Sophie Ellis-Bextor revelou ter sido violada aos 17 anos por um músico: “Não fui ouvida”

Sophie Ellis-Bextor, uma das divas da pop que se tornou conhecida com “Groovejet (If This Ain’t Love)” e tem mantido uma reconhecida carreira a solo, confessou ter sido violada aos 17 anos por um músico.

No seu livro de memórias, Spinning Plates, a cantora e compositora diz que foi violentada no apartamento de um guitarrista de 29 anos. “Ouvi-me dizer ‘Não’ e ‘Não quero’“, escreveu, “mas não fez diferença alguma“.
Ele fez sexo comigo e eu senti-me tão envergonhada! Foi assim que perdi minha virgindade e senti-me estúpida.

Senti-me suja, mas também insegura sobre os meus próprios sentimentos, pois não tinha outra experiência com a qual comparar.

No livro, Ellis-Bextor descreve como ela conheceu o músico – que ela chama apenas de Jim – num concerto enquanto ela era estudante. Ele convidou-a para voltar ao seu apartamento para ver os seus livros de história “e antes que eu percebesse estávamos na sua cama e ele tirou a minha roupa interior“.

A cantora, que agora tem 42 anos, diz que ficou confusa após o acto, já que a percepção do público sobre a violação na década de 1990 “não se focava no consentimento“, mas sim com “algo que você associava com agressão“. Mas, continuou, “ninguém me prendeu ou gritou para lhe obedecer” e “as coisas que vi e li e a forma como o sexo era discutido [na época] fizeram-me acreditar que não tinha um caso.

De acordo com a Rape Crisis England and Wales, essa percepção ainda persiste – com muitas vítimas a acreditar que não têm um caso legal se não houver sinais físicos de luta ou agressão. A instituição diz que “há muitas razões pelas quais alguém pode não gritar ou lutar“. Na verdade, “a quietude e o silêncio podem sugerir uma falta daqueles elementos cruciais de liberdade e capacidade“. Equívocos como esses podem dificultar a procura de ajuda por pessoas sobreviventes, pois muitas temem que não acreditem nelas. Menos de uma em cada seis vítimas relata a violação e mesmo quando o faz, “raramente é feita justiça”,

Ellis-Bextor diz que decidiu compartilhar a sua própria experiência para ajudar as pessoas a entender “onde está a linha entre o certo e o errado“.

A minha experiência não foi violenta“, escreveu nas suas memórias. “Tudo o que aconteceu foi que eu não fui ouvida. Das duas pessoas presentes, uma disse sim, a outra disse não e a primeira fê-lo mesmo assim.”
E desabafou que “quanto mais velha eu fico, mais severo parece aquele homem de 29 anos que me ignorou aos 17 anos.”

Como mãe de cinco crianças, Ellis-Bextor diz que teve o cuidado de apresentá-las ao conceito de consentimento: “Quero criar pessoas atenciosas e gentis que podem levar os sentimentos de outras pessoas em consideração”.

Em Portugal, a 15 de outubro vai ser discutido, a pedido da deputada não inscrita Cristina Rodrigues, o aumento do prazo de prescrição nos crimes sexuais contra crianças, para que a queixa possa ser apresentada até aos 50 anos.

*** Nota: Devido à integração de Cristina Rodrigues nos quadros do Partido CHEGA, rasurámos, em protesto e tomada de posição contra a instrumentalização da mesma, a parte do texto referente à antiga deputada.


Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

Episódio ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira. Cairo Braga tem neste episódio especial o duplo-papel de pessoa convidada e moderadora de uma conversa sobre a série de artigos de opinião que surgiram nos últimos dias sobre as identidades e vivências da comunidade LGBTI+… escritas quase na totalidade por homens heterossexuais, cisgénero, brancos e de meia idade. Para tal, juntam-se a Cairo o André Tecedeiro, a Luísa Semedo e o Pedro Carreira para uma conversa na primeira pessoa sobre este ataque, aproveitamento e obsessão que algumas pessoas comentaristas têm para falar da comunidades LGBTI+. A não perder! Artigos por pessoas LGBTI+ mencionados no episódio: A chave do armário e o orgulho da invisibilidade (por Luísa Semedo) De onde vem o que julga saber? Já conversou com pessoas trans e não-binárias? (por André Tecedeiro) O bullying dos opinion-makers (por Ana Aresta) Destransição: Dos mitos aos factos (por Pedro Carreira) Sigam e descubram o trabalho de: Cairo Braga André Tecedeiro Luísa Semedo Música por Fado Bicha: Fado Alice (com Alice Azevedo); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira
  2. Ep.137 – Becoming All Alone: Homens Cisgenerais, Telescópio Homofóbico e Queer Lisboa 26
  3. Ep.136 – Break My Soul: Padre em apuros e Friends redimidos

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer