Estudo mostra como o apoio da família e da escola são essenciais à felicidade de jovens LGBTQ+

Estudo mostra como o apoio da família e da escola são essenciais à felicidade de jovens LGBTQ+

Pessoas LGBTQ+ são muito menos propensas a serem felizes em adultas se não receberem apoio em casa e na escola em jovens, revelou um novo estudo.

O relatório Positive Futures entrevistou 3.695 pessoas com idades entre os 18 e os 25 anos, no Reino Unido, incluindo um grupo de 1.736 jovens adultos queer. O mesmo identificou uma ligação entre a falta de apoio LGBTQ+ na infância e resultados negativos para a saúde mental, bem-estar e perspetivas de carreira no início da idade adulta.

“Apoio” é definido no estudo como a combinação de vários fatores, como o grau de proximidade com a sua família, como a escola abordou a temática LGBTQ+ e se elas tiveram algum modelo LGBTQ+ na sua vida enquanto jovens.

Crescer sem este tipo de apoio tem um impacto duradouro e devastador sobre jovens, conclui o relatório.

Descobertas-chave do relatório sobre jovens LGBTQ+:

Pessoas jovens adultas LGBT+ sem apoio familiar e escolar:

  • Foram quatro vezes mais propensas a sentirem-se envergonhadas por ser LGBT+ (41% vs 9%)
  • Tiveram mais do dobro das probabilidades de ter experienciado ataques de pânico (60% vs 28%) e quase duas vezes de ter experienciado depressão no ano passado (82% vs 42%)
  • Foram mais de três vezes mais propensas a ‘nunca ou raramente’ se sentirem otimistas sobre o seu futuro (42% vs 12%)
  • Foram três vezes mais propensas a não estarem confiantes de que terão uma carreira profissional que gostam (48% vs 17%)
  • Tiveram metade da probabilidade de se sentirem bem consigo mesmas (41% vs 89%)
  • Foram mais de quatro vezes mais propensas a ‘raramente ou nunca’ se sentirem próximas de outras pessoas (49% vs 11%)
  • Tiveram metade da probabilidade de sentirem confiança de que encontrarão uma relação estável (34% vs 70%) e terão crianças (25% vs 49%), mesmo que o desejem
  • Tiveram quase metade da probabilidade de dizer que são felizes na idade adulta (43% vs 85%)
  • Tiveram mais do dobro da probabilidade de ter tido pensamentos e sentimentos suicidas (85% vs 39%)
  • Tiveram mais do dobro das probabilidades de se auto-mutilarem (71% vs 33%)

Criar pontes é essencial para o bem estar de jovens LGBTQ+

Pessoas jovens precisam desesperadamente ouvir que as adultas nas suas vidas acreditam inequivocamente que ser-se LGBT+ não é algo que as diminui… caso contrário, veremos outra geração a enfrentar os resultados de cortar a respiração do relatório”, disse Amy Ashenden, diretora-executiva da organização Just Like Us.

Quando apoiamos jovens LGBT+, criamos uma pedra angular que faz a ponte entre as divisões e fornece uma estrutura que ajuda todas as pessoas. Esse é o objetivo deste relatório”, conclui a autoria do mesmo.

Deixa uma resposta