Saltar para o conteúdo
Anúncios

Por que nós, homens gays, precisamos parar de chamar às vaginas de nojentas

things-to-know-vagina homens gays preconceito feminismo misoginia corpo

Não é raro encontrar em conversas – bem animadas, tenho que o confessar – referências a como as vaginas são “nojentas“, simulação de vómito incluída. A risada é generalizada e a conversa prossegue o seu percurso naturalmente. Isto acontece porque homens gays dizem-no repetidas vezes, ainda que através do humor, ainda que influenciados pelo efeito de grupo de outros homens gays, sim, claro, a vagina mete-lhes “nojo“, pois são “horrorosas” e “jamais se aproximariam de uma sequer“. E, sim, claro, vómito incluído. Again. Então, por que acho que nós, homens gays, devemos parar de chamar às vaginas de nojentas?

Tenho sérias dúvidas que se trate aqui apenas de uma desconstrução daquilo que um homem é suposto gostar, até porque há aqueles dentro da população LGBTI que, efetivamente, sentem atração pelo sexo oposto. Os homens bissexuais não são mito-urbano, acreditem. E, exclusivamente falando de vaginas e afins, há as mulheres lésbicas. E elas amam as suas vaginas. E elas são uma parte fundamental de todo o movimento LGBTI e feminista. Contra toda a minoração dos seus corpos, contra a negação da sua sexualidade, contra o nojo que lhes é lançado diariamente, inclusive por homens – e mulheres – heterossexuais. Faz sentido assim entrarmos numa lógica de desprezo da vagina? Qual o peso de uma piada destas? Que custo tem? Até que ponto não é isto consequência de uma misoginia entranhada em nós?

Não se trata aqui de condicionar a sexualidade, atração ou emoção de cada pessoa perante outra, longe disso. Mas julgo ser essencial perceber que custo tem a insistência numa piada generalizada em que, mais uma vez, é o corpo feminino a punchline, é o corpo feminino que sofre o desprezo e o nojo. Ainda para mais quando este surge de homens gays que, historicamente, se aliaram às mulheres lésbicas para que todo este movimento tenha ganhado força e chegado onde chegou hoje em dia. Não será co-responsabilidade nossa defender o corpo feminino? Ainda que muitos de nós não vá para a cama com elas, isso impede-nos realmente de as empoderar? Não, claro que não! Porque queremos – ou melhor, precisamos! – de mulheres fortes e confiantes. E, genericamente falando, só o alcançaremos se incluirmos as suas belas, lindas e languidas vaginas! Bem hajam!

Anúncios

3 Comments »

  1. Esse tipo de conversa, sem querer ser paternalista, talvez revele, da parte de jovens masculinos gay, uma global imaturidade emocional e, sem dúvida, uma irreflexão sobre o seu lugar no mundo enquanto seres biológicos (e com órgãos tão “nojentos” – e sujos – como são as vaginas, que têm uma tripla função fisiológica) e enquanto seres sociais. Simétrica irreflexão é a dos jovens e menos jovens heteros que sentem nojo pelos homossexuais e, se não vomitam. cospem quando se lhes sugere ou imaginam tocar o pénis de outro homem,

    Liked by 1 person

    • De acordo, deixo apenas o pormenor que as vezes com que me cruzei com estas conversas foi com pessoas de idades diversas. É um tema the corrente e de certa forma considerado aceitável num grupo relativamente vasto de homens gays. Há pois que ganhar essa consciência, pelo menos foi o processo que fiz (e continuo a fazer). Obrigado pelo comentário 🙂

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: