Sally Ride: A Primeira Astronauta Americana No Espaço (e a primeira LGBT)

Sally Ride tornou-se, a 18 de Junho de 1983, a primeira mulher astronauta norte-americana no espaço, como membro integrante da tripulação da Challenger. Tornou-se igualmente na mais jovem astronauta norte-americana – homem ou mulher – no espaço com apenas 32 anos. Ao final de seu segundo voo espacial, no ano seguinte, Sally passou a acumular 343 horas de permanência no espaço.

Ride treinou igualmente para uma terceira missão quando ocorreu o acidente que destruiu a Challenger, matou sua colega de turma – a pioneira Judith Resnik -, paralisou o programa espacial norte-americano por quase três anos e a impediu de voltar a voar. Depois de décadas dedicadas à ciência, faleceu aos 61 anos em 2012, vítima de cancro do pâncreas. Só aí se tornou publico que Sally Ride era lésbica e manteve relação com uma professora universitária durante 27 anos.

Natural de Los Angeles, Ride formou-se em Física e foi uma das 8.000 pessoas que respondeu ao anúncio da Universidade de Stanford para se candidatar ao programa espacial norte-americano. Sendo uma das escolhidas, entrou para a NASA em 1978 e trabalhou em vários projectos, nomeadamente no Canadarm, um revolucionário braço robótico utilizado nas missões espaciais.

Antes do seu histórico voo (só precedido pelas astronautas russas Valentina Tereshkova – em 1963 – e Svetlana Savitskaya – em 1982), Ride tornou-se fonte de interesse por parte dos meios de comunicação pelo facto de ser mulher. Questões como “Irão os voos espaciais afectar os seus orgãos reprodutores?” ou, pior, “Chora quando as coisas correm mal?” eram-lhe repetidamente feitas. Mas a astronauta respondia a este tipo de questões insistindo que se via, na missão que lhe era atribuída, apenas de uma forma: como uma astronauta.

[clicar nas fotografias para ver originais]

Ride sempre se mostrou muito reservada quanto à sua vida privada. Em 1982, casou-se com o astronauta Steve Hawley. Divorciaram-se cinco anos depois.

Após a morte de Ride, em 2012, o seu obituário revelou que manteve uma relação de 27 anos com Tam O’Shaughnessy, professora de psicologia e sua amiga de infância. Conheceram-se ambas quando eram aspirantes a jogadoras de ténis. O’Shaughnessy também foi um escritora de divulgação científica e, mais tarde, tornou-se a co-fundadora da Sally Ride Science, uma associação para desenvolver a educação científica. Ambas escreveram seis aclamados livros de ciência para crianças. A relação que tiveram, tal como a doença de Ride, manteve-se privada até à sua morte. Ride tornou-se assim, a juntar a todos os seus feitos, no primeiro astronauta conhecido como sendo LGBT.

Homenageada por várias instituições científicas e políticas, a astronauta foi igualmente lembrada pelos colegas Chris HadfieldCatherine Coleman que interpretaram o tema “Ride On”. No seu último trabalho – The Electric LadyJanelle Monáe gravou uma canção original em seu nome, oiçam:

 

As estrelas não parecem maiores, mas elas parecem mais brilhantes [no espaço].

Fontes: NASA, Space e Universe Today.

Nota: Obrigado ao Pedro pela partilha 🙂

Anúncios