“Jikulumessu – Abre o Olho” Estreia Hoje Na RTP, Beijo Gay Incluído

Estreia esta noite a telenovela angolana Jikulumessu – Abre O Olho na RTP1. Em Janeiro, quando foi emitido na Televisão Pública de Angola um episódio com um beijo trocado entre dois homens, a telenovela foi suspensa por alegadas “razões técnicas”.

O motivo terá sido aquele que acabou por ser o primeiro beijo homossexual da história da televisão pública angolana. O beijo foi trocado entre as personagens Carlos Nambe (Pedro Hossi), um homem casado, e Gerson Cange (Lialzio Almeida), um jovem solteiro.

Numa nota emitida, mas entretanto apagada, a produtora Semba Comunicação procurou justificar a cena do beijo, afirmando que “desrespeitar e ofender nunca foi o propósito”. Acrescentou que embora “algumas imagens emitidas possam ter ferido susceptibilidades” e “algumas pessoas as podem ter considerado impróprias”, serão feitas ”correcções na representação de alguns conteúdos mais sensíveis”.

No Facebook pessoal, Coréon Dú, um dos produtores da telenovela e filho de José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola, condena o “acto de censura que o projecto sofreu pelo órgão que emite a telenovela, independentemente da sua eventual motivação”, acrescentando ainda que “projectos artísticos desta natureza tem como objectivo o lazer, mas também devem gerar diálogo e debate de forma salutar”.

abre o olho Jikulumessu beijo gay

O novo director de programas da RTP, Daniel Deusdado, explica ao jornal Público que Jikulumessu vai estar no ar até Novembro e reitera que a telenovela “tem imagens e um contexto natural e social angolano que serão novidade para muitos espectadores portugueses. Creio que vai atravessar bem o Verão e fidelizar público que gosta de histórias fora do mainstream existente nos outros canais”.

Sérgio Graciano, realizador da novela Laços de Sangue, pela qual venceu um Emmy, do filme Njinga Rainha de Angola e de várias séries portuguesas de sucesso – Conta-me Como Foi, Liberdade 21 ou Maternidade -, está orgulhoso de um produto que agora chega à RTP num horário que considera ser sinónimo de “reconhecimento de qualidade”. O beijo gay vai passar em Portugal, “claro”, e a suspensão da novela em Angola durou três dias, diz, mas também originou muita “pressão” do público para que voltasse. “A sociedade angolana é conservadora”, reconhece, mas a polémica que levou o criador da novela a falar em “censura” podia ter acontecido em qualquer outro país, acredita.

Quanto ao beijo em si, poderão vê-lo no seguinte link e confirmar que foi criada tanta polémica e tanto alarido por um simples beijo de raspão: vídeo. Se há protesto que merece existir é pela falta de empenho no mesmo. Mas que venham, portanto, mais beijos como estes, com maior ou menos afinco, na televisão para festejarmos todos a variedade e o orgulho que é beijar alguém com gosto!

Fontes: Jornal Público 1 e 2.

Anúncios