Arte Cultura Drag Género Opinião Televisão Trans

Gottmik, a drag queen que está a redefinir a transgressão de género

Gottmik, ou Kade fora de personagem, é uma drag queen americana que enquanto homem trans gay está a quebrar preconceitos e a fazer avançar os conceitos de género de pessoas trans

O fenómeno cultural queer RuPaul’s Drag Race está maior que nunca. Com franchises já estabelecidos nos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Tailândia e Holanda agora prepara-se para abrir novas edições na Austrália e em Espanha. E com o sucesso vieram as críticas de que a representação do drag não estava a acontecer no programa, nomeadamente com a exclusão de pessoas trans em prol de uma quase exclusividade de homens cis gay e mulheres trans que, à excepção de Peppermint, nunca se assumiram durante o concurso.

A pedrada no charco chegou com a décima terceira temporada e Gottmik, uma drag queen e um homem trans. E se no início esta inclusão era por si só motivo de celebração, a realidade superou quaisquer expectativas. Gottmik, ou Kade fora de drag, está não só a delinear novas fronteiras para o drag a nível artístico como também na forma como encaramos o género. No último episódio da série, no qual foi escolhido o top 4 final da temporada – e no qual está incluída Gottmik, Kade disse no confessionário que enquanto homem trans não se identificava com o binarismo com que eram julgadas as pessoas trans “Ou somos Barbies ou Kens. Hiperfeminilidade ou hipermasculinidade. Eu não sou assim“. Coloca assim na linha da frente a forma como as pessoas trans são julgadas de acordo com a concordância com o binarismo normativo. E que não têm possibilidade concreta a nível social de se colocar dentro do largo espectro da identidade de género.

Apesar de se identificar como homem trans e gay não repele de todo o seu lado feminino e encontrou no drag uma forma de fazê-lo. E se de início trouxe das redes sociais e da sua carreira pré-Drag Race a sua (incrível) maquilhagem totalmente branca, como de um mimo em drag, foi-se apercebendo com o decorrer do concurso que ela era uma máscara e que não representava a sua personagem drag na totalidade. Foi explorando outras formas de se apresentar em drag, deixando cair uma série de preconceitos de género e do que uma pessoa trans tem ou deve ser, e, no processo, tornou-se na concorrente que mais evoluiu durante a temporada. O estilo e perfeição no look estiveram lá desde início mas foi-se desprendendo desse rótulo e singrando em desafios de interpretação e comédia, com o pináculo máximo de ter vencido o Snatch Game com a sua imitação impagável de Paris Hilton.

Estamos quase a escolher uma vencedora para a 13ª temporada de RuPaul’s Drag Race e, apesar da concorrência ser forte, que me desculpe a Symone mas – pela transgressão, genuinidade e evolução – eu sou #TeamGottmik até ao fim.

T7 | Ep.4 – Industry Baby: Extrema-Direita VS Pessoas LGBTI, em Portugal e na Hungria Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O octogésimo oitavo episódio do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. Marcamos o início com as noitadas até às 23h mas passamos logo para os alegados crimes de ódio homobófico por parte de um dirigente do Chega e depois para a vontade de Viktor Orbán fazer um referendo na Hungria como resposta ao ultimato da União Europeia. Ainda falamos da Associação Variações antes de Dar Voz A… Greta, livraria feminista, Lil Nas X e o seu novo flex para a indústria e também à diversidade nos Jogos Olímpicos. Ah, e o Sawyer canta em alemão. Desculpem. Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄 Música por Lil Nas X (feat. Jack Harlow); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈
  1. T7 | Ep.4 – Industry Baby: Extrema-Direita VS Pessoas LGBTI, em Portugal e na Hungria
  2. T7 | Ep.3 – I Wanna Be Your Slave: Mj Rodriguez brilha nos Emmys, Ursula von der Leyen aperta com eles e Pride nos Jogos Olímpicos
  3. T7 | Ep.2 – La Solitudine: Goucha non grata e onda de homofobia dopo Pride

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

2 comentários

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: