era uma criança que tinha crianças. A diferença é que eu não ia chorar e desistir.

Depois de ter passado por um sistema escolar que a minorava simplesmente pelo tom de pele, Miller conta que não é algo que tenha encontrado na sua vida profissional. Depois de terminar a escola de teatro, formou-se em pequenos papéis em programas como The Bill e Holby City, tendo encontrado papéis de maior destaque no Dubplate Drama do Channel 4 e, mais tarde, no inovador filme gay Stud Life, que foi dirigido e escrito por Campbell X. Neste último, Miller interpretou JJ, uma lésbica negra que trabalha como fotógrafa de casamentos. “Campbell X obrigou-nos a a ensaiar por método”, explicou Miller sobre o papel. “Durante três semanas fizemos ensaios, amarrei [o meu peito], fiz as malas e andei naquele corpo o tempo todo. Às vezes eu era confundida com um rapaz negro e entendi melhor com aquela experiência o meu próprio filho.

No entanto, Miller evitou o rótulo de “atriz queer”, assim como ela recusou quaisquer papéis que perpetuassem uma narrativa depreciativa sobre pessoas negras. “Temos sempre escolha,” disse. “Acho que isso é muito importante, caso contrário teria feito tantas outras coisas e minha carreira seria muito diferente. Mas quando assinei pela primeira vez com o meu agente, disse-lhe: ‘Não estou preparada para interpretar a estereotipada mãe monoparental prostituta do bairro.’ Sou mãe solteira, mas não estava preparada para desempenhar esses papéis.”

No seu papel mais recente, como Hannah Grose na série de terror da Netflix A Maldição da Mansão Bly, também lhe proporcionou a oportunidade de contar uma história queer que não estava centrada em narrativas de coming out, das quais Miller está entediada. “Tivemos aquela história de amor lésbico e foi apenas um dado adquirido”, contou. “Acho que estamos a ver isso mais na programação o que me agrada. É para lá que precisamos ir. Precisamos de mais histórias dessas.

Miller está ciente de que direções e agentes tenham “conversas difíceis” sobre inclusão nos elencos, embora ela permaneça cautelosa sobre como a mudança é provocada. “Se a resposta é apenas colocar um monte de pessoas negras no ecrã, então isso não está realmente a ajudar o trabalho, na minha opinião. Tem que estar atrás e à frente da câmera. E não são apenas pessoas negras, não pensemos que preenchemos quotas de diversidade apenas ao colocarmos uma pessoa negra num papel. Há tantas pessoas a considerar e até que isso aconteça, ainda não estamos lá.

A pandemia vivida ao longo de todo o ano de 2020 não ajudou e Miller disse que tem sido difícil avaliar se algum dos progressos discutidos foi realmente implementado. “Acho que é uma caminhada mais longa e vai demorar um pouco mais para realmente descobrirmos se foi feita alguma diferença.

Miller acredita que, no entanto, sem a pandemia, os holofotes nos protestos Black Lives Matter deste verão não teriam sido tão fortes: “Houve um movimento global de justiça social, o que nunca aconteceu.” Se há um ponto positivo em 2020 a destacar, o movimento Black Lives Matter pode ser precisamente uma das suas maiores forças e destaques: “É a beleza deste ano.

Fonte: The Guardian.

T5 | Ep.21 – Thank You For Being a Friend: Com MÓNICA CANÁRIO – Presidenciais Pt.3, #VermelhoEmBelém e Angelita Correia Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

  1. T5 | Ep.21 – Thank You For Being a Friend: Com MÓNICA CANÁRIO – Presidenciais Pt.3, #VermelhoEmBelém e Angelita Correia
  2. T5 | Ep.20 – Olá, Olé: Presidenciais Pt. 2, Casamento e Heteronormatividade
  3. T5 | Ep. 19 – All For Us: Presidenciais Pt.1, Asilo Não Binário e Portugal Hospitaleiro no Grindr

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:

👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 SoundCloud 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Se não estivermos ainda disponíveis na vossa app favorita, podem subscrever via 👉 RSS.

A processar… ⏱
Sucesso! 🌈

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s