Queer Lisboa 25: Assim foi a noite de abertura com ‘Querelle’ e mais destaques do fim de semana

Queer Lisboa, festival de cinema que festeja este ano a 25ª edição e de que a esQrever é parceira media, teve a sua estreia na passada sexta-feira, dia 17 e prossegue durante a semana até dia 25, sábado. Este é um pequeno resumo dos destaques que vimos.

Alguns destaques cinematográficos:

A sessão de abertura do Queer Lisboa 25 foi dedicada a Jean Genet, o radical francês e à adaptação do alemão Rainer Werner Fassbinder de Querelle, agora em versão restaurada. Um filme sobre as limitações inerentes à masculinidade e do erotismo e violência que delas florescem. Eterno, estimulante, enigmático.

Da realizadora Coraci Ruiz, Limiar é um documentário autobiográfico que acompanhar três gerações, da realizadora, a sua mãe e o seu filho Noah. Sobre a importância das famílias deixarem as crianças e jovens viverem todas as suas contradições para finalmente se puderem encontrar.

Enfant Terrible de Oskar Roehler é um biopic fora do comum sobre a vida desenfreada de Rainer Werner Fassbinder, realizador alemão dos anos 70 e 80. Acompanha a estética teatral brechtiana do autor e tem um interpretação empenhada de Oliver Masucci, mas acaba por não mergulhar muito para lá da superfície. O que é uma pena.

Minyan de Eric Steel passa-se nos anos 80 e tem como protagonista David, um jovem finalista de liceu a ajudar o avô numa sinagoga em Nova Iorque. Uma história de auto- descoberta num mundo em que a homossexualidade era associada à morte e a moral societal e religiosa não permitia uma maturação plena. Uma grande interpretação de Samuel Levine num filme que só peca por algum desnorteio na reta final.

Poderão igualmente conferir toda a programação do Queer Lisboa 25 no site oficial do festival que decorrerá entre os dias 17 e 25 de setembro no Cinema São Jorge e na Cinemateca Portuguesa.


Ep.143 – Ding Dong: Gais en Barcelona, Trixie & Katya e Dia da Memória Trans Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O centésimo QUADRAGÉSIMO TERCEIRO episódio do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. O Nuno tinha acabado de chegar de Barcelona e incorreu em todo um ensaio filosófico sobre as diferenças entre as Gais de Barcelona e as de Lisboa e a homofobia internalizada que ainda vivemos no nosso país, Grindr incluído. Falou também do drag espanhol antes de se babar com o espectáculo ao vivo Trixie & Katya Live, as drag queens que considera suas mães. Mas também falámos de assuntos sérios como o Dia Da Memória Trans e o Pedro ainda conseguiu Dar Voz A… Dead To Me. Artigos mencionados no episódio: Dia da Memória Trans: 327 mortes no último ano em todo o mundo, mas a maioria não é relatada Música por Katya Zamolodchikova, Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.143 – Ding Dong: Gais en Barcelona, Trixie & Katya e Dia da Memória Trans
  2. Ep.142 – ESPECIAL AO VIVO PODES: Economia Gay, Qatar e a importância dos Podcasts nas comunidades minoritárias
  3. Ep.141 – Milk Milk Lemonade: Twitter de Elon Musk, Daniel Radcliffe vs J.K. Rowling e Queer Porto 8

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer