ONU adverte EUA para proteger os direitos LGBTI+: “A igualdade não está à vista”

Victor Madrigal-Borloz da ONU adverte EUA para proteger os direitos LGBTI+: "A igualdade não está à vista"

Victor Madrigal-Borloz, especialista independente das Nações Unidas, alertou que alguns governos dos Estados Unidos da América estão constantemente a minar e eliminar os direitos civis de lésbicas, gays, bissexuais, trans e pessoas não binárias. Após visita aos EUA, Madrigal-Borloz instou a Casa Branca de Joe Biden a fortalecer as medidas de proteção dessa população..

Victor Madrigal-Borloz é um especialista independente da organização diplomática em proteção contra a violência e a discriminação baseadas em género e orientação sexual. Recentemente foi uma das figuras que pediu o fim da marginalização LGBTI+ em Moçambique e apelou à proibição global das “terapias de conversão” no mundo. O especialista disse que está “profundamente alarmado” que o progresso anteriormente conseguido, como a legalização do casamento igualitário pelo Supremo Tribunal dos EUA em 2015, esteja sob ameaça tanto a nível estadual quanto federal nos EUA.

A igualdade não está ao alcance das pessoas e, muitas vezes, nem mesmo à vista” para os membros das comunidades LGBTI+ nos EUA, disse Madrigal-Borloz após uma viagem de 10 dias pelo país.

As observações do especialista surgem depois do governo dominado pelos republicanos da Flórida neste verão promulgou a lei “don’t say gay” que proíbe que crianças em idade escolar do jardim de infância até ao terceiro nível recebam instruções em sala de aula sobre orientação sexual ou identidade de género.

Enquanto isso, os estados de Utah, Idaho, Virgínia Ocidental e Indiana lutam para impor proibições que restringem estudantes-atletas trans de participar no desporto escolar. O juiz do Supremo Tribunal Clarence Thomas sugeriu favoravelmente que o direito ao casamento entre pessoas do mesmo género poderia ser anulado após a eliminação dos direitos do aborto em todo o país. Também artistas drag queens estão cada vez mais a relatar assédio por parte de membros da direita política estadunidense.

Victor Madrigal-Borloz reconhece esforço de Joe Biden, mas diz que não é suficiente

Madrigal-Borloz reconheceu que o Presidente Joe Biden tentou contrariar algumas das leis estaduais contra as pessoas LGBTI+ por meio de uma ordem executiva que assinou em junho. A ordem visava secar o financiamento federal para a prática desacreditada de “terapias de conversão”, uma prática que tenta mudar à força a orientação sexual e identidade de género de jovens LGBTI+. Biden também incluiu instruções para os departamentos federais de saúde e educação ampliarem o acesso a cuidados médicos de afirmação de género, além de encontrar outras maneiras de combater as leis em estados controlados por conservadores que proíbem esses tratamentos para pessoas trans.

No entanto, Madrigal-Borloz sugeriu que a ordem executiva por si só não ofereceria muita resistência ao “ataque concertado” que as pessoas LGBTI+ estão a enfrentar vindo de líderes governamentais.

Estou profundamente alarmado com este movimento generalizado e altamente negativo criado por ações deliberadas para reverter os direitos humanos das pessoas LGBTI+ ao nível estadual”, disse. “As evidências mostram que, sem exceção, estas ações dependem de visões preconceituosas e estigmatizantes de pessoas LGBTI+, em particular crianças e jovens trans, e buscam alavancar as suas vidas como adereços para o lucro político.”

A ONU, com sede em Nova Iorque, acrescentou em comunicado que Madrigal-Borloz reuniu-se com autoridades estaduais e membros de comunidades LGBTI+ durante a sua viagem. Foi assim informado sobre a “desigualdade significativa em relação à saúde, educação, emprego e habitação” que as comunidades estão a enfrentar.

Deixa uma resposta